A Rússia e a Guerra nos Mercados de Ouro e Prata

Em uma fuga geral para o dólar americano na semana passada, o iene, o euro e a libra enfraqueceram enquanto o dólar se fortaleceu. Assim, os fundos de hedge da Comex estavam vendendo papéis de ouro e prata para comprar o dólar.

Mas nessas condições que favorecem o dólar, os swaps na Comex, que são em sua maioria comerciantes de bancos de ouro, ainda não conseguiram reduzir suficientemente os juros em aberto. De qualquer forma, a resiliência dos contratos a níveis de 550.000 sugere que os preços dos papéis de ouro e prata provavelmente não cairão muito.

Outra novidade foi o aumento de 0,5% na taxa de fundos do Fed. A reação inicial foi de ações e títulos subirem, antes de perder tudo. O rendimento dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos ultrapassou o nível de 3%, um alerta para investidores complacentes.

A inflação deve se aproximar de 10% nos próximos meses também nos EUA. Ou as taxas de juros têm muito mais a subir, ou os preços subirão ainda mais rápido, não por causa da demanda, mas porque o poder de compra das moedas diminuirá a uma taxa ainda maior.

Enquanto isso, o rublo russo recuperou todas as suas perdas em relação ao dólar americano.

O rublo é de longe a moeda mais forte, já que a UE terá dificuldade em unir os estados membros contra as exigências russas de pagamento de energia em rublos. No Ocidente, a mídia nos fala das terríveis condições econômicas na Rússia, mas os fatos sugerem o contrário. É o Ocidente que está desmoronando economicamente sob o peso de suas próprias sanções contra a Rússia. A Rússia, por sua vez, está desfrutando de superávits recordes na balança de pagamentos.

Uma combinação de expansão da moeda e do crédito nos últimos anos está minando o poder de compra de todas as moedas fiduciárias ocidentais. Isso está impulsionando o aumento dos preços, e as várias crises (Covid, cadeias de suprimentos, sanções russas) são apenas catalisadores. A tendência de longo prazo de queda das taxas de juros acabou e os preços de mercado dos ativos financeiros, que atuam como garantia nos principais bancos, estão extremamente vulneráveis.

Amarrar o rublo às commodities mostra não apenas sua própria força, mas a fraqueza das moedas ocidentais. E como as commodities precificadas em ouro são estáveis ao longo do tempo, a força do rublo nos diz que o ouro também deve estar subindo. (fonte)

Enquanto isso, a demanda física de ouro aumenta 34%

A demanda por ouro físico e tangível está crescendo sem surpresa. O último relatório trimestral do World Gold Council nos informou que, globalmente, a demanda por ouro aumentou 34% no primeiro trimestre de 2022 em relação ao ano passado. O salto para 1.234 toneladas marca o maior aumento de demanda trimestral desde 2018. A demanda global de ouro durante o trimestre também superou a média de cinco anos em 19%.

O WGC disse que a demanda por ouro foi estimulada em parte por grandes entradas de fundos de investimento. Os fundos compraram 269 toneladas de ouro no primeiro trimestre, mais do que revertendo a redução anual de 174 toneladas do ano passado. Os bancos centrais adicionaram 84 toneladas de ouro às suas reservas no primeiro trimestre, dobrando suas compras líquidas em relação ao trimestre anterior.

Então, quais forças estão impulsionando esse aumento na demanda? Kevin Rich, consultor global do mercado de ouro da Perth Mint, tem algumas ideias sobre o assunto:

Haverá mais demanda por ouro como um porto seguro enquanto o mundo estiver em desordem e enquanto a guerra estiver sendo travada na Ucrânia. Até que o Fed possa realmente controlar a inflação, a demanda por ouro como hedge deve estar lá.”

Enquanto o mundo estiver em desordem? … (fonte)

No lado da prata, o investimento físico cresceu 36%

Em 2021, de acordo com o Silver Institute, a demanda física para investimento em moedas e barras de prata cresceu 36% em relação ano anterior, depois de ver um crescimento de 9,7% em 2020. Enquanto a mídia social alimentou o aperto no lado da oferta de prata no início do ano sem dúvida contribuiu para esses ganhos, não foi de forma alguma o único fator. De fato, a demanda por barras e moedas de prata mostrou-se robusta mesmo depois que essa corrida se dissipou, sustentada pelas preocupações dos investidores de varejo em relação aos desenvolvimentos políticos e geopolíticos, taxas de juros reais negativas, riscos do mercado global e o espectro iminente da inflação. Isso criou condições restritas para produtos de investimento em prata, que permanecem em estressadas.

Voltando para 2022, desde a invasão da Ucrânia pela Rússia no final de fevereiro, o conflito e suas implicações no comércio e na economia mundial se tornaram o principal impulsionador dos movimentos do mercado global e a prata não foi exceção. As poucas semanas que antecederam o final de março, quando este relatório estava sendo finalizado, viram grandes flutuações no preço da prata, fortes entradas de fundos especulativos em posições de futuros (provavelmente táticas) e outra explosão de interesse dos investidores de varejo em barras e moedas de prata. (fonte)

Previsão para a prata em 2022

A WidsomTree, reputada e inovadora agência de investimentos europeia, acredita que ‘a prata ultrapassará o ouro, para ganhar 19% no próximo ano contra 8% do ouro. Até o segundo trimestre de 2022, esperam que os preços da prata sejam negociados a US$ 29,15/oz. Uma recuperação na atividade industrial será um bom presságio para a demanda pelo metal. Enquanto isso, uma contração nas despesas de capital de mineração e uma redução no estoque de prata apontam para um aperto na oferta’.

‘Desde o pico no final de dezembro de 2020, o estoque de prata nas bolsas vem diminuindo. Esperamos que o estoque continue a diminuir. Depois de contabilizar a demanda de commodities negociadas em bolsa, a demanda de prata superou a oferta em 319 milhões de onças em 2020, superando o déficit de oferta de 56 milhões de onças em 2019 e marcando o segundo ano consecutivo de déficit de oferta’.

Além disso, a melhoria contínua do ciclo industrial aumentará a demanda pelo metal. Além disso, a transição energética beneficiará a prata tanto na produção de energia quanto o uso em veículos. (fonte)

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Visite nossa loja online: www.loja-pratapura.com

Porque abril de 2022 será lembrado na história

Abril de 2022 ficará para a história como um marco que só foi visto em três ocasiões anteriores desde 1973. Um mês em que o índice S&P500 e os títulos do Tesouro dos EUA caíram ao mesmo tempo, 5% e 2%, respectivamente, e o iBovespa por aqui caiu 9,7% ! Além disso, o dólar americano se valorizou em relação às principais moedas com as quais negocia e atinge um novo recorde de alta.

Anos de gás hilariante monetário não diminuíram a força do dólar americano como moeda de reserva mundial, muito pelo contrário, ao menos por enquanto. Agora testemunhamos o efeito do vácuo. Entradas em dólar americano em período de aversão ao risco.

O PBOC, o Banco Central da China, teve que ceder e permitir uma desvalorização agressiva do yuan, embora tenha tentado manter a moeda estável por meio de controles de capital e uma fixação diária. A fraqueza do yuan programada pelo governo provavelmente foi projetada para impulsionar a economia chinesa em uma desaceleração e dissolver parte da dívida denominada em yuan. No entanto, reduz o apelo do yuan chinês como uma alternativa ao dólar americano, pois os investidores globais podem temer tanto a correção do banco central quanto os rígidos controles de capital impostos na China.

Não é surpreendente, por exemplo, que as moedas de muitos países exportadores de commodities tenham enfraquecido em relação ao dólar americano, apesar do aumento das exportações e das entradas de divisas. Da coroa norueguesa às moedas dos principais exportadores, parece que apenas o real brasileiro parece estar forte… e isso porque teve vários anos atrozes, então é mais um salto do que uma valorização.

Em períodos de complacência, os bancos centrais do mundo brincam de ser o Federal Reserve sem ter a moeda de reserva mundial ou a segurança legal e o equilíbrio financeiro dos EUA. Muitos aumentam maciçamente a oferta de dinheiro sem prestar atenção à demanda global e local por sua moeda e, além disso, os governos emitem mais dívidas denominadas em dólares americanos, esperando que as taxas baixas tornem acessível o financiamento de enormes déficits. Tudo isso, por sua vez, faz com que a demanda global por dólares americanos aumente, não porque o Federal Reserve faça uma política restritiva, mas porque a comparação com outras mostra que as moedas fiduciárias alternativas são muito piores.

Enquanto isso, a inflação em todos os países dispara

É muito preocupante que o Banco Central Europeu esteja permitindo que o euro se aproxime perigosamente da paridade com o dólar americano por causa de sua obsessão em ficar longe do processo de normalização de outros bancos centrais. A demanda global por euros está caindo e o superávit comercial que sustentava a moeda europeia está diminuindo. Todos aqueles que defendem um euro fraco devem olhar para a realidade. Evidências empíricas mostram que a zona do euro não exporta mais devido a um euro fraco, mas sim com produtos de maior valor agregado. Com um euro fraco, as importações disparam e ficam mais caras.

Assim, o dólar americano criou as condições para ser a moeda mais procurada simplesmente porque outros bancos centrais têm sido muito mais imprudentes. Bastou um processo inflacionário que os próprios bancos centrais negaram ou chamaram de transitório para dar o alarme de um mercado com expectativas excessivamente otimistas.

O mercado está claramente em um período de fraqueza e aversão ao risco. O efeito da invasão da Ucrânia é relevante, mas claramente o maior impacto é monetário. Um mercado que subiu para recordes devido à impressão agressiva de dinheiro agora se encontra em uma situação difícil à medida que os aumentos das taxas e o fim das compras de ativos pelos bancos centrais se aproximam.

O fato é que esse medo de alta de juros levou, até agora, a um único aumento modesto de apenas 0,25% nos EUA, e nenhum na Europa. No Brasil, o BC luta contra a gastança do governo fazendo o que pode…

A economia norte-americana contraiu 1,4% no primeiro trimestre e leva os analistas a rever em baixa as estimativas para 2022. Ao mesmo tempo, a União Europeia mostra que as suas principais economias estão próximas da estagnação ou recessão, com progressos muito fracos no primeiro trimestre. A China, adicionalmente, coloca sob o guarda-chuva da covid-19 o que é uma desaceleração estrutural devido ao estouro da bolha imobiliária e à intervenção política nos principais setores. Essa forte desaceleração põe em causa o compromisso dos bancos centrais em aumentar as taxas, especialmente o número de vezes estimado pelo consenso. Os bancos centrais terão que escolher entre inflação alta ou um aumento significativo no custo de empréstimos de estados que se recusam a reduzir seus desequilíbrios.

As políticas imprudentes de outros bancos centrais tornam impossível a alternativa no mundo fiduciário. As criptomoedas vão tomar conta? Talvez, mas estão muito longe. (fonte)

O Grande Choque Financeiro de 2022

John Maynard Keynes alertou sobre a inflação em seu clássico de 1919, The Economic Consequences of Peace. “Lênin certamente estava certo”, escreveu ele. “Não há meio mais sutil e seguro de derrubar a base existente da sociedade do que corromper a moeda. O processo envolve todas as forças ocultas da lei econômica do lado da destruição, e o faz de uma maneira que nem um homem em um milhão é capaz de diagnosticar”. Agora, os EUA e o Brasil enfrentam uma taxa de inflação que se aproxima de dois dígitos e um fluxo constante de manchetes que servem como um lembrete do motivo pelo qual possuímos ouro e prata.

A natureza da inflação é amplamente mal compreendida e mal interpretada”, escreve Dave Kranzler. “‘Inflação’ e ‘desvalorização da moeda’ são tautológicas – são duas frases que significam a mesma coisa… A desvalorização do dólar vem ocorrendo desde o início dos anos 1970. O valor do dólar em relação ao ouro (dinheiro real) caiu 98%. Em 1971, $ 40.000 comprariam uma casa de 4.000 pés quadrados em um bom subúrbio. Agora, são necessários US $ 700.000, em média, para comprar essa mesma casa. A inflação de preços é evidência da desvalorização da moeda.

Embora o dólar americano esteja em tendência de alta, seu poder de compra está em declínio acentuado e é por isso que o ouro está em alta demanda. Kranzler diz que os incêndios florestais da inflação estão apenas começando e para segurar o ouro e a prata. Da mesma forma, James Turk recentemente fez alguns comentários perspicazes sobre por que o ouro tem servido há muito tempo como uma proteção contra a desvalorização da moeda.

[o ouro] (e a prata) não sofre de entropia”, disse ele. “Não pode ser destruído. Todo o ouro extraído ao longo da história ainda existe em seu estoque acima do solo, que se formado em um cubo poderia deslizar sob os arcos da Torre Eiffel… Um grama de ouro compra essencialmente a mesma quantidade de petróleo bruto que em 1950. Esse resultado ocorre porque o estoque de ouro acima do solo cresce aproximadamente na mesma proporção que a população mundial, fazendo com que a oferta e a demanda de ouro permaneçam em equilíbrio com a oferta e a demanda dos bens e serviços de que a humanidade necessita. A natureza fornece tudo o que a humanidade precisa para avançar, incluindo dinheiro.” (fonte)

Leia mais aqui sobre como construir uma reserva de capital imune à inflação para a sua aposentadoria.

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Visite nossa loja online: www.loja-pratapura.com

Como construir um plano de aposentadoria à prova de acidentes

Após vários meses de inflação que continua a acelerar, alguns podem ficar se perguntando: quando a inflação diminuirá?

De fato, Jessica Dickler, da CNBC, relatou que alguns americanos que economizam para a aposentadoria estão sentindo a “mordida” da inflação e podem estar começando a desistir da ideia de afrouxar em breve:

Cerca de 71% dos americanos disseram sentir que seu salário não é capaz de acompanhar a inflação, segundo um relatório da Experian.”

Além disso, 29% dos entrevistados disseram esperar que mal conseguirão pagar as contas este mês e aproximadamente o mesmo número previu que seus gastos provavelmente excederão seu orçamento nos próximos meses.”

” ‘As pessoas estão lutando para descobrir como enfrentar esses desafios”, disse Rod Griffin, diretor sênior da Experian.’É uma grande preocupação.”

E por aqui, o Brasil se preocupa mais com inflação do que a média global, aponta estudo. Segundo a Deloitte, 80% dos brasileiros temem alta dos preços. Outros índices também estão acima aqui no Brasil: 76% da população está preocupada com a conta do cartão de crédito, 33 pontos percentuais acima do registrado na média dos outros países. (fonte)

Agora, se você mal consegue sobreviver, vivendo de salário em salário por um tempo, isso não é necessariamente o fim do mundo. Especialmente se você tiver uma forte vantagem em poupar para a aposentadoria. O objetivo de começar cedo e economizar o máximo que puder é ajudar a enfrentar os tempos econômicos difíceis, como estamos vendo agora.

Se você encontrar suas próprias finanças em desordem em um momento ruim, ficará muito tentado a aproveitar suas economias de aposentadoria para ficar acima da água. E isso faz sentido.

No entanto, não se esqueça, quando a economia está desmoronando, é quando os preços da maioria dos ativos estão mais baixos. Usar a poupança de aposentadoria para pagar as contas por alguns meses pode devastar seu futuro financeiro.

“Certifique-se de ter dinheiro suficiente para não precisar vender seus investimentos para ter dinheiro”, recomenda David Peterson, chefe de planejamento de patrimônio da Fidelity Investments. Peterson recomenda dinheiro porque é, por definição, o investimento menos volátil. A desvantagem do caixa em espécie foi bastante gritante recentemente – uma perda garantida graças à inflação.

Talvez, em vez de manter seu fundo de emergência em dinheiro, você possa considerar investimentos resistentes à inflação?

Por que se preocupar – os retornos do mercado não farão a diferença? Durante décadas, nos disseram para investir em ações se quisermos nos aposentar. Recebemos contas de aposentadoria e um punhado de fundos para escolher. Talvez isso costumava ser suficiente. Mas se você espera que os retornos históricos do mercado façam a diferença para você, a Vanguard tem más notícias:

Retornos históricos não são garantia de retornos futuros. Concentrar-se apenas em retornos históricos pode tornar os investidores excessivamente otimistas em relação ao futuro.

Em outras palavras, todas as projeções indicam que os retornos futuros serão muito piores do que os retornos históricos pelo menos nos próximos dez anos. (fonte)

Então, onde podemos fazer para nos proteger contra essa perspectiva sombria?

Essa rodada de inflação não deve desaparecer tão cedo. Também é bastante provável que outra rodada de inflação crescente aconteça em algum momento no futuro. Se ocorrer uma desaceleração econômica, isso torna qualquer inflação muito pior.

Considere o ouro e prata como refúgio físico para seu fundo de emergência/aposentadoria. Ao contrário da maioria dos outros investimentos, o ouro e a prata tendem a subir de preço quando os céus estão mais escuros. Essa única consideração torna o ouro e prata físicos uma excelente opção para um fundo de emergência.

Mas não diversifique com ouro ou prata físicos na esperança de ganhar dinheiro rápido. Em vez disso, aproveite a segurança e a tranquilidade que você ganhará, porque poderá começar a construir alguma resiliência em seu plano de aposentadoria. (fonte)

E há mais…

Os preços da prata podem brilhar na transição para energia solar

Os preços dos derivativos da prata enfraqueceram nas últimas semanas, caindo de US$ 26 para US$ 23,5 por onça troy, devido à deterioração do sentimento de risco como resultado de preocupações com a demanda chinesa e aumento dos riscos geopolíticos, ao mesmo tempo em que o US$ se valorizou.

No entanto, apesar dessas preocupações de curto prazo, o futuro da prata pode ser brilhante se as nações acelerarem seus investimentos na transição energética, aumentando a demanda por fontes de energia renovável para enfrentar as mudanças climáticas e aliviar as pressões geopolíticas dos produtores de petróleo e gás.

O uso generalizado de prata em energia fotovoltaica para o negócio solar pode ser algo a ser observado no próximo ano. De acordo com o Bank of America, em um relatório recente, “a demanda de prata foi desafiada por um tempo, à medida que a indústria da fotografia se digitalizava. No entanto, os ventos contrários foram diminuindo gradualmente, e o uso de prata em painéis solares deve aumentar ainda mais”.

O relatório destaca ainda que existem várias tecnologias quando se trata de painéis solares e que “os painéis de silício cristalino (c-Si) continuam sendo o pilar com uma participação de mercado de 95%”.

De acordo com Piero Cingari, analista de commodities da Capital.com, “Embora o dólar americano e os rendimentos do Tesouro dos EUA continuem entre os principais impulsionadores dos preços da prata, o metal também começou a incorporar o potencial da indústria solar nos últimos anos. ”

Ele destaca ainda: “Os preços da prata tornaram-se mais intimamente ligados ao NASDAQ OMX Solar Index (GRNSOLAR), que é um subíndice do Green Economy Index que rastreia as empresas envolvidas na geração de energia solar. Como resultado, a tendência de longo prazo da prata pode ser favorável se ela se tornar uma das commodities primárias nas quais o aumento da demanda pela transição energética se refletirá nos próximos anos.”

A prata é considerada um metal crucial para o setor de painéis solares e energias renováveis, devido à sua alta condutividade térmica e elétrica, essencial para a energia fotovoltaica. O Silver Institute espera que a demanda de prata da indústria solar atinja uma alta histórica de 1,1 bilhão de onças este ano, um aumento de 5% em relação ao ano anterior.

Isso se deve em grande parte aos negócios de energia solar decolando, pois os governos enfatizam fortemente o uso de energias renováveis ​​para atingir suas metas climáticas. Isso levou ao anúncio da iniciativa One Sun, One World, On-Grid pelo Reino Unido, EUA, Índia, Austrália e França para uma rede elétrica global que será transfronteiriça e interconectada.

Isso provavelmente impulsionará a demanda por prata em energia renovável em um futuro próximo, com a empresa europeia de metais preciosos Heraeus esperando que essa tendência dure cerca de uma década. Embora a prata seja um dos metais mais caros dos painéis solares – o que pode fazer com que os fabricantes procurem substitutos no curto prazo – as desvantagens de excluí-la dos painéis superam em muito os custos.

O presidente dos EUA, Joe Biden, já revelou que gostaria de instalar aproximadamente 500 milhões de painéis solares na próxima meia década, o que apoiará muito ainda mais os preços da prata. O Goldman Sachs (GS) estimou que a instalação de painéis solares aumentará cerca de 50% entre 2019 e 2023, com a maior parte da demanda da indústria solar vindo da China.

Com a prata tendo um desempenho decepcionante nos últimos pregões, os investidores esperam uma alta em breve e estão preocupados com quanto tempo os preços podem continuar sendo moderados.

De acordo com David Jones, estrategista-chefe de mercado da Capital.com, um forte nível de resistência para a prata também poderia ser de US$ 28 por onça troy, cujo cruzamento resultaria em uma atualização mais otimista do metal. No entanto, atualmente, a prata está bem distante desse nível, em cerca de US$ 23 por onça troy.

Embora no início do conflito russo, a prata tenha visto alguns repiques, e o sentimento mudou mais para o lado negativo ultimamente. O Silver Institute destaca ainda sua opinião de que “uma vez que esse suporte diminuir, os macro drivers tradicionais da prata mais uma vez ocuparão o centro do palco”. (fonte)

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Visite nossa loja online: www.loja-pratapura.com

Demanda global da prata aumentou em 2021

O Silver Institute lançou seu World Silver Survey 2022 no dia 20 de abril.

A demanda industrial da prata subiu 9%, registrando um novo recorde.

Superando os volumes pré-pandemia, a demanda global total de prata atingiu seu nível mais alto desde 2015, subindo 19% para 1,05 bilhão de onças (Boz) no ano passado. A liderança foi um recorde histórico para o uso da prata em aplicações industriais, subindo 9%, para 508,2 milhões de onças (Moz).

O investimento físico em prata (vendas de moedas e barras de prata) saltou 36% para 278,7 Moz, seu nível mais alto desde 2015, já que investidores de varejo na América do Norte e na Europa, motivados por preocupações inflacionárias e de refúgio, aproveitaram os preços da prata periodicamente mais baixos para comprar moedas e barras.

É importante notar que, no ano passado, o mercado de prata experimentou seu primeiro déficit de oferta desde 2015, em 51,8 Moz, sua escassez mais significativa desde 2010.

Esses desenvolvimentos, juntamente com outros segmentos importantes do mercado global de prata, são discutidos no World Silver Survey 2022, divulgado pelo Silver Institute. Além de analisar os principais fatores que influenciam o mercado de prata em 2021, a Pesquisa fornece insights e perspectivas para 2022. A Pesquisa foi feita e produzida para o Silver Institute pela Metals Focus, consultoria independente de metais preciosos com sede em Londres.

Demanda da Prata

Todas as categorias de demanda de prata se fortaleceram no ano passado, elevando o total anual para 1,05 Moz, um ganho impressionante de 19% em relação a 2020. A fabricação industrial aumentou 9% para 508,2 Moz, apesar dos desafios logísticos globais. Esse aumento refletiu os efeitos da retomada das operações industriais e da reabertura dos negócios à medida que as economias começaram a se recuperar do COVID. Outros fatores de apoio incluíram as demandas da economia do trabalho doméstico, forte demanda por eletrônicos de consumo, investimento em infraestrutura 5G, acúmulo de estoque ao longo do pipeline de fornecimento e aumento do consumo de prata na economia verde, principalmente em energia fotovoltaica. Também houve pouca pressão de substituição e economia, principalmente porque os preços da prata foram vistos favoravelmente.

O uso de prata em energia fotovoltaica aumentou 13%, para 113,7 Moz, à medida que as instalações solares globais cresceram, enquanto a demanda eletrônica e elétrica geral aumentou 9%, para 330 Moz. No ano passado, a prata também viu o uso final crescente nos setores de defesa e aeroespacial. Brasagem e ligas representaram 47,7 Moz, representando um aumento de 6% em relação a 2020.

O uso da prata na fotografia cresceu 3% em 2021, para 28,7 Moz, contrariando a tendência de declínio de longo prazo. No ano passado, parte da recuperação da demanda veio do setor médico, que lutou para lidar com o acúmulo de raios-x atrasados acumulados quando os hospitais foram sobrecarregados pelo COVID.

A fabricação de joias de prata aumentou 21% em 2021 para 181,4 Moz. Além do aumento do consumo, os fabricantes também se beneficiaram da reconstrução dos estoques, que caíram em 2020. A Índia abriu caminho para a demanda de joias de prata, com um salto de 45% para 58,7 Moz, enquanto a Tailândia registrou 24,8 Moz, seguida pela Itália em 20,4 Moz e os Estados Unidos com 13,2 Moz. Saindo de um 2020 um tanto decepcionante, a demanda por talheres de prata se recuperou 32% em 2021, atingindo 42,7 Moz. A Índia liderou o mundo em vendas de talheres com 24,4 Moz, seguida pelo Nepal com 4,8 Moz e a China com 2,7 Moz.

Investimento e preço da prata

O investimento físico em prata cresceu 36% para 278,7 Moz, o nível mais alto desde 2015. Com um cenário de crescimento econômico incerto, crescentes preocupações inflacionárias e taxas reais obstinadamente negativas, os investidores de varejo na América do Norte e na Europa aproveitaram os preços mais baixos para comprar moedas de prata e barras. Na Índia, as vendas de barras e moedas de prata mais que triplicaram, com grande parte do crescimento surgindo no segundo semestre do ano passado.

2021 foi mais um ano de entradas anuais líquidas em produtos negociados em bolsa (ETPs) lastreados em prata. Com um aumento de 65 Moz, as participações combinadas de ETP subiram para outro recorde de 1,13 Boz. Os ganhos foram concentrados no início de 2021, beneficiando-se do foco das mídias sociais na prata. É importante ressaltar que houve poucos sinais de liquidações no final de 2021, o que tipificou o mercado de investimentos institucionais.

O preço médio anual da prata em 2021 foi de US$ 25,14, um ganho de 22% em relação a 2021. Desde 2017, o preço médio anual da prata aumentou 47%.

Fornecimento de Prata

A produção global de prata extraída cresceu 5,3% em 2021, atingindo 822,6 Moz. Esse aumento foi o crescimento anual mais significativo na oferta de prata extraída desde 2013 e foi impulsionado pela recuperação da produção após a interrupção relacionada ao COVID-19 em 2020. A produção de prata das minas primárias de prata aumentou 10,2%, pois estão concentradas em países onde a mineração foi fortemente impactado pelas restrições do COVID em 2020. A recuperação da interrupção relacionada à pandemia também levou a uma maior produção de prata das minas de ouro e chumbo-zinco, em 5,8% e 5,1%, respectivamente.

Liderada por um salto no fornecimento de sucata industrial, a reciclagem global de prata aumentou quase 7% em 2021, para uma alta em oito anos de 173 Moz.

Perspectivas para 2022

Questões geopolíticas e econômicas, incluindo a invasão russa da Ucrânia, inflação alta em várias décadas, projeções de crescimento global mais baixas e taxas de juros crescentes, apresentam desafios para a previsão de metais preciosos este ano. No entanto, a Metals Focus prevê um aumento de 5% na demanda global de prata devido a avanços estruturais adicionais na fabricação industrial, que deve atingir outro recorde em 2022. A demanda por joias e talheres deve continuar sua recuperação pós-pandemia este ano. Do lado da oferta, uma maior produção de minas também é esperada devido ao aumento de projetos e alguns ganhos na produção de minas estabelecidas, juntamente com um aumento na reciclagem industrial, para impulsionar um aumento de 3% na oferta global em 2022.

O investimento físico em prata provavelmente ficará estável este ano, já que uma queda modesta no investimento ocidental será compensada por ganhos adicionais na Índia. O investimento em ETPs está previsto para aumentar em 25 Moz para um quarto aumento anual consecutivo. O preço médio anual da prata está previsto em US$ 23,90, o que, se realizado, representaria a segunda maior média anual desde 2011.

(Fonte)

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Visite nossa loja online: www.loja-pratapura.com

Nem um único ativo financeiro escapará do que está por vir

A inflação selvagem afetará todos os ativos financeiros, alerta o pesquisador de mercado Jim Bianco

Pode não haver escapatória da turbulência do mercado de títulos – mesmo para investidores em ações. O pesquisador de mercado Jim Bianco adverte que as políticas críticas do Federal Reserve para controlar a inflação selvagem causarão perdas generalizadas em Wall Street. (e isso terá repercussões no mundo todo)

“Eventualmente, isso vai voltar e prejudicar todos os ativos financeiros”, disse o presidente da Bianco Research à CNBC “Fast Money” na quinta-feira.

Bianco virou ‘baixista’ em ações no final do ano passado, principalmente devido aos riscos de inflação. Ele culpa o Fed por esperar demais para encerrar suas políticas de dinheiro fácil pandêmico e aumentar as taxas de juros.

“A chamada no ano passado de que a inflação seria bem contida e transitória é sem dúvida uma das piores previsões da história do Federal Reserve”, disse Bianco. “Eles agora estão presos a essa política ultraagressiva porque não começaram a aumentar as taxas em um ritmo mais lento há um ano.”

Ele se preocupa com os custos da grande recuperação.

“Eles não pretendem criar um pouso forçado. Mas o que eles pretendem fazer é controlar os preços”, disse Bianco. “Eles querem inflação mais baixa e vão aumentar as taxas até conseguirem uma inflação mais baixa. Como eles vão fazer isso? Eles vão diminuir a demanda.”

Segundo Bianco, a única solução do Fed é aumentar as taxas de juros rapidamente e fazer com que as pessoas ricas parem de gastar. O mercado de títulos já está descontando os prováveis movimentos ousados do banco central.

“O mercado de títulos entende. A carnificina é épica”, escreveu ele em um tópico recente no Twitter. “Este não é apenas o pior mercado de títulos em nossa carreira (retorno total), mas pode ser o pior de nossa vida.

Bianco, que vê uma chance de 75% de inflação nos próximos dois anos, espera um aumento de 50 pontos base pelo Fed em sua próxima reunião de política monetária de 3 a 4 de maio.

“Serão 50 [pontos básicos] até o Fed basicamente aumentar demais as taxas e quebrar alguma coisa. E, então, eles serão feitos. Mas eles não vão voltar para 25”, disse ele. “Se o mercado de ações quiser subir, talvez devessem estar falando de 75 em vez de 50.”

Bianco afirma que o Fed está ciente de que as apostas são altas.

“Eles não querem criar o erro na outra direção sendo muito tímidos agora. Isso está fora da janela agora”, disse Bianco. “Eles não querem criar um mercado quebrado. Eles não querem criar uma recessão. Mas quando você segue esse caminho e é tão inflexível quanto a tentar conter a inflação, é muito provável que você cometa um erro.” (fonte)

Mais funcionários do Fed estão soando o alarme sobre a inflação e assustando os mercados

Um número crescente de funcionários do Federal Reserve recentemente assustou os mercados alertando sobre o impacto econômico da inflação de décadas e como o banco central precisará aumentar agressivamente as taxas de juros, bem como reduzir “rapidamente” seu balanço patrimonial, para combater a alta dos preços.

As ações caíram na quarta-feira nos EUA, aumentando as perdas desta semana, após comentários recentes de autoridades do Federal Reserve aumentarem a incerteza do mercado: o Dow Jones Industrial Average perdeu 0,4%, cerca de 150 pontos, enquanto o S&P 500 caiu 1% e o Nasdaq Composite 2,2%.

O presidente do Fed da Filadélfia, Patrick Harker, foi o último a se juntar ao coro na quarta-feira, dizendo que está “extremamente preocupado” com a inflação, que está “alta demais“.

Seus comentários seguem os de vários de seus colegas na terça-feira: o presidente do Fed, Lael Brainard, disse que reduzir a inflação é “de suma importância” e que o banco central será obrigado a decretar “uma série de aumentos nas taxas de juros”, bem como uma “rápida” redução de seu balanço.

Naquele mesmo dia, a presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, também expressou preocupação com a inflação, dizendo que “é tão prejudicial quanto não ter emprego”, ao mesmo tempo em que prometeu aumentos mais altos das taxas do Fed para combater a alta dos preços.

Os mercados ficaram particularmente assustados com os comentários de Brainard sobre o encolhimento do balanço patrimonial, bem como o fato de que tanto ela quanto Daly são “pombas” da política, que geralmente favorecem taxas de juros baixas, mas agora estão pedindo uma série de aumentos nas taxas.

“Atualmente, a inflação está muito alta e está sujeita a riscos de alta”, disse Brainard na terça-feira. O Fed está “preparado para tomar medidas mais fortes” se os indicadores de inflação piorarem e mostrarem que tal ação é justificada, acrescentou ela, prevendo também que o balanço de US$ 9 trilhões do Fed “encolherá consideravelmente mais rapidamente” do que da última vez que diminuiu seus ativos entre 2017 e 2019.

Com a inflação em seu nível mais alto em 40 anos, o Federal Reserve elevou as taxas de juros no mês passado, em 0,25%, pela primeira vez desde 2018. ” impacto econômico da invasão da Ucrânia pela Rússia, que agitou os mercados de commodities. Enquanto isso, o presidente do Fed, Jerome Powell, enfatizou que o banco central está preparado para aumentar as taxas de juros “mais agressivamente” se a inflação mais alta persistir.

Com o aumento da inflação não mostrando sinais de desaceleração, um número crescente de especialistas de Wall Street está alertando sobre uma possível estagflação e uma recessão iminente. O Deutsche Bank se tornou a primeira grande empresa de Wall Street a prever uma recessão em 2023, prevendo que a economia sofrerá um “grande golpe” com a política monetária restritiva do Federal Reserve. Vários ex-funcionários do Fed estão entre aqueles que também soaram o alarme sobre uma recessão econômica iminente: William Dudley, ex-presidente do Fed de Nova York, previu na semana passada que uma recessão é “praticamente inevitável”. Enquanto isso, o ex-governador do Fed Lawrence Lindsey disse que uma desaceleração pode acontecer já neste verão no norte, prevendo que a inflação forçará os consumidores a reduzir drasticamente os gastos. (fonte)

Se você lembra o que aconteceu com os mercados na última vez que o Fed começou a recomprar os títulos da dívida para enxugar o excesso de liquidez monetária que ele mesmo criou, sabe o que está por vir… tudo indica que Wall Street está a beira de uma enorme correção, e vai levar o mundo inteiro junto!

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Visite nossa loja online: www.loja-pratapura.com