Mais um capítulo da guerra contra o dinheiro em espécie

040117

Tem sido uma prática comum para muitas pessoas manter dinheiro guardado em caixas ou sob colchões em suas casas, mas agora, mesmo algo tão lógico e importante como manter um esconderijo de dinheiro para um dia chuvoso pode torná-lo um criminoso suspeito.

Ethel Hülst, uma sueca de 91 anos de idade, infelizmente chegou a experimentar a crueldade do banco central do seu país em primeira mão, que pode ter contribuído para a sua morte.

Ao longo dos anos, Ethel tinha acumulado um ninho modesto e honesto de cerca de 108.450 coroas suecas, que equivale a aproximadamente US $ 12.000 em dinheiro.

Para sua surpresa, quando ela pediu para trocar suas notas desatualizadas, ela teve negada a nova edição de notas. A justificativa do banco para negar à mulher o serviço era que ela não poderia apresentar os recibos adequados para provar que o dinheiro era legítimo.

Ela foi ainda pressionada com perguntas duras, como se ela já esteve envolvida na lavagem de dinheiro ou alguma vez teve envolvimento no crime organizado.

Ela foi essencialmente assumida como culpada até ser provada inocente.

Ethel não tinha como provar que o dinheiro era legítimo. Ela economizou um pouco ao longo de décadas. E, claro, há 50 anos, a idéia de fornecer um recibo de dinheiro teria sido visto como ridículo.

Ethel perdeu o caso pela primeira vez quando o banco decidiu contra ela. Então ela perdeu o apelo na justiça. A idéia de que um banco central poderia solicitar uma prova de dinheiro foi confirmada e o estresse supostamente ajudou a incentivar sua morte.

A Suécia é um dos muitos países no meio de uma grande guerra contra o dinheiro e as vítimas são aqueles que por uma variedade de razões querem economizar fora do opressivo sistema de poupança atual.

À Ethel Hülst foi dito que teria que provar a origem de suas economias. O banco estava no meio de um processo de troca de cédulas e ordinariamente poderia ter trocado suas notas novas pelas antigas. Mas não nos dias de hoje. Não mais.

Se você é uma pessoa honesta com dinheiro, você pode ter que provar de onde você conseguiu. Você pode ter que provar que seu dinheiro não era parte de um esquema maior de lavagem de dinheiro composto de ganhos obtidos ilegalmente.

Como Ethel tinha de provar que o montante era legalmente adquirido, infelizmente o ônus da prova era todo seu. Os bancos são inteiramente injustos. E estão certamente deixando claro que o dinheiro de um banco está se tornando cada vez menos confiável e que outras formas de dinheiro, como ouro e prata, são muito mais seguros.

Esses tipos de coisas acontecem o tempo todo. Um outro exemplo é o de Lyndon McLellan, dono de uma loja de conveniência, posto de gasolina e pequeno restaurante sob um teto na zona rural da Carolina do Norte, EUA, que conseguiu economizar US $ 107 mil em dinheiro antes que a Receita Federal os considerasse “receitas ilegais” e o roubou. Eles alegaram que era suspeito porque ele o depositou em incrementos de pouco menos de US $ 10.000 para evitar arquivamento de papelada.

A guerra ao dinheiro de papel está em pleno andamento. As pessoas na Índia e na Venezuela já acordaram para descobrir que a maior parte de seu dinheiro estava fora da lei. Estes são prováveis casos de testes que em breve acontecerão em outros países. Recentemente, a Grécia é mais um exemplo de país que acaba de avançar em seus ataques ao dinheiro.

Como dissemos anteriormente, comprar prata de forma legal, e guardar as notas fiscais como prova da compra, é essencial para preservar suas reservas fora deste sistema bancário maluco e sem lastro.

Proteja suas economias em prata física antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

 

Deixe seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s