Os metais físicos logo se libertarão do mercado de papel de maneira espetacular

Há pouco tempo, a ideia de manipulação do mercado de ouro e prata era considerada o domínio da “teoria da conspiração”. Economistas alternativos e investidores em metais preciosos eram frequentemente acusados de “imaginação selvagem” ou amargura quando se tratava de longos períodos de estagnação no mercado. Apesar de uma quantidade considerável de evidências em contrário, as suspeitas não estavam sendo levadas a sério.

Avanço rápido para 2019, que foi o ano da reivindicação de todos os erros de ouro. Várias entidades bancárias foram envolvidas na manipulação do mercado de ouro e prata, incluindo o JP Morgan. Não era mais uma “teoria”; agora era fato. O problema é que, sempre que essas instituições são apanhadas ilegalmente subcotando o mercado, elas recebem uma multa, no máximo. Essencialmente, eles recebem um tapa na mão e depois voltam aos metais que estavam em forte aquecimento.

13032020a

É importante observar que, quando ocorre manipulação, é quase sempre suprimir os preços, não reuni-los. Por que? Bem, é aqui que só podemos especular, mas há várias razões pelas quais bancos internacionais e bancos centrais desejam manter os preços dos metais sob controle.

Por exemplo, metais preciosos atuam como uma competição de investimento contra ações e papéis moeda. Os preços reprimidos dos metais empurram os investidores para outros ativos, como ações ou dólar, dando um impulso temporário aos mercados instáveis.

A manipulação de metais pelos bancos é quase sempre um fator antes dos preços subirem. Em 1962, quando a Crise dos Mísseis Cubanos desencadeou uma demanda recorde de ouro no mercado de Londres, os bancos centrais utilizaram a supressão de preços através da venda de reservas em uma política chamada “The Gold Pool“. O objetivo era forçar o investimento de volta ao dólar americano.

A agenda contra o ouro nem sempre pode ser projetada para aumentar as ações ou o dólar. Em alguns casos, o objetivo do estabelecimento bancário pode ser aumentar a dor, suprimindo os ativos de refúgio, e encurralando os investidores em ações e moedas fracas e, em seguida, derrubando os mercados.

A maioria dos entusiastas do metal tem observado de perto nas últimas semanas, quando os preços do ouro e da prata explodiram enquanto a pandemia de coronavírus se espalhava. Isso elevou a demanda por ativos de refúgio, apenas para que eles mergulhassem repentinamente essa semana passada em uma desaceleração violenta. Alguns argumentam que isso é uma conseqüência natural de um ambiente deflacionário, mas a queda de preço foi realmente desencadeada por um despejo de US $ 3 bilhões em futuros de ouro e prata sincronizado perfeitamente para minar o momento.

Essa sabotagem agressiva de preços é possível pelo mercado de ETFs de papel, no qual os ativos de papel representando ouro ou prata são negociados em vez de metais físicos. O problema é que há muito mais ouro e prata sendo negociados do que metais físicos reais. Isso permite que os bancos manipulem os preços à vontade usando certificados falsos de ouro e prata, mas também representa um calcanhar de Aquiles para essas mesmas instituições.

Sempre há uma supressão inicial de preços, mas os preços acabam subindo independentemente da manipulação bancária durante a crise, porque os investidores começam a converter suas participações em papel e a receber metais físicos. É aí que a relação entre o mercado de papel e o mercado físico se dissocia, com o preço físico ou “preço de rua” do metal dominando sobre o preço do papel.

Se a situação de pandemia se tornar caótica o suficiente, podemos até ver o comércio de metais físicos dominar completamente enquanto os mercados de papel desaparecem. Ninguém quer ter dinheiro amarrado em um ativo que não pode tocar durante um evento de crise. Se você não o segura na mão, você realmente não é o dono.

O momento dessa dissociação é difícil de prever. Durante a crise de crédito de 2008, o ouro teve uma corrida dramática até o outono, após o qual os preços caíram drasticamente. Isso foi seguido por uma recuperação constante de 2009 a 2011. Acredito que estamos atualmente na fase de supressão de preços, o que pode causar a venda de mãos fracas. Eu recomendo não apenas segurar firme seus metais, mas também usar quedas de preço como uma oportunidade de comprar material físico enquanto você pode.

É provável que a pandemia acelere o fluxo da supressão ao desacoplamento físico. O que levou alguns anos para se transformar em um comício maciço após a queda de 2008 pode levar apenas alguns meses hoje, com rápidas mudanças nas condições geopolíticas e econômicas. Observar como os bancos centrais se comportam pode ajudar a nos dar uma noção do tempo.

Nesta semana, o Banco do Japão (BOJ) foi o primeiro banco central a oferecer uma “promessa” aberta de intervenção nos mercados, caso o colapso dos ativos continue. Isso foi suficiente para estancar a queda de oito dias nas ações, mas o BOJ não está oferecendo nada além de um placebo psicológico para o mundo dos investimentos. É um placebo que desaparecerá dentro de uma semana ou duas, à medida que os investidores perceberem que os bancos centrais não têm poder para reverter a ruptura da cadeia de suprimentos global e o eventual colapso do varejo. O estímulo Fiat não cura surtos virais.

A posição do BOJ provavelmente se tornará padrão entre a maioria dos bancos centrais, bem como o FMI e o Banco Mundial. Haverá promessas constantes de “intervenção” e apoio aos mercados, mas suspeito que o estabelecimento bancário fará muito pouco até que o sistema esteja totalmente quebrado. Enquanto isso, o conceito de “intervenção” evocará imagens de “dinheiro de helicóptero” no mundo dos investimentos e, assim, metais preciosos acabarão surgindo novamente, apesar das medidas de supressão.

O Federal Reserve ficou decididamente quieto sobre a questão do coronavírus até terça-feira de manhã, quando fez um anúncio surpresa de um corte na taxa de juros de 0,5%. Até agora, esse corte falhou em inspirar muita confiança nos mercados. Por quê? Porque nada mais é do que uma brecha. Os mercados querem ouvir declarações de QE maciço, e o Fed simplesmente não vai dar a eles. O só intervirá o suficiente para fazer parecer que eles se importam em apoiar o sistema, mas no fundo eles não querem parar o acidente.

O objetivo por trás da aceleração das condições de colisão é duplo:

  • Primeiro, à medida que os preços dos ativos caem, o establishment bancário pode comprá-los por centavos por dólar – e isso inclui propriedades, negócios, hipotecas e vários outros tangíveis. Foi exatamente isso que os bancos fizeram durante a Grande Depressão, pois devoraram o mercado imobiliário e hipotecário e apagaram milhares de pequenos bancos, concentrando todas as finanças nas mãos de algumas poucas instituições. Veremos isso acontecer no Brasil também.
  • Segundo, os eventos de colisão permitem às elites explorar o desespero público e influenciar as massas a aceitar ainda mais centralização do poder. Desastre econômico é um meio para atingir um fim. Os bancos não se machucam com isso; de fato, eles se beneficiam disso.

As condições de colisão provavelmente inspirarão cada vez mais pessoas a exigir entrega física de metais preciosos ao longo de 2020, à medida que crescem os temores de paralisações do mercado de papel devido à pandemia. Não se surpreenda se a demanda por moedas e barras subir nos próximos seis meses, enquanto o interesse no mercado de papéis cair. Além disso, não se surpreenda se certos bancos começarem a se recusar a honrar certificados em papel e a recusar entregar ouro físico aos investidores.

Isso causará alguma confusão em termos de preço “real”. Por fim, o preço real será determinado pelo preço da rua e pelo suprimento físico. Se você não encontrar facilmente a venda física, o preço de venda será muito alto quando você a encontrar.

O CME Group e a Comex afirmarão que são os árbitros dos preços dos metais, mas se a tendência de crise continuar, eles se tornarão irrelevantes. Isso pode parecer uma proposta estranha, mas considere o estado do mundo; o que estamos testemunhando é algo que não é visto em várias gerações. É um evento muito mais destrutivo do que a Grande Depressão, com implicações no mercado além do que aconteceu em 2008. Esse é o colapso da Bolha de Tudo, e um dos únicos ativos de investimento que resistirá à tempestade é o metal físico.

Proteja suas economias em prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

 

Deixe seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s