Sancionar a Rússia derrubará o sistema monetário?

Por JIM O’NEILL

Ao impedir o banco central da Rússia de acessar as reservas cambiais do país, o Ocidente efetivamente apreendeu o baú de guerra de Vladimir Putin. E mesmo diante dessa impressionante demonstração de poder ocidental, alternativas ao sistema monetário dominado pelo dólar não surgirão.

Embora Putin tenha antecipado que a OTAN não responderia militarmente à sua guerra, ele parece ter subestimado a capacidade de solidariedade do Ocidente.

É verdade que a Rússia diversificou suas reservas em relação ao dólar nos últimos anos. Mas a julgar pela escala da resposta internacional e seu impacto imediato na economia russa, essa estratégia parece ter sido insuficiente para manter o acesso ao financiamento de que necessita.

A menos que a Rússia tenha reservas consideráveis em renminbi chinês ou moedas emitidas por outros países que ainda a apoiam, o aperto em sua economia será inevitável.

Qualquer que seja a resposta da Rússia, a questão agora é o que esses movimentos do Ocidente – e de quase todos os centros financeiros do mundo – significarão para os futuros assuntos monetários e o sistema monetário internacional.

Estamos testemunhando uma maior consolidação do poder dos EUA através do sistema dominado pelo dólar, ou este episódio preparará o cenário para o tipo de fragmentação monetária e financeira que alguns analistas há muito antecipam?

O efeito imediato das sanções à Rússia foi destacar o domínio contínuo dos EUA. Mas também pode forçar muitas economias emergentes a reconsiderar a abordagem dos livros didáticos para construir reservas em moeda estrangeira para se proteger contra crises econômicas. A necessidade de tal autosseguro foi a grande lição da crise financeira asiática de 1997-98. Mas agora que o banco central da Rússia perdeu a capacidade de converter suas moedas estrangeiras em rublos, a estratégia parece trazer alguns novos riscos.

Não é preciso um pensador profundo para perceber que a China deve estar alarmada e descontente com a audácia da guerra da Rússia e da reação ocidental a ela. Se a China buscasse uma ação militar contra Taiwan, também poderia esperar perder muito de seu acesso ao sistema financeiro global.

Pode-se ver por que escapar dessa profunda dependência do sistema monetário controlado pelo Ocidente pode agora se tornar uma prioridade para alguns países. Se renminbi, rublos, rúpias indianas e outras moedas fossem mais conversíveis para outros países, um sistema monetário internacional fundamentalmente diferente poderia emergir – um no qual os tipos de sanções impostas à Rússia não seriam tão eficazes. Mas esse cenário permanece improvável, por duas razões relacionadas.

Primeiro, há uma razão pela qual a China não fez mais para elevar o renminbi como moeda internacional. A mensagem dos estudiosos chineses tem sido clara há muito tempo: seu método preferido para melhorar o sistema atual é expandir o papel dos direitos especiais de saque, o ativo de reserva do Fundo Monetário Internacional.

Isso faz sentido quando se considera o que a internacionalização do renminbi implicaria. Como a China precisaria permitir muito mais liberdade no uso offshore de sua moeda, teria que abrir mão de sua capacidade de manter controles de capital. Até agora, ele não estava disposto a fazer isso. No entanto, sem a liberalização da conta de capital, nenhum outro país – nem mesmo um tão desesperado financeiramente quanto a Rússia – gostaria de manter suas reservas em renminbi.

Em segundo lugar, mesmo que uma grande potência como a China respondesse às circunstâncias mutáveis de hoje, buscando grandes reformas financeiras, ainda teria que oferecer garantias críveis em relação à segurança e liquidez das reservas mantidas fora das moedas ocidentais. Caso contrário, por que alguém correria o risco?

Mais uma vez, parece improvável que a China busque quaisquer reformas que exijam mudanças radicais em seu próprio modelo econômico e regulatório. Se a China mordesse a bala e abrisse seu sistema financeiro, mudanças estruturais na ordem monetária global quase certamente se seguiriam. Mas, mesmo nesse caso, as mudanças não aconteceriam a tempo de poupar a Rússia das consequências do comportamento pavoroso de seu presidente. (fonte)

Quando a normalidade é exposta como um esquema de Ponzi

A suposição subjacente é que a economia russa é fraca e as dos aliados ocidentais são mais fortes. Algumas métricas importantes mostram que isso está incorreto. A resiliência subjacente da economia russa e seu sistema financeiro não são geralmente compreendidas e, em vez disso, as sanções da UE podem acabar prejudicando todo o sistema do euro e o próprio euro.

Macleod analisa como os erros no campo de batalha podem trazer à tona a guerra financeira e econômica entre o Ocidente e a Rússia. O Ocidente cometeu o erro de provar à Rússia (e a todos os outros bancos centrais) os benefícios do ouro e a inutilidade final das reservas monetárias. Além de levar ao provável colapso do sistema do euro, essa guerra financeira pode acabar com um padrão ouro de fato para o rublo e encerrar todo o esquema Ponzi da moeda fiduciária. (fonte)

E tudo pode ficar ainda pior

A Terceira Guerra Mundial já começou, diz o investidor bilionário Bill Ackman. O CEO da Pershing Square Capital defende um boicote internacional ao petróleo russo e pede a intermediação da China para colocar fim ao conflito na Ucrânia.

No início de 2020, quando menos de 7.000 casos de covid-19 estavam confirmados nos Estados Unidos, o bilionário Bill Ackman pediu um bloqueio nacional de 30 dias e alertou que “o inferno está chegando”. Agora, o gestor de fundos norte-americano faz um novo alerta: a Terceira Guerra Mundial já começou. 

“Os ucranianos com as armas e os recursos certos provaram que têm o que é preciso para vencer a guerra, a menos e até que Putin se torne nuclear”, disse ele. (fonte)

Cotações dos papeís no mercado futuro de derivativos de prata em 08.03.2022

Os investidores nos mercados de derivativos de metais já se movimentaram para proteger seus ativos. Mas um agravamento desata situação, que pode precipitar o tão aguardado colapso do sistema financeiro tradicional, vai evaporar os papéis, sejam de moeda fiduciária, ou de ativos financeiros bancários. Infelizmente, quem já viveu grandes guerras e crises econômicas sabe que apenas o metal físico permanece.

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo. Prata física sempre foi, e sempre será, uma reserva de valor tangível em sua mão, imune à inflação e a choques econômicos ou sociais.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender prata física para reserva de valor, de forma legal.

Deixe seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s