A mãe de todos os colapsos está chegando em 2023

À medida que o sistema financeiro global começar a quebrar, o colapso será repentino…

Os sinais da próxima contração econômica já estão presentes e óbvios, mas o quadro econômico geral provavelmente não será reconhecido pela mídia de massa até que a situação se torne muito pior.

É um problema que surge no início de toda crise financeira histórica – os principais economistas e comentaristas de notícias a cabo deliberadamente enganam o público sobre a gravidade dos desafios e as chances de recuperação. Eles alimentam seu público com falsas garantias na esperança de embalar as pessoas de volta ao sono.

Mesmo agora, com a inflação atingindo a família média, eles nos dizem que não há nada com que se preocupar.

Considere a Grande Crise Financeira de 2008

Em 2007, pouco antes do épico colapso dos derivativos que derrubou o Lehman Brothers e o Bear Sterns, quando os especialistas da mídia aplaudiam o mercado imobiliário dos EUA e previam altas ainda maiores nas vendas e nas avaliações. Um “platô permanente”, que espalharia generosamente a riqueza por todo o país.

Parecia que eles estavam tentando enganar o público na esperança de que, se as pessoas acreditassem com força suficiente que tudo estava bem, a fantasia poderia se manifestar em realidade. A ciência até desenvolveu um termo para isso: o efeito Tinkerbell. Infelizmente, não é assim que a economia funciona.

Aqui estão alguns conselhos gratuitos que a maioria das pessoas aprende da maneira mais difícil: quanto mais seu futuro financeiro depender da esperança, em vez de princípios econômicos básicos, maior será a probabilidade de decepcioná-lo. As forças fundamentais que fazem os mercados, oferta e demanda, dívida e crédito, velocidade do dinheiro e inflação – não podem ser ignoradas.

Se o sistema estiver desequilibrado, ele vai desmoronar e não há nada que alguém, incluindo os bancos centrais, possa fazer a respeito. (Na verdade, há momentos em que eles projetam deliberadamente o colapso – embora não o chamem assim).

Veja como a economia de hoje está desequilibrada

Esta é a situação em que estamos hoje, quando 2022 chega ao fim. Os Bancos Centrais ao redor do mundo estão no meio de um cronograma de aumento de juros bastante agressivo, tentando subjugar a crise inflacionária de hoje. A parte absurda de tudo isso? A inflação de hoje foi criada deliberadamente por eles, por meio de anos de medidas de estímulo fiduciárias.

É como o enredo de Frankenstein de Mary Shelley. O brilhante cientista cria uma obra-prima – um super-humano vivo e respirante! Mas a criatura não segue as ordens de seu mestre, então ele passa o resto do livro tentando matá-la. Até agora, as taxas de juros mais altas não estão reduzindo significativamente os preços, nem estão diminuindo a especulação maníaca no mercado de ações. O dinheiro fácil está entrincheirado há muito tempo, o que significa que um “pouso forçado” (que é como as autoridades chamam de colapso) é o cenário mais provável.

No início dos anos 2000, os BCs estavam envolvidos em taxas de juros artificialmente baixas que inflaram a bolha imobiliária e de derivativos. Em 2004, eles mudaram para um processo de aperto. As taxas em 2004 nos EUA estavam em 1% e em 2006 subiram para mais de 5%. Foi quando as rachaduras começaram a aparecer nos mercados de crédito, com 4,5% a 5,5% sendo o ponto de corte mágico antes que a dívida se tornasse muito cara para os mercados manterem a farsa. Em 2007-08, a nação norte-americana testemunhou uma implosão exponencial de crédito e dívida – que então entrou em colapso total, desencadeando a maior bonança de impressão de dinheiro na história dos EUA para salvar o sistema bancário global. Pelo menos por enquanto.

Agora, lembre-se, apesar de seu papel essencial na economia do país, o Fed só pode realmente fazer duas coisas: expandir ou contrair a oferta de dinheiro (imprimir ou destruir dólares), tornar a dívida mais barata ou mais cara (diminuir ou aumentar as taxas de juros). É isso. Esses são os limites da política monetária.

O outro componente importante da saúde econômica, a política fiscal (como uma nação escolhe investir ou gastar seu dinheiro), bem, isso não é um problema dos BCs. E particularmente aqui no Brasil, vale lembrar que as perspectivas não são nada boas…

Como nada foi realmente corrigido após a Grande Crise Financeira de 2007-08, continuarei a usar a taxa de fundos de 5% como um marcador para quando podemos esperar ver a próxima grande contração. Mas desta vez é diferente.

Os BCs não tem a opção de inundar a economia com mais dinheiro recém-impresso, não sem desencadear imediatamente uma espiral estagflacionária. Quando isso acontecer, apenas aqueles que tiveram a clarividência de investir em metais preciosos físicos, especialmente ouro e prata, poderão evitar a dor de ver seu poder de compra ser destruído em questão de meses.

Os principais comentaristas financeiros querem acreditar que o Fed em particular vai capitular porque querem desesperadamente que a festa nos mercados de ações continue, mas a festa acabou. Claro, haverá momentos em que os mercados se recuperarão com base em nada mais do que uma ou duas palavras de um funcionário do Fed plantando falsas esperanças, mas isso se tornará raro. No final das contas, o Fed tirou a tigela de ponche e não vai voltar. Eles têm a desculpa perfeita para matar a economia e os mercados na forma de um desastre estagflacionário que ELES CAUSARAM. Por que eles inverteriam o curso agora?

A economia dos EUA deve ser esmagada

O FED tem uma agenda global que exige o declínio da economia americana. Eles estão conseguindo exatamente o que querem e estão perfeitamente conscientes do que estão fazendo. Espera-se que o Fed diminua os aumentos das taxas para 50 pontos-base em dezembro, mas isso não está garantido com o mercado de trabalho ainda aquecido com US $ 8 trilhões em estímulos da Covid nos últimos dois anos (principalmente empregos de varejo e serviços com salários mais baixos). Na reunião de fevereiro de 2023, o Fed estará em taxas de juros de 5% ou muito próximas, o que, acredito, ajudará a desencadear uma queda considerável nos mercados e subsequentes demissões em massa.

Há outros fatores a considerar, no entanto. Uma questão menos conhecida é o novo imposto especial de consumo de 1% sobre recompras de ações plantado na Lei de Redução da Inflação de Biden. A medida, que entra em vigor em janeiro do ano que vem, não reduzirá os preços da maioria dos produtos. Dito isso, as recompras de ações ainda são a principal forma de as grandes corporações manterem os preços de suas ações altos. Na última década, as recompras foram financiadas por dinheiro emprestado de bancos ou diretamente do Fed a juros próximos de zero. Ajustados pela inflação, esses empréstimos eram essencialmente dinheiro de graça.

Agora, a festa do dinheiro fácil está prestes a terminar. O imposto especial de consumo de 1% adicionado a uma taxa de fundos do Fed de 5% cria uma pedra de moinho de 6% em qualquer dinheiro emprestado para financiar novas recompras de ações. Dinheiro grátis é coisa do passado. Posteriormente, as recompras irão essencialmente parar. Isso remove uma importante fonte de novos fundos dos mercados de ações, que também farão uma pausa, antes de começar uma queda de parar o coração.

Agora, provavelmente levará dois ou três meses até que o imposto e os aumentos das taxas criem um efeito visível nos mercados. Isso colocaria nosso cronograma de contração em torno de março ou abril de 2023.

A inflação não vai a lugar nenhum tão cedo, no entanto. O problema subjacente dos preços da energia precisa ser considerado, pois eles contribuem para aumentar ainda mais o estresse na cadeia de suprimentos. Pense nisso por um momento: a atual redução nos preços do petróleo e da energia é artificial e impulsionada pelo governo, não pela oferta e pela demanda. Os preços do petróleo nos EUA estão sendo mantidos baixos pelos constantes despejos de oferta do presidente Biden das reservas estratégicas. Eventualmente, não haverá mais petróleo para cair nos mercados e a nação terá que reabastecer essas reservas estratégicas a um custo muito mais alto.

Além disso, os preços do petróleo e da energia estão sendo mantidos baixos por causa da bizarra política Zero Covid da China, que está desacelerando sua economia e reduzindo o uso de petróleo ao mínimo. Com a escalada dos tumultos públicos, o PCCh provavelmente tentará aliviar as condições financeiras como um meio de reprimir a dissidência. Uma reabertura em fevereiro ou março está a caminho, com vários controles ainda em vigor, é claro. Assim que a China reabrir, os preços do petróleo dispararão novamente no mercado global.

Depois, há a guerra na Ucrânia e as sanções em curso contra a Rússia. A Europa está prestes a enfrentar o pior inverno em décadas, com o fornecimento de gás natural severamente limitado e o custo da energia para fabricação insustentável. Centenas de fábricas na Alemanha e no norte da Europa já estão ociosas. Sua única esperança é um inverno ameno. Se a tendência atual continuar, a fabricação na Europa continuará a despencar, causando mais caos na cadeia de suprimentos global. (Não se esqueça – a Alemanha é a quarta maior nação exportadora do mundo, um fato que muitas vezes é esquecido por muitos economistas. A Alemanha é um fornecedor crucial de máquinas de geração de energia nuclear, veículos, eletrônicos, produtos farmacêuticos, equipamentos médicos – a lista é longa…)

Os altos preços da energia e as interrupções na cadeia de suprimentos significarão preços altos constantes ou preços crescentes de bens e serviços até 2023, mesmo com uma contração nos mercados de trabalho e de ações.

Aqui está o que fazer

Sugiro fortemente que os leitores se certifiquem de que estão preparados para enfrentar uma calamidade econômica. Isso significa possuir ouro e prata à prova de inflação, um estoque de provisões e medicamentos necessários, um suprimento de outras necessidades (combustível, por exemplo) e organizar redes de apoio mútuo dentro de suas comunidades locais antes de abril próximo.

Isso soa drástico? Na minha opinião, o custo de preparação para tal desastre é mínimo. Você sempre pode vender ouro e prata, sempre pode comer essas provisões, usar a medicação e o combustível. O tempo investido na organização de sua comunidade renderá enormes dividendos – você nunca sabe quando precisará de um vizinho útil para ajudar em um projeto.

O custo de não se preparar para tal evento? O custo de não estabelecer uma base sólida de autossuficiência e apoio mútuo não é medido em dólares. É medido em sonhos desfeitos e vidas arruinadas. (fonte)

Na PrataPura.com, fazemos o que fazemos porque acreditamos que riqueza de verdade é aquela que você tem em sua mão, fisicamente, e que não tem risco de evaporar por um clique num computador, ou pela falta de empatia dos governantes e donos do mundo.

Queremos ajudar nossos clientes a protegerem sua riqueza, seu dinheiro duramente conquistado, neste mundo constantemente ameaçado pelo caos, e terem controle total sobre seu patrimônio.

Nosso propósito é facilitar a formação de reservas de riqueza seguras pelos nossos clientes em face das incertezas globais e a irresponsabilidade dos emissores de dinheiro de papel, intermediando a troca de metal precioso físico por valores fiduciários a medida das suas necessidades. Somos a empresa pioneira no Brasil em vender, além de prata física, também barras certificadas de platina para reserva de valor, de forma legal.

Entre no seleto grupo de pessoas que pensam no futuro, a frente do seu tempo, e protegem sua riqueza de forma que ela dure para sempre!

Visite nossa loja online: www.loja-pratapura.com

Deixe seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s