Já é hora de se preparar para a maior crise de todos os tempos…

A melhor hora para se preparar para um crash é antes do crash. O maior crash da história do mundo está vindo. A boa notícia é que a melhor hora de ficar rico é durante um crash.” Robert Kiyosaki

O sistema financeiro mundial está passando por grandes desafios existenciais. Desde a inflação nos EUA à guerra na Ucrânia, as sanções econômicas impostas pelos EUA que podem ser um tiro no pé do status do US$ como reserva mundial, a falta de fertilizantes e combustíveis fósseis para a Europa, e para o resto do mundo.

Gostemos ou não, a realidade é que o Federal Reserve tem uma enorme influência sobre o dólar e o mercado de ações. E agora, o Fed tem uma decisão urgente e fatídica a tomar. Pode continuar imprimindo trilhões de dólares, deixar a inflação disparar ou apertar a política monetária e assistir ao colapso do mercado de ações. Em outras palavras, pode sacrificar o mercado de ações ou o dólar. De fato, a maior parte da impressão massiva de dinheiro, que ocorreu desde 2012, quando a economia dos EUA estava praticamente recuperada da Grande Recessão, foi justificada por um déficit de inflação, o que não era verdade, mas essa era a justificativa. Eles estavam tentando aumentar a inflação e, portanto, sentiram que poderiam manter a flexibilização quantitativa nessas taxas enormes, incluindo US$ 120 bilhões por mês, até recentemente. E, como resultado, estamos agora em um mundo em que a inflação está caminhando para dois dígitos. Quer queira ou não, terá que aumentar as taxas de juros muito mais do que o esperado agora. Vai começar o QT, aperto quantitativo. Não estivemos neste tipo de águas desconhecidas por muito tempo, não desde os anos 1970, e mesmo então, a história era muito diferente do que é hoje. Se você voltar a março de 2000, quando a bolha das pontocom entrou em colapso, o NASDAQ atingiu o pico de 4600, e o mercado caiu 30% nos 15 dias seguintes. E depois daquela queda chocante, as pessoas disseram que tudo acabou. O pior aconteceu, e você deve comprar na baixa. Você vai ganhar muito dinheiro. E nos dois anos seguintes, eles continuaram comprando na baixa, mas nos dois anos seguintes, o NASDAQ passou de 4.600 para 3.300, descendo para 800. Um declínio de mais de 80% e toda essa compra de queda resultou em perdas massivas e muita dor. Nós vamos passar pela mesma coisa novamente… (fonte)

CEO do JP Morgan diz para os americanos se prepararem para o pior

Se já está na mídia de massas, e você ainda não se preparou, é melhor prestar atenção aos fatos!

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan identificou três forças que provavelmente moldarão o mundo nas próximas décadas: uma economia dos EUA se recuperando da pandemia de Covid; inflação alta que dará início a uma era de taxas de juros crescentes, a invasão da Ucrânia pela Rússia e a crise humanitária resultante. “Isso apresenta circunstâncias completamente diferentes das que experimentamos no passado – e sua confluência pode aumentar drasticamente os riscos à frente”, escreveu ele. “A guerra na Ucrânia e as sanções à Rússia, no mínimo, vão desacelerar a economia global – e pode facilmente piorar”, escreveu Dimon. Isso se deve à incerteza sobre como o conflito terminará e seu impacto nas cadeias de suprimentos, especialmente para aquelas que envolvem o fornecimento de energia. “Muitas outras sanções poderiam ser adicionadas – o que poderia aumentar de forma dramática e imprevisível seu efeito. Juntamente com a imprevisibilidade da própria guerra e a incerteza em torno das cadeias globais de fornecimento de commodities, isso cria uma situação potencialmente explosiva. Falo mais tarde sobre a natureza precária do fornecimento global de energia, mas por enquanto, simplesmente, esse fornecimento é fácil de interromper.” (fonte)

“Uma mudança de paradigma que a mídia ocidental ainda não entendeu”

O banco central da Rússia alterou o comércio internacional e o sistema monetário ao vincular o rublo ao ouro e às commodities. Ronan Manly escreveu um artigo sobre o que esses desenvolvimentos significam e as ramificações dessas mudanças no rublo, no dólar americano, no preço do ouro e no sistema global de moedas. Definir um preço fixo para o ouro em rublos é significativo. “O movimento do Banco da Rússia de vincular o rublo ao ouro e vincular os pagamentos de commodities ao rublo é uma mudança de paradigma que a mídia ocidental ainda não compreendeu. À medida que os dominós caem, esses eventos podem reverberar de diferentes maneiras. Aumento da demanda por ouro físico. Explosões nos mercados de ouro de papel. Um preço de ouro reavaliado. Uma mudança para longe do dólar americano. Aumento do comércio bilateral de commodities entre países não ocidentais em moedas diferentes do dólar americano.” Se os mercados ocidentais de ouro em papel do LBMA / COMEX tentarem diminuir o preço do ouro em dólares americanos, eles terão que tentar enfraquecer o rublo também, ou então as manipulações de papel serão divulgadas. Além disso, com a nova ligação ouro-rublo, se o rublo continuar a se fortalecer (por exemplo, devido à demanda criada pelos pagamentos obrigatórios de energia em rublos), isso também se refletirá em um preço do ouro mais forte. Ao jogar os dois lados da equação, ou seja, vinculando o rublo ao ouro e, em seguida, vinculando os pagamentos de energia ao rublo, o Banco da Rússia e o Kremlin estão alterando fundamentalmente todos os pressupostos de funcionamento do sistema de comércio global enquanto aceleram a mudança no sistema monetário global . Essa parede de compradores em busca de ouro físico para pagar por commodities reais certamente poderia torpedear e explodir os mercados de ouro de papel do LBMA e do COMEX. Os compradores então se esforçariam para comprar ouro físico para pagar as exportações russas de petróleo, o que, por sua vez, criaria enormes tensões nos mercados de ouro de papel de Londres e Nova York, onde toda a descoberta do “preço do ouro” é baseada em dinheiro sintético e com lastro fracionário e ‘derivados de preço do ouro’ não alocados. (fonte)

A corrida global para possuir ouro está apenas começando

A julgar pela ação recente do ouro, pode-se supor que os aumentos das taxas foram implementados e que a Rússia e a Ucrânia declararam um cessar-fogo. Nenhuma dessas coisas aconteceu, então a recente venda de ouro é equivocada. Após um derretimento/pequeno aperto nos mercados de ações, ostensivamente devido a negociações de cessar-fogo, o ouro foi vendido com desconto de cerca de US$ 70 em dois pregões. A combinação do Fed abraçando os aumentos das taxas e o conflito Rússia/Ucrânia potencialmente desacelerando fez o mercado pensar que portos seguros podem não ser necessários daqui para frente. Isso não é realista, no entanto. A Rússia disse que nada promissor aconteceu nas negociações de paz até agora, e o Fed ainda não começou a abordar o problema da inflação. Um cessar-fogo não significa que as sanções econômicas contra a Rússia serão retiradas. Essas sanções forçaram a Rússia e a China a cruzar o Rubicão, onde parece que podem desafiar o dólar americano com ouro. Os EUA viram apenas uma alta de .25 pontos nos juros. As taxas reais estão entre -6% e -8%. Este é um cenário de alta para o ouro. As taxas reais permanecerão negativas por algum tempo. Se não o fizerem, o Fed terá aumentado as taxas tão altas que haverá uma enorme crise da dívida forçando as pessoas a usar o ouro como um porto seguro da crise da dívida soberana, depois de vendê-lo com pressa para desalavancar. No caso da Rússia, espere mudanças permanentes na forma como conduz os negócios globalmente (ou seja, vende petróleo e gás natural) que serão otimistas para o ouro. Quanto à inflação, o Fed vai subir as taxas até que o mercado financeiro despenque. Não importa o que aconteça, parece que uma nova economia global espera nos bastidores e que é apenas uma questão de tempo até que o ouro e a prata sejam aceitos para fazer o que faz de melhor: preservar riqueza, armazenar valor e agir como dinheiro sólido. (fonte)

A disputa pelo ouro no ocidente já começou

Agora, a crise da Ucrânia com seus novos requisitos de pagamento para o tão necessário petróleo e gás russos… sobrepondo-se a negócios essenciais ainda inacabados do Brexit… necessariamente evoluirá para uma viciosa guerra interna pelo ouro dentro OTAN. Após a Segunda Guerra Mundial, a ideia era manter as barras de ouro da Europa longe da antiga União Soviética e de Josef Stalin, apenas por precaução. Assim, décadas atrás, os atuais estados membros da UE depositaram a maior parte de seu ouro sob custódia no Banco da Inglaterra (BoE) em Londres. Agora, o Reino Unido se atreverá a armar a aprovação dos pedidos de repatriação de ouro da UE e outras questões relacionadas ao ouro como uma ferramenta de barganha muito convincente para muitos negócios ainda inacabados e mais importantes do Brexit. Se a história servir de guia, as hostilidades explodirão no instante em que os estados membros da UE, individual ou coletivamente, exigirem uma auditoria funcionalmente detalhada de classe mundial totalmente independente, ainda inexistente, do ouro da UE supostamente ainda em ‘custódia’ no BoE. Como a Venezuela sabe muito bem – e os estados membros da UE podem ser os próximos – quem pode ou não ser reconhecido como um reclamante válido de qualquer coisa guardada em Threadneedle Street ou em seu paradeiro é um assunto em aberto deixado à inteira discrição dos mestres da Canary Wharf, não aos políticos da UE. O mesmo vale para os enormes passivos de ouro e prata não alocados dos chamados ‘bancos de ouro’… Muito recentemente, a Alemanha teve que esperar 5 longos anos para repatriar força e dolorosamente apenas uma parte de seu ouro do BoE e nunca mais recuperou nenhuma das barras de ouro originalmente depositadas, o que explica claramente o atraso. As transações de derivativos de “ouro e prata de papel” de hoje constituem um genuíno esquema de Ponzi puro que excede em muitas vezes o metal real teoricamente por trás deles, provavelmente com uma proporção de 100 para 1 ou mais, como a Square Mile de Londres sabe muito bem. O economista britânico Peter Warburton estava 100% correto quando descreveu que os bancos centrais ocidentais estavam usando derivativos para controlar os preços das commodities e proteger as moedas do governo contra o reconhecimento público da desvalorização da moeda. (fonte)

Quando ficar claro para as massas de investidores que esse ‘ouro e prata de papel‘ não existe, a demanda e os preços pelo metal físico vão disparar… Quanto você quer esperar?

A Rússia já detém chocantes 12.000 toneladas de ouro

Rússia e China juntos agora possuem 32.000 toneladas de ouro, de cair o queixo. Parece que a Rússia já pode deter 12.000 toneladas de ouro, um tesouro de ouro muito maior do que os EUA. Isso pode explicar a força do rublo, que chocou os líderes ocidentais e observadores do mercado. Isso é importante, porque se juntarmos isso com a China, que tem pelo menos 20.000 toneladas de ouro não declarado, então estamos olhando para a parceria entre a Rússia e a China controlando efetivamente o ouro. E lembre-se: ouro e prata são dinheiro, e não é responsabilidade de mais ninguém. (fonte)

Aqui estão os fatores que tornam a prata, a platina e o paládio preciosos nos dias de hoje

Quando discutimos investir em metais preciosos físicos, tendemos a enfatizar o ouro. O ouro é, historicamente, o investimento seguro de escolha. É a reserva de valor universal e sem confiança. É o metal precioso encontrado nos cofres dos bancos centrais do mundo. Mesmo assim, o ouro não é o único metal precioso. Na análise sobre porque os “outros três” metais preciosos são possivelmente mais atraentes que o ouro, a prata, sem surpresa, está no topo da lista. Apesar da inflação recorde de 40 anos, a prata permanece um pouco abaixo da metade do preço de US$ 50 do preço de janeiro de 1980. Ajustado pela inflação, o preço da prata hoje está apenas pouco acima do nível da Primeira Guerra Mundial. Este é de alguma forma o caso quando, além da demanda de investimento persistente, a prata tornou-se praticamente onipresente na fabricação de eletrônicos. Quase todos os computadores e celulares contêm prata, junto com TVs, telefones, micro-ondas e muito mais. É também um componente crucial na indústria de painéis solares. Obviamente, nada disso era verdade durante a década de 1910. A relação preço do ouro/prata está atualmente em torno de 78, que está no topo de sua faixa de 40 anos. Um retorno a uma proporção de 70 – supondo que o ouro permaneça inalterado, o que não deve ocorrer – elevaria a prata em cerca de 10%. Bem lá em cima na lista “subvalorizada em comparação com o ouro” está a platina, que deveria ser mais cara que o ouro. Isso tem sido o caso ao longo de grande parte da história. A queda de 50% no preço da platina em relação ao pico de 14 anos atrás parece ter levado a uma falta de apreciação (e possivelmente respeito) pela platina como investimento. O World Platinum Investment Council (WPIC) observa que toda a platina já produzida encheria apenas a profundidade do tornozelo de uma piscina olímpica. Em comparação, todo o ouro extraído encheria facilmente três poços do mesmo tamanho. Isso dá uma ideia de como a platina é relativamente rara. E sua produção também está fortemente localizada em regiões geopoliticamente não confiáveis, com quase 75% vindo da África do Sul, 7,5% do Zimbábue e 10% da Rússia. Ao mesmo tempo, a queda no preço da platina coincide com seu uso crescente tanto nas indústrias de energia renovável quanto médica. A platina é o mais desvalorizado dos quatro grandes metais preciosos. O preço do paládio ultrapassou o do ouro há algum tempo. As razões são simples: é um metal industrial crucial e mais de 40% da produção vem da Rússia. O aumento do metal desde as sanções não deve surpreender ninguém. Parece o início de uma longa tendência de alta. (fonte)

Os custos de produção do ouro e da prata

Embora o custo para produzir metais preciosos tenha aumentado na última década, a prata foi a mais impactada em comparação com seu preço de mercado. Assim, a indústria primária de mineração de prata está experimentando margens de lucro muito mais baixas do que a indústria primária de mineração de ouro. Isso agora sugere que o PREÇO DE PISO da prata aumentou para o nível de US$ 20. O custo combinado dos 2 principais produtores de prata foi de US$ 20,78 com base no preço à vista de US$ 24,28. Assim, a margem de lucro foi de 14,4%. O custo combinado dos 2 principais produtores de ouro foi de US$ 1.212 com base no preço à vista de US$ 1.796. Os principais mineradores de ouro tiveram uma margem de lucro de 32,5%, mais que o dobro dos mineradores de prata. Independentemente disso, podemos ver claramente que, no final de 2021, os principais mineradores de prata estavam obtendo muito menos lucro do que os principais mineradores de ouro. Isso significa que o preço mínimo de prata subiu para o nível de US$ 20 a US$ 21, com base no preço do petróleo de US$ 77 no quarto trimestre de 2021 versus US$ 94 no primeiro trimestre de 2022. O preço do petróleo fechou em 22% em um trimestre, sugerindo que o custo de produção ouro e prata subiram. Com o preço spot atual da prata em US$ 24,82 e o custo estimado do quarto trimestre de 2021 em US$ 20,72, isso seria uma margem de lucro de 20%. No entanto, o custo de produção de prata provavelmente aumentou para pelo menos US $ 22 por onça, sugerindo apenas uma margem de lucro de 13%. Assim, podemos ver claramente que não há muita margem para o lucro dos mineradores de prata. Se você não tiver NADA em METAIS PRECIOSOS, é aconselhável iniciar comprando uma certa quantia a cada mês ou período de tempo. Embora possamos ver preços mais baixos durante a desaceleração econômica, também podemos ver mais investidores de metais preciosos exigindo ainda mais produtos… aumentando ainda mais os prêmios pelo metal físico. (fonte)

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Visite nossa loja online: www.loja-pratapura.com

A mídia de massa já está noticiando: “proteção com ouro, prata e commodities”

Ao InfoMoney, Jim Rogers, ex-sócio de George Soros diz que fim da guerra na Ucrânia dará respiro, mas cenário negativo pode se instalar ainda neste ano ou no próximo.

Leia mais aqui !

Peter Schiff vê o ouro a US $ 20.000 em um crash do Dollar

Ouro, no fim, não é só competição com o dinheiro de papel; é competição para os bancos, ações e títulos, principalmente em tempos de estresse econômico; e essa é a razão do interesse contínuo dos fazedores de políticas…” Paul Volker

O valor do ouro pode subir dez vezes (e a prata vai junto) e chegar a US$ 20.000 por onça no caso de um colapso da confiança no dólar americano e inflação descontrolada, de acordo com Peter Schiff, CEO e economista-chefe da corretora Euro Pacific Capital.

Schiff recentemente participou de um debate exclusivo da Capital.com com o economista australiano e pós-keynesiano Steve Keen, no qual os dois especialistas discutiram os possíveis efeitos de um crash do mercado.

O que poderia desencadear uma perda de confiança no dólar americano é a incapacidade do Fed de domar a inflação por meio de aumentos tardios e tímidos das taxas de juros, explicou Schiff.

“Não há como esses pequenos aumentos nas taxas fazerem algo para dobrar a curva de inflação. O Fed continuará ficando cada vez mais atrás da curva”, disse Schiff.

Os dados demonstram que a diferença entre taxas de juros e inflação – a chamada taxa de juros real – nos EUA está em seu nível mais baixo. (fonte)

As consequências serão fatais para o mundo (afirma também Egon von Greyerz)

Estamos agora no final de uma era de decadência econômica e moral em um mundo infestado de dívidas, construído sobre valores falsos, dinheiro falso e liderança abismal. As portas do inferno vão se abrir.

É o acúmulo de uma enorme montanha de dívidas que deu ao mundo ocidental um falso conforto baseado em falsos valores.

O Padrão Ouro foi um excelente método para evitar que os governos gastassem dinheiro que não tinham. Como o dinheiro não podia ser impresso à vontade, os déficits precisavam ser financiados liquidando as dívidas em ouro físico.

Porque, como a maioria das eras econômicas, esta terminará com uma série de eventos espetaculares, muitos dos quais ocorrerão simultaneamente.

Até um macaco entenderia que se você imprimir US$ 10 trilhões e mantiver as taxas de juros em zero ou negativas por anos, o resultado final será uma inflação espetacular.

O que está por vir é a inevitável tempestade perfeita.

Uma tempestade perfeita significa que tudo o que pode dar errado dará errado. E isso não é devido apenas a falhas óbvias em muitas partes da sociedade, mas também a consequências totalmente imprevistas.

As ações atingiram o topo em todo o mundo. A correção que está ocorrendo provavelmente terminará muito em breve em um declínio devastador. Todos serão massacrados quando o inferno começar. Quer os investidores comprem na baixa ou apenas mantenham suas ações, eles não entenderão o que os atingiu. Lembre-se que em 1929, o DowJones caiu 90% e levou 25 anos para se recuperar em termos nominais. E desta vez as circunstâncias econômicas são exponencialmente piores.

Os títulos subiram por mais de 40 anos e as taxas chegaram a zero ou ficaram negativas. As taxas agora aumentaram e provavelmente veremos as taxas de juros atingirem pelo menos os níveis de 1980 de 1520% e provavelmente mais altos em um colapso da dívida hiperinflacionária. Muitos títulos se tornarão inúteis e mais adequados para emoldurar e pendurar na parede do banheiro como um lembrete para as gerações futuras.

Os mercados de crédito estarão sob a mesma pressão que os mercados de títulos com devedores inadimplentes, sem condições de pagar a dívida nem negociá-la.

Os mercados imobiliários também chegaram a extremos, alimentados por dinheiro barato ou grátis e crédito ilimitado com alavancagem muito alta. Na Europa, as taxas de hipoteca são de cerca de 1%. Esses custos de financiamento insignificantes e irresponsáveis levaram os preços dos imóveis a níveis ridículos e insustentáveis.

Os derivativos são uma grande bomba nuclear financeira que provavelmente será uma sentença de morte para os mercados. Os derivativos globais da LINK, principalmente OTC (no balcão), provavelmente estão na faixa de $ 2+ quatrilhões. Devido à volatilidade atual nos mercados de commodities, a maioria das grandes empresas de trading de commodities, bem como os fundos de hedge, estão agora expostos a chamadas de margem. Muitos clientes do JP Morgan estão atualmente sob enorme estresse em um mercado altamente alavancado. Se os clientes do JP Morgan já estão sob estresse, isso significa que outros bancos também estarão sob pressão.

Lembre-se de que este é apenas o começo da crise, com mais notícias ruins sendo reveladas diariamente.

À medida que o mercado de derivativos explodir com a falência das contrapartes, os bancos centrais terão que imprimir quatrilhões de dólares sem valor, abrindo caminho para uma hiperinflação maciça.

Governos e bancos centrais obviamente serão impotentes nesse cenário. O resgate do sistema em 2008 foi apenas uma suspensão temporária da execução. A dívida global triplicou desde o início deste século, de US$ 100 trilhões para US$ 300 trilhões. Mas lembre-se que isso é principalmente dinheiro falso que criou valores de ativos falsos sobre uma base de areia movediça.

Tudo isso agora está prestes a entrar em colapso. A próxima crise econômica e financeira terá efeitos devastadores no mundo.

O desemprego aumentará drasticamente à medida que o comércio mundial diminuir e o sistema financeiro ficar sob pressão. Muitas empresas vão perecer. Os sistemas de pensões irão falir, à medida que os valores dos fundos de pensões entrarem em colapso. Os sistemas de segurança social não funcionarão quando os governos ficarem sem dinheiro real. Aumentos maciços de preços, especialmente em alimentos e energia combinados com escassez, atingirão a todos, tanto os países em desenvolvimento quanto o mundo industrializado.

As consequências da escassez de alimentos e da miséria econômica, combinadas com o fracasso dos governos em funcionar adequadamente, claramente levarão à agitação social em muitos lugares.

PRESERVAÇÃO DE RIQUEZA

Por mais de 20 anos tenho escrito sobre os problemas financeiros e econômicos que estão prestes a atingir o mundo. A maioria das coisas está acontecendo, embora eu admita de bom grado que as coisas levaram mais tempo do que eu esperava. O sistema financeiro foi milagrosamente salvo em 2008, o que foi um ensaio. O que vai acontecer a seguir será definitivamente para valer.

O que aprendi é que precisamos ser pacientes desde o fim de uma era e ciclo econômico não acontece apenas porque você pode ver todos os sinais. O processo é longo e árduo. (fonte)

Prepare-se para a escassez de prata e preços muito mais altos

Investidores e instituições não estão preparados para as grandes mudanças que virão no futuro. Eles ainda se apegam a uma estratégia de investimento que agora está… morta. Infelizmente, eles ainda não sabem disso. Devido ao próximo Abismo de Energia, os investidores serão forçados a migrar para metais preciosos para proteger a riqueza em um ambiente econômico onde a maioria dos Ativos se transforma em Passivos.

Hoje o custo de produção de prata está incrivelmente alto, e o preço mínimo da prata subiu consideravelmente. (fonte)

Os dias de produção de prata “BARATA” acabaram. Devido à queda dos teores de minério e ao aumento dos preços da energia, o custo para produzir prata é agora o mais alto da história e só tende a aumentar à medida que os preços da energia disparam no futuro. As empresas de mineração de prata têm que investir muito dinheiro (energia) apenas para substituir as reservas ou minas esgotadas. Esta é uma boa notícia para investidores de prata que compraram metal a preços muito mais baixos. (fonte)

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Estamos provavelmente à beira de um terremoto financeiro histórico

Por Doug Casey

Foi dito com razão que “quem detém o ouro faz as regras”.

Após a Segunda Guerra Mundial, os EUA tinham, de longe, as maiores reservas de ouro do mundo. Além de vencer a guerra, isso permitiu que os EUA reconstruíssem o sistema monetário global em torno do dólar.

O novo sistema, criado na Conferência de Bretton Woods em 1944, vinculava as moedas de praticamente todos os países do mundo ao dólar americano por meio de uma taxa de câmbio fixa. Também amarrou o dólar americano ao ouro a uma taxa fixa de US$ 35 por onça.

Dizia-se que o dólar era “tão bom quanto o ouro”.

O sistema de Bretton Woods fez do dólar americano a principal moeda de reserva do mundo. Obrigou outros países a armazenar dólares para o comércio internacional ou a trocar com o governo dos EUA por ouro.

No entanto, o sistema estava fadado ao fracasso.

Gastos descontrolados em guerra e bem-estar fizeram com que o governo dos EUA imprimisse mais dólares do que poderia pagar com ouro ao preço prometido.

No final da década de 1960, o número de dólares em circulação aumentou drasticamente em relação à quantidade de ouro que os sustentava. Isso encorajou os países estrangeiros a trocar seus dólares por ouro, drenando a oferta de ouro dos EUA a uma taxa alarmante.

Para tapar o ralo, o presidente Nixon suspendeu “temporariamente” a conversibilidade do dólar em ouro em 1971. Isso acabou com o sistema de Bretton Woods e cortou o último vínculo do dólar com o ouro.

A suspensão “temporária” ainda está em vigor hoje. E teve profundas consequências geopolíticas.

Mais criticamente, eliminou a principal razão pela qual os países estrangeiros armazenavam grandes quantidades de dólares americanos e usavam o dólar americano para o comércio internacional. Como resultado, os países produtores de petróleo começaram a exigir pagamento em ouro em vez de dólares rapidamente depreciados.

Ficou claro que os EUA teriam que criar um novo sistema monetário para estabilizar o dólar. Assim, inventou um novo esquema… e escolheu a Arábia Saudita como aliada. Esse acordo ficou conhecido como o “sistema petrodólar”.

Os EUA escolheram a Arábia Saudita por causa das vastas reservas de petróleo do reino e sua posição dominante no mercado global de petróleo.

Em essência, o sistema petrodólar era um acordo de que os EUA garantiriam a sobrevivência da Casa de Saud. Em troca, a Arábia Saudita faria três coisas.

Primeiro, usaria sua posição dominante na OPEP para garantir que todas as transações de petróleo fossem realizadas apenas em dólares americanos.

Em segundo lugar, reciclaria centenas de bilhões de dólares americanos da receita anual do petróleo em títulos do Tesouro dos EUA. Isso permite que os EUA emitam mais dívidas e financiem déficits orçamentários anteriormente inimagináveis.

Terceiro, garantiria o preço do petróleo dentro dos limites aceitáveis para os EUA e evitaria outro embargo de petróleo.

O sistema petrodólar deu aos países estrangeiros outra razão convincente para manter e usar o dólar. E preservou o status único do dólar como a principal moeda de reserva do mundo.

O petróleo é o maior e mais estratégico mercado de commodities do mundo.

Como você pode ver no gráfico abaixo, supera todos os outros principais mercados de commodities combinados. O valor da produção anual do mercado de petróleo é dez vezes maior que o mercado de ouro, por exemplo.

Todo país precisa de petróleo. E se os países estrangeiros precisam de dólares americanos para comprar petróleo, eles têm uma razão convincente para reter dólares americanos.

Pense nisso… Se a Itália quer comprar petróleo do Kuwait, deve primeiro comprar dólares americanos no mercado de câmbio para pagar pelo petróleo.

Isso cria um enorme mercado artificial para dólares americanos.

É isso que diferencia o dólar americano de uma moeda puramente local, como o peso mexicano.

O dólar é apenas um intermediário. É usado em inúmeras transações, no valor de trilhões de dólares que nada têm a ver com produtos ou serviços dos EUA.

Como o mercado de petróleo é enorme, ele atua como referência para o comércio internacional. Se os países estrangeiros já estão usando dólares para o petróleo, é mais fácil usar o dólar para outro comércio internacional.

Além de quase todas as vendas de petróleo, o dólar americano é usado para cerca de 80% de todas as transações internacionais.

Isso dá aos EUA um poder geopolítico inigualável.

Os EUA podem sancionar ou excluir praticamente qualquer país do sistema financeiro baseado em dólares americanos com um simples toque de botão.

Por extensão, também pode cortar qualquer país da maior parte do comércio internacional. E isso seria um beijo financeiro da morte. Isso cria um poderoso incentivo para os governos permanecerem nas boas graças de Washington.

O sistema petrodólar é o motivo pelo qual pessoas e empresas em todo o mundo recebem dólares americanos. Eles tiveram pouca escolha a não ser aceitar isso.

Hoje, as maiores exportações dos EUA são dólares e dívidas governamentais. O governo dos EUA pode criar quantidades ilimitadas de ambos… do nada.

Não requer nenhum esforço para criar dólares americanos, que podem ser trocados por coisas reais como vinho francês, carros italianos, eletrônicos da Coréia ou produtos manufaturados chineses.

Em última análise, o petrodólar aumenta o poder de compra do dólar americano. Isso porque atrai estrangeiros a absorver muitas das novas unidades monetárias que o Fed cria.

O sistema ajudou a criar um mercado mais profundo e líquido para o dólar e os títulos do Tesouro dos EUA. Também ajuda os EUA a manter as taxas de juros artificialmente baixas. Isso permite que o governo dos EUA financie enormes déficits que de outra forma não conseguiria.

Esse tipo de gasto seria impossível sem destruir a moeda através da impressão de dinheiro.

É difícil exagerar o quanto o sistema petrodólar beneficia os EUA. É a base do sistema financeiro dos EUA.

China, os sauditas e uma mudança de paradigma

Por quase 50 anos, os sauditas sempre insistiram que qualquer pessoa que quisesse seu petróleo precisaria pagar com dólares americanos, defendendo sua parte do sistema petrodólar.

Mas tudo isso pode mudar em breve…

A China é o maior importador de petróleo do mundo e o principal cliente da Arábia Saudita. Pequim compra mais de 25% das exportações de petróleo sauditas.

O Wall Street Journal informou recentemente que os chineses e os sauditas entraram em sérias discussões para precificar as exportações de petróleo saudita para a China em yuan em vez de dólares.

O artigo do WSJ afirma que os sauditas estão zangados com os EUA por não apoiá-los o suficiente em sua guerra contra o Iêmen. Eles ficaram ainda mais consternados com a retirada dos EUA do Afeganistão e as negociações nucleares com o Irã.

Em suma, os sauditas não acham que os EUA estão mantendo sua parte no acordo. Então, eles não sentem que devem manter sua parte. Nesse contexto, os sauditas entraram em negociações sérias com a China para vender petróleo em yuan.

Até o WSJ admite que tal movimento seria desastroso para o dólar americano.

O movimento saudita pode acabar com a supremacia do dólar americano no sistema financeiro internacional, no qual Washington confia há décadas para imprimir títulos do Tesouro que usa para financiar seu déficit orçamentário.”

Aqui está a linha de fundo.

A Arábia Saudita está flertando abertamente com a China sobre o preço do petróleo em yuan. Isso sinaliza uma mudança iminente e enorme para qualquer pessoa que detenha dólares americanos. Seria incrivelmente tolo ignorar este gigantesco sinal de alerta vermelho.

Estamos provavelmente à beira de um terremoto financeiro histórico

Um que pode alterar essa direção dos EUA para sempre e marcar o maior evento econômico de nossas vidas.

No entanto, poucas pessoas estão cientes do que está acontecendo.

E menos ainda sabem como se preparar para isso. (fonte)

Os investidores nos mercados de derivativos de metais já se movimentaram para proteger seus ativos. Mas um agravamento desata situação, que pode precipitar o tão aguardado colapso do sistema financeiro tradicional, vai evaporar os papéis, sejam de moeda fiduciária, ou de ativos financeiros bancários. Infelizmente, quem já viveu grandes guerras e crises econômicas sabe que apenas o metal físico permanece.

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Sancionar a Rússia derrubará o sistema monetário?

Por JIM O’NEILL

Ao impedir o banco central da Rússia de acessar as reservas cambiais do país, o Ocidente efetivamente apreendeu o baú de guerra de Vladimir Putin. E mesmo diante dessa impressionante demonstração de poder ocidental, alternativas ao sistema monetário dominado pelo dólar não surgirão.

Embora Putin tenha antecipado que a OTAN não responderia militarmente à sua guerra, ele parece ter subestimado a capacidade de solidariedade do Ocidente.

É verdade que a Rússia diversificou suas reservas em relação ao dólar nos últimos anos. Mas a julgar pela escala da resposta internacional e seu impacto imediato na economia russa, essa estratégia parece ter sido insuficiente para manter o acesso ao financiamento de que necessita.

A menos que a Rússia tenha reservas consideráveis em renminbi chinês ou moedas emitidas por outros países que ainda a apoiam, o aperto em sua economia será inevitável.

Qualquer que seja a resposta da Rússia, a questão agora é o que esses movimentos do Ocidente – e de quase todos os centros financeiros do mundo – significarão para os futuros assuntos monetários e o sistema monetário internacional.

Estamos testemunhando uma maior consolidação do poder dos EUA através do sistema dominado pelo dólar, ou este episódio preparará o cenário para o tipo de fragmentação monetária e financeira que alguns analistas há muito antecipam?

O efeito imediato das sanções à Rússia foi destacar o domínio contínuo dos EUA. Mas também pode forçar muitas economias emergentes a reconsiderar a abordagem dos livros didáticos para construir reservas em moeda estrangeira para se proteger contra crises econômicas. A necessidade de tal autosseguro foi a grande lição da crise financeira asiática de 1997-98. Mas agora que o banco central da Rússia perdeu a capacidade de converter suas moedas estrangeiras em rublos, a estratégia parece trazer alguns novos riscos.

Não é preciso um pensador profundo para perceber que a China deve estar alarmada e descontente com a audácia da guerra da Rússia e da reação ocidental a ela. Se a China buscasse uma ação militar contra Taiwan, também poderia esperar perder muito de seu acesso ao sistema financeiro global.

Pode-se ver por que escapar dessa profunda dependência do sistema monetário controlado pelo Ocidente pode agora se tornar uma prioridade para alguns países. Se renminbi, rublos, rúpias indianas e outras moedas fossem mais conversíveis para outros países, um sistema monetário internacional fundamentalmente diferente poderia emergir – um no qual os tipos de sanções impostas à Rússia não seriam tão eficazes. Mas esse cenário permanece improvável, por duas razões relacionadas.

Primeiro, há uma razão pela qual a China não fez mais para elevar o renminbi como moeda internacional. A mensagem dos estudiosos chineses tem sido clara há muito tempo: seu método preferido para melhorar o sistema atual é expandir o papel dos direitos especiais de saque, o ativo de reserva do Fundo Monetário Internacional.

Isso faz sentido quando se considera o que a internacionalização do renminbi implicaria. Como a China precisaria permitir muito mais liberdade no uso offshore de sua moeda, teria que abrir mão de sua capacidade de manter controles de capital. Até agora, ele não estava disposto a fazer isso. No entanto, sem a liberalização da conta de capital, nenhum outro país – nem mesmo um tão desesperado financeiramente quanto a Rússia – gostaria de manter suas reservas em renminbi.

Em segundo lugar, mesmo que uma grande potência como a China respondesse às circunstâncias mutáveis de hoje, buscando grandes reformas financeiras, ainda teria que oferecer garantias críveis em relação à segurança e liquidez das reservas mantidas fora das moedas ocidentais. Caso contrário, por que alguém correria o risco?

Mais uma vez, parece improvável que a China busque quaisquer reformas que exijam mudanças radicais em seu próprio modelo econômico e regulatório. Se a China mordesse a bala e abrisse seu sistema financeiro, mudanças estruturais na ordem monetária global quase certamente se seguiriam. Mas, mesmo nesse caso, as mudanças não aconteceriam a tempo de poupar a Rússia das consequências do comportamento pavoroso de seu presidente. (fonte)

Quando a normalidade é exposta como um esquema de Ponzi

A suposição subjacente é que a economia russa é fraca e as dos aliados ocidentais são mais fortes. Algumas métricas importantes mostram que isso está incorreto. A resiliência subjacente da economia russa e seu sistema financeiro não são geralmente compreendidas e, em vez disso, as sanções da UE podem acabar prejudicando todo o sistema do euro e o próprio euro.

Macleod analisa como os erros no campo de batalha podem trazer à tona a guerra financeira e econômica entre o Ocidente e a Rússia. O Ocidente cometeu o erro de provar à Rússia (e a todos os outros bancos centrais) os benefícios do ouro e a inutilidade final das reservas monetárias. Além de levar ao provável colapso do sistema do euro, essa guerra financeira pode acabar com um padrão ouro de fato para o rublo e encerrar todo o esquema Ponzi da moeda fiduciária. (fonte)

E tudo pode ficar ainda pior

A Terceira Guerra Mundial já começou, diz o investidor bilionário Bill Ackman. O CEO da Pershing Square Capital defende um boicote internacional ao petróleo russo e pede a intermediação da China para colocar fim ao conflito na Ucrânia.

No início de 2020, quando menos de 7.000 casos de covid-19 estavam confirmados nos Estados Unidos, o bilionário Bill Ackman pediu um bloqueio nacional de 30 dias e alertou que “o inferno está chegando”. Agora, o gestor de fundos norte-americano faz um novo alerta: a Terceira Guerra Mundial já começou. 

“Os ucranianos com as armas e os recursos certos provaram que têm o que é preciso para vencer a guerra, a menos e até que Putin se torne nuclear”, disse ele. (fonte)

Cotações dos papeís no mercado futuro de derivativos de prata em 08.03.2022

Os investidores nos mercados de derivativos de metais já se movimentaram para proteger seus ativos. Mas um agravamento desata situação, que pode precipitar o tão aguardado colapso do sistema financeiro tradicional, vai evaporar os papéis, sejam de moeda fiduciária, ou de ativos financeiros bancários. Infelizmente, quem já viveu grandes guerras e crises econômicas sabe que apenas o metal físico permanece.

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.