As áreas do mundo mais vulneráveis a colapso

Certas áreas do mundo são mais vulneráveis ao colapso econômico e social. Embora a maioria dos analistas avalie a força ou a fraqueza de uma economia com base em sua dívida pendente ou relação dívida / PIB, há outro fator que é um indicador muito melhor. Para entender quais áreas e regiões do mundo sofrerão um maior grau de colapso do que outras, precisamos analisar sua dinâmica energética.

Por exemplo, enquanto os Estados Unidos ainda são o maior consumidor de petróleo do planeta, ele não é mais o importador de petróleo número um. A China ultrapassou os Estados Unidos importando um recorde de 8,9 milhões de barris por dia (mbd) em 2017. Esses dados vieram do recém-lançado BP 2018 Statistical Review. A cada ano, a BP publica um relatório que lista os números de produção e consumo de energia de cada país.

A BP também lista o total de produção e consumo de petróleo para cada área (regiões e continentes). O Oriente Médio tem a maior quantidade de exportações líquidas de petróleo com 22,3 milhões de barris por dia em 2017, seguido da Rússia. No outro extremo, os grandes importadores estão na região da Ásia/Pacífico, e Europa.

180618a

A regra básica é que as áreas no mundo que são mais vulneráveis ao colapso são aquelas com a maior quantidade de importações líquidas de petróleo. É claro que é verdade que os países do Oriente Médio ou da África com significativas exportações de petróleo podem sofrer um colapso devido à geopolítica e às guerras civis (por exemplo, Iraque e Líbia), mas isso não foi resultado das forças domésticas de oferta e demanda de petróleo. Pelo contrário, o colapso do Iraque e da Líbia pode ser atribuído a determinadas superpotências que desejam controlar o mercado de petróleo, já que elas são importadoras líquidas estratégicas de petróleo.

As áreas com as maiores importações líquidas de petróleo, Ásia-Pacífico e Europa, projetaram economias complexas altamente dependentes de suprimentos significativos de petróleo para funcionar. Assim, sofrerão um maior grau de colapso. Sim, há mais do que a quantidade de importações líquidas de petróleo, mas isso é fácil de analisar. Se olharmos para os países da Ásia-Pacífico com as maiores importações líquidas de petróleo, a China, a Índia e o Japão lideram o pacote.

Assim, à medida que essas importações líquidas de petróleo caem, o grau de atividade econômica também diminui. No entanto, quando as importações líquidas de petróleo caírem para um determinado nível, haverá um colapso mais repentino da economia.

Devemos lembrar que grande parte da infra-estrutura econômica (arranha-céus, prédios comerciais, lojas de varejo, estradas, equipamentos, ônibus, caminhões, automóveis, etc. e etc.) só funciona se um monte de óleo for continuamente injetado em todo o sistema. Quando o suprimento de petróleo cai a um certo nível, o sistema econômico se desintegra.

Enquanto a China é o maior importador líquido de petróleo, os Estados Unidos ainda são os maiores consumidores de petróleo do mundo.

Devido ao rápido aumento da produção nacional de óleo de xisto, as importações líquidas de petróleo dos Estados Unidos caíram drasticamente na última década. Em um ponto, os EUA importavam quase três quartos (75%) de seu petróleo, mas agora importam apenas 34%. Infelizmente, esta situação atual não durará muito tempo. Tão rapidamente quanto a produção de óleo de xisto aumentou, ela diminuirá da mesma forma … ou até mais rapidamente.

A Arábia Saudita é o sexto maior consumidor de petróleo do mundo, seguido pela Rússia. Tanto a Arábia Saudita quanto a Rússia exportam uma porcentagem muito maior de petróleo do que consomem. No entanto, a Rússia provavelmente sobreviverá muito mais que a Arábia Saudita, porque a Rússia pode fornecer muito mais do que apenas petróleo. A Rússia e os Estados Independentes da Commonwealth podem produzir muitos alimentos, bens, commodities e metais no mercado interno, enquanto a Arábia Saudita deve importar a maior parte desses itens.

Japão e Coréia do Sul importam quase 100% de suas necessidades de petróleo. De acordo com os dados divulgados pelo BP 2018 Statistical Review, eles não listaram nenhum dado individual de produção de petróleo para o Japão ou a Coréia do Sul. No entanto, a Agência de Informações de Energia dos EUA informou em 2015 que o Japão produziu 139.000 bd líquidos de petróleo totais enquanto a Coréia do Sul forneceu 97.000 bd. A produção de petróleo do Japão e da Coreia do Sul representa apenas cerca de 3% do seu consumo total.

Analistas ou indivíduos que continuam a acreditar que os Estados Unidos se tornarão independentes de energia ignoram os impactos da EROI em queda – Energia Retornada no Investimento ou a Termodinâmica do esgotamento do petróleo. Muitos analistas acreditam que, se o preço do petróleo ficar alto o suficiente, digamos US $ 100 ou US $ 150; então o óleo de xisto seria extremamente lucrativo. O erro em seu pensamento é o completo fracasso em compreender este simples relacionamento: que, à medida que os preços do petróleo sobem, ASSIM FAZEM OS CUSTOS.

Você acredita honestamente que uma companhia de caminhões que transporta areia, água ou petróleo para a indústria de petróleo de xisto irá fornecer os mesmos custos quando o preço do petróleo dobrar? Devemos lembrar, o preço do diesel aumenta significativamente à medida que o preço do petróleo se eleva. O analista de energia acredita que as empresas de transporte irão apenas assimilar esse alto custo para o benefício da indústria de óleo de xisto? Este é apenas um exemplo, mas à medida que o preço do petróleo aumenta, os custos inflacionários irão trovejar em toda a indústria do óleo de xisto.

Se o preço do petróleo disparar até US $ 100 ou mais e apenas ficar lá (o que duvido muito), os custos começarão a subir novamente para a indústria de óleo de xisto. À medida que os custos aumentam, podemos nos despedir da noção de maiores lucros do óleo de xisto. Mas não vejo o preço do petróleo subindo para US $ 100 e ficando lá. Sim, podemos ver um aumento do preço do petróleo, mas não um preço sustentado de longo prazo, já que o atual ciclo econômico está se preparando para capotar. E com isso, vamos experimentar um inferno de um colapso deflacionário. Isso levará o preço do petróleo para perto de US $ 30 a US $ 100.

Independentemente disso, as áreas e os países com maior consumo de petróleo e importações líquidas de petróleo estarão mais vulneráveis ao colapso e cairão mais duramente. Imagine a economia americana consumindo 5 milhões de barris de petróleo por dia, em vez dos atuais 20 mbd. Os Estados Unidos só têm mais coisas que se tornarão inúteis e disfuncionais do que outros países.

Por fim, o jogo final sugere que a maioria dos países experimentará um colapso econômico devido ao rápido declínio na produção mundial de petróleo. No entanto, alguns países provavelmente serão capazes de fazer uma transição melhor que outros, já que a alavancagem e a complexidade das economias não dependem tanto do petróleo quanto dos países ocidentais e orientais altamente avançados.

Proteja suas economias em prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

 

 

Deixe seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s