Um economista assassinado por dizer a verdade

Josef Stalin o chamou de homem mais perigoso da União Soviética.

Tão perigoso, de fato, que ele o condenou a 10 anos de prisão. Mas quando Stalin percebeu que as prisões não podiam impedi-lo de revelar seu segredo, ele deu a ordem de o matar.

Quem era esse homem quieto e libertário? E o que ele sabia que o tornou uma ameaça para o regime soviético? O nome dele era Nicolai Kondratieff. Ele era um economista. E ele descobriu um padrão cíclico na economia global que previu que a União Soviética iria cair no final da década de 1980.

Mas aqui está a parte assustadora:

O mesmo padrão cíclico também prevê a ruína financeira dos Estados Unidos até 2022.

E adivinhe como isso começa!

Começa com uma estranha corrida no mercado de ações em 2017-2018, levando o índice Dow Jones para 45 mil pontos antes de ele colapsar em um acidente cataclísmico.

É o que já foi previsto por vários analistas. E isso é exatamente o que está acontecendo.

Então, se você já se perguntou, por que o mercado de ações subiu como um louco recentemente … QUANDO ele vai desabar …

Nicolai Kondratieff explicou tudo em 1935. Vou explicar-lhe agora. Nicolai foi baleado por revelar esse fato. Não espero ser baleado. Mas não estou me arriscando com meu dinheiro. E você também não deveria.

E a maioria das pessoas nem consegue ver o tsunami chegar.

É chamado “K-Wave” ou “The Long Wave”.

E suas chances de serem atingidas pelo “K-Wave” são 100%.

Nikolai Kondratieff escreveu um livro chamado “The Long Waves in Economic Life“. Tão ameaçador à União Soviética que ele foi condenado a dez anos de prisão com trabalho forçado. Em 17 de setembro de 1938, Nikolai foi baleado por um esquadrão de fuzilamento.

Kondratieff provou que as economias atuam exatamente como ondas no mundo físico. Além disso, as ondas econômicas vêm em ciclos que facilitam a previsão de mudanças.

O que Kondratieff chamou de “The Long Wave” – que mais tarde foi chamado “The K-Wave” em sua homenagem – mostra os ciclos alternativos de influência privada e pública na economia.

Durante o ciclo privado, a livre iniciativa leva ao aumento do crescimento e da prosperidade. Eventualmente, a onda atinge uma crista e começa a entrar em colapso. Esse colapso é desencadeado por uma queda no mercado de ações, no mercado imobiliário ou uma corrida aos bancos.

Neste ponto, a onda econômica entra em uma fase de influência pública. O governo intervém na economia ao imprimir mais dinheiro. Manipulando as taxas de juros. Aumentando os empregos do governo, o bem-estar e os auxílios.

Por um tempo, tudo parece funcionar bem. Mas esta fase, também, leva a uma quebra. Porque mesmo os governos devem obedecer as leis da economia.

E a lei mais básica é esta: Você não pode continuar gastando dinheiro que não possui!

Foi assim que Kondratieff sabia que o comunismo na União Soviética seria substituído pelo capitalismo. Ele previu isso em 1926. Sessenta e um anos antes de acontecer.

De acordo com Kondratieff, o K-Wave tem uma frequência de 47 a 64 anos. E se você olhar para trás através da história, você verá o quão preciso é o K-Wave:

K_wave

O K-Wave previu cada grande aumento econômico e queda desde o início da revolução industrial. A era de ouro das ferrovias e do aço. O início da engenharia elétrica e química. A era do automóvel e do petróleo. E, mais recentemente, a era da informação que atingiu o auge das ações da Internet em 2000.

Se o K-Wave estiver correto, a maioria das economias do mundo logo entrará em um período de recessão profunda, até depressão, que pode durar até 23 anos e incluir mudanças sísmicas no tecido da sociedade.

Nikolai Kondratieff não estava sozinho. Ao longo dos anos, outros economistas confirmaram suas teorias. Joseph Schumpeter mostrou que o ciclo de Kondratieff coincide com o ciclo de inovação. Então Juglar e Kuznets descobriram que há um ciclo de 18 anos que prevê “fundos de pânico” no mercado de ações.

E mais recentemente, Martin Armstrong desenvolveu um modelo que quebra o K-Wave em seis ciclos mais curtos, prevendo pânico a cada 8,6 anos, ou 3.141 dias.

O que realmente é assustador é que TODOS esses ciclos agora estão apontando na mesma direção.

Como comentamos aqui, os metais preciosos são o paraíso de reserva de valor, especialmente em tempos de crise, quando seu preço dispara.

Assim, reiteramos nosso lema: proteja suas economias em prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

 

 

 

10 razões principais para comprar ouro e prata

Você pode não saber quantos anos tem sua moeda nacional, ou mesmo saber o que significa ‘fiat‘, mas todas as moedas falharam em sua história.

Essa é a mensagem de Mike Maloney na primeira parte de sua nova série de videos, “Top 10 razões porque eu compro ouro e prata“. A razão # 10 é que todas as moedas do mundo são fiat e as moedas fiduciárias sempre falham. Cem por cento, sem exceções.

Olhando através da história para fornecer documentação sobre o argumento de Mike, temos um problema: há muitas moedas para incluir. Então olhamos para aquelas que foram derrubadas desde o início do século XX. Ainda há muitas. Então olhamos para aquelas desde 1950, ainda há demais…

Então cortamos em 1975, o ano em que foi legal possuir ouro novamente nos EUA, e ainda há 17 delas.

Tenha em mente que cada uma dessas moedas agora não vale absolutamente mais nada. Elas já foram abolidas, mesmo se rapidamente ou levaram um século ou mais. E elas também não são todas de países do terceiro mundo.

Uma moeda fiat depende da fé e, se não for apoiada por nada (como o ouro), os líderes eventualmente sucumbem à tentação de criar mais e mais moeda para resolver seus problemas financeiros. E essa diluição sempre e inevitavelmente as levou à extinção. O que assusta é que, pela primeira vez na história registrada, todas as moedas de hoje são fiat.

Muitos creem que, antes do final desta década, uma crise econômica atingirá o que irá eclipsar a Grande Depressão e a queda das ações de 1929.

A história tem uma mensagem clara para nós: todas as moedas fiduciárias eventualmente vão a zero.

Com o dólar americano, o real, o rublo, o euro… respaldados por nada, a dívida acumulada cada mês, todos geridos por banqueiros centrais e políticos que não aprenderam nada da história, cabe a nós proteger nossos ativos com a única moeda que não pode ser degradada, desvalorizada, ou destruída… metais preciosos…. top-ten-reasons-i-buy-gold-silver-300x200

Proteja suas economias em prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

E assim a China move o mundo para um padrão monetário lastreado em ouro

A China cresceu, de forma econômica, financeira e militar. Tem consumido o fornecimento global das minas de ouro por cerca de 10 anos. Possui 20 mil toneladas de ouro ou mais, em comparação com as supostas 8.133 toneladas detidas pelos EUA.

O anúncio do petro-yuan, conversível em ouro, é uma mudança de paradigma. A China consome mais petróleo (em termos de dólares) do que todo o ouro produzido no mundo. A preços atuais, a China usa mais petróleo do que o mundo inteiro produz dinheiro.

17102017

Ao longo dos últimos anos, a China importou cerca de 2.000 toneladas de ouro por ano. China e Índia estão importando mais do que as 2.500 toneladas que são produzidas anualmente. Esse ouro excedente só pode vir de um lugar: os cofres do ocidente. Para fingir que seus sistemas financeiros e moedas são sólidos, o ocidente (liderado pelos EUA) vem vendendo suas reservas de ouro.

Se a China importa petróleo e paga com o yuan e oferece o seu yuan conversível em ouro, quantos produtores de petróleo ela levará à troca do US dollar pelo petro-yuan? Por quanto tempo a China e a Índia podem importar mais do que o mundo produz? Onde a demanda será satisfeita se o yuan recém-adquirido dos produtores de petróleo for convertido em ouro? A resposta é que eles não podem … a preços atuais.

A China observou como os EUA foram sendo sangrados de seu ouro de 1971 até então. Compreende o jogo. Está liderando o mundo em direção a um padrão-ouro, desviando o que anteriormente era petróleo por dólares em petróleo por ouro.

Ao fazer o yuan conversível em ouro, a China está criando uma demanda que eles sabem que não pode ser atendida pela oferta a preços atuais. Por quê?

-A China é o maior dono de ouro da Terra, por isso está marcando o valor de seu tesouro por múltiplos do original. Um maior preço do ouro tornará difícil para outras nações acumularem ouro. Ao liderar o preço do ouro, a China assegura seu lugar como líder financeiro mundial.

-A China estará desvalorizando o yuan frente ao ouro, o que lhe trará muitos benefícios.

-Mover o mundo para um padrão ouro significa afastar-se do dólar.

– Este esquema evita a armadilha de Bretton Woods: sangrar o ouro do Tesouro.

E lembre-se, junto com a cotação do ouro, a cotação da prata irá atrás! E como o valor da prata está ao menos 5 vezes mais desvalorizada historicamente em relação ao ouro, podemos estar diante de uma oportunidade única na história…

Proteja suas economias em prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

A exposição dos bancos dos EUA à derivativos de metais preciosos dispara em 2017

De acordo com o relatório mais recente sobre a atividade de negociação de derivativos das Instituições Financeiras dos EUA, os bancos daquele país detiveram um valor recorde de contratos de metais preciosos no primeiro trimestre de 2017. Não só os bancos dos EUA relataram um valor recorde de contratos de metais preciosos, mas eles também mantiveram uma quantidade sem precedentes em valor nocional de contratos de derivativos de commodities e equity.

Parece haver muito papel flutuando nos mercados de ações, títulos e Forex já altamente inflados. E … deve ser necessário. Sem uma quantidade cada vez maior de alavancagem através de suas apostas derivadas e hedging, esses mercados estariam em sérios problemas. Além disso, a prática de usar contratos de hedge de apostas sobre outras apostas derivadas já colocou o mercado financeiro em um estado altamente frágil antes…

O Escritório da Controladora da Moeda (OCC) divulgou seu Relatório Trimestral do Primeiro Trimestre de 2017 sobre Atividades de Negociação e Derivativos dos Bancos. Nesse relatório, eles publicaram o seguinte quadro sobre o valor nocional dos bancos dos EUA em contratos de metais preciosos:

 

Como podemos ver no gráfico, a tendência geral continuou a aumentar desde 2000. O que é interessante é que o valor nocional dos contratos de metais preciosos detidos pelos bancos dos EUA foi ainda maior no primeiro trimestre de 2017 versus o quarto trimestre de 2012, quando os preços dos metais preciosos eram muito maiores.

Ao analisar dados anteriores, alguns trimestres apresentaram uma maior quantidade de contratos de metais preciosos, o que se deveu a que os bancos adicionaram contratos curtos à medida que o preço dos metais preciosos aumentou. No entanto, o primeiro trimestre de 2017 com US $ 43,6 bilhões foi um crescimento considerável em relação aos US $ 28,3 bilhões no primeiro trimestre de 2016.

Por exemplo, no terceiro trimestre de 2016, os bancos dos EUA também detinham US $ 43,6 bilhões em contratos de metais preciosos. Mais uma vez, isso se deveu a uma série de contratos curtos detidos pelos bancos norte-americanos quando o preço do ouro subiu para um máximo de US $ 1.366 a onça troy no terceiro trimestre de 2016. Como o preço do ouro caiu nos meses seguintes, os contratos de metais preciosos diminuíram no quarto trimestre de 2016.

Mas o que é interessante é o aumento significativo na exposição de metais preciosos pelos bancos dos EUA no primeiro trimestre de 2017, mostrado no gráfico acima, quando o número de contratos curtos de ouro que os grandes bancos dos EUA mantiveram diminuiu significativamente:

 

Agora, isso apenas mostra os contratos de ouro dos bancos dos EUA. Estes contratos não incluem outros metais preciosos, como prata, platina e paládio. No entanto, o ouro é, de longe, o maior mercado. Se incluímos os contratos FX (contratos de câmbio a prazo), o montante total nocional é enorme:

 

Os contratos FX são hedge para os movimentos de diferentes preços fixos das moedas fiduciárias. Não conhecemos a divisão percentual dos contratos de Ouro ou FX. No entanto, é possível imaginar que a maioria está nos Contratos FX, que estão protegendo as diferentes moedas fiat.

Agora, o que também é bastante fascinante com o aumento maciço dos valores nocionais dos contratos de FX & Ouro, é que o PIB global não cresceu tanto desde 2013. De acordo com o Banco Mundial, aqui estão os números do PIB global nos últimos quatro anos:

Se dividirmos o valor nocional de Contratos FX & Ouro pelo PIB global, podemos ver uma tendência muito interessante:

Enquanto a quantidade nocional de contratos FX & Ouro atingiu uma alta recorde, veja o próximo gráfico:

 

Esses dois gráficos exibem o valor dos contratos “Commodity” e “Equity” em valores nocionais em dólar detidos pelos bancos dos EUA. Embora tenha havido uma crise temporária em 2005 (principalmente contratos com prazo mais longo – em AZUL), houve um aumento pronunciado em 2015, 2016 e 2017 em ambas as classes de ativos derivativos.

De acordo com os dados do OCC, os bancos dos EUA detinham US $ 1 trilhão em contratos de commodities e US $ 3 trilhões em contratos de equivalência patrimonial (equity) no primeiro trimestre de 2017. Embora esses valores sejam muito inferiores aos contratos de FX & Ouro, eles ainda aumentaram substancialmente nos últimos três anos.

Novamente…. os bancos dos Estados Unidos estão segurando um valor recorde de contratos de derivativos em papel nessas diferentes classes de ativos. Sim, tem algum sentido que o valor total do patrimônio nocional dos bancos dos EUA está aumentando junto com o aumento do mercado de ações altamente inflacionado, mas considerando a exposição à commodities quando os preços da maioria delas são muito inferiores ao que eram antes de 2014, é intrigante.

 

À medida que o índice de commodities (acima) caiu do nível de mais de 300 em 2014 para 176 atualmente, o montante dos bancos dos EUA, e sua exposição ao mercado de commodities mais que dobrou para US $ 1 trilhão. Infelizmente, não sabemos todos os detalhes sobre o motivo pelo qual os bancos dos EUA aumentaram tanto sua exposição a essas diferentes classes de ativos. No entanto, ver uma quantidade recorde de troca de papel em um mercado que já é altamente alavancado certamente indica grandes problemas à frente.

Proteja suas economias em prata física, antes que o dinheiro sólido fique caro demais!

 

Fonte.

Investimento em metais preciosos na Alemanha e Reino Unido dispara

Enquanto a demanda por metais preciosos no Ocidente tem perdido um pouco a vitalidade nos últimos meses, algo recentemente motivou um renovado interesse pelo ouro na Alemanha e no Reino Unido, algo não visto há algum tempo.

Este aumento no investimento de ouro na Alemanha e no Reino Unido durante o último ano e meio não vem do comprador de moedas e barras, mas de uma fonte que é ainda mais interessante… vem dos investidores de fundos de aposentadoria (ETFs) em ouro no mercado de varejo. Este é um segmento muito diferente da população que se desloca para esses fundos versus os 1% da população que compram barras e moedas físicas. Quando há uma onda de compra de ETFs de Ouro, significa que o investidor médio institucional ou regular está preocupado com o mercado global.

Nos últimos cinco trimestres, os fluxos para os ETFs de Ouro aumentaram 42%, de 690 toneladas métricas (mt) no primeiro trimestre de 2016 para 978 milhões de toneladas no segundo trimestre de 2017 (segundo o World Gold Council Demand Trends):

Este é um grande aumento, porque os fluxos em ETFs de Ouro nos EUA aumentaram apenas 6% durante o mesmo período. Assim, o aumento percentual em ETFs de Ouro Europeu foi 7 vezes maior do que os fluxos em ETFs de Ouro nos EUA.

Este enorme aumento na demanda por ETFs de Ouro é um indicador muito interessante. Qual é a motivação para que os poupadores se movam para se proteger com ouro? O preço poderia ser um fator determinante? Bem, talvez para os britânicos, mas não para os alemães, porque o preço do ouro na zona do Euro não valorizou mais do que o preço em dólares desde o primeiro trimestre de 2016.

A razão para o aumento do preço do ouro em libra esterlina britânica pode dever-se ao declínio da libra em reação ao Reino Unido deixando a União Européia. A Libra britânica caiu 10% contra o dólar e 15% em relação ao Euro desde o primeiro trimestre de 2016. Assim, é provável que mais investidores do Reino Unido tenham se virado para o ouro porque a libra britânica agora está sendo negociada em valores baixos que não foram vistos em 31 anos.

No entanto, isso realmente não explica por que há tanto interessante em ouro na Alemanha. Quando vemos uma grande mudança como essas na demanda institucional por ouro e no varejo, isso nos fornece um indicador real de que algo está seriamente errado no mercado global.

A Alemanha é o maior poder econômico da União Européia e certamente seus cidadãos não estão apenas preocupados com o desastre que o BCE está fazendo com a imensa impressão de dinheiro e compras de títulos, mas, por exemplo, existem preocupações geopolíticas sérias agora com a Rússia, por instigação do governo dos EUA.

É bem possível que venhamos a ver uma grande volatilidade nos mercados quando o prazo do limite de dívida do governo dos EUA provocar um possível default no início de outubro. Diante de tudo isso, e mais o circo agora ocorrendo em Washington DC, os investidores que não compraram ouro e prata físicos, precisam considerar seriamente fazer isso antes que o os gansos assustem-se de vez…

Proteja suas economias antes que a prata fique cara demais!

 

Fonte.