A exposição dos bancos dos EUA à derivativos de metais preciosos dispara em 2017

De acordo com o relatório mais recente sobre a atividade de negociação de derivativos das Instituições Financeiras dos EUA, os bancos daquele país detiveram um valor recorde de contratos de metais preciosos no primeiro trimestre de 2017. Não só os bancos dos EUA relataram um valor recorde de contratos de metais preciosos, mas eles também mantiveram uma quantidade sem precedentes em valor nocional de contratos de derivativos de commodities e equity.

Parece haver muito papel flutuando nos mercados de ações, títulos e Forex já altamente inflados. E … deve ser necessário. Sem uma quantidade cada vez maior de alavancagem através de suas apostas derivadas e hedging, esses mercados estariam em sérios problemas. Além disso, a prática de usar contratos de hedge de apostas sobre outras apostas derivadas já colocou o mercado financeiro em um estado altamente frágil antes…

O Escritório da Controladora da Moeda (OCC) divulgou seu Relatório Trimestral do Primeiro Trimestre de 2017 sobre Atividades de Negociação e Derivativos dos Bancos. Nesse relatório, eles publicaram o seguinte quadro sobre o valor nocional dos bancos dos EUA em contratos de metais preciosos:

 

Como podemos ver no gráfico, a tendência geral continuou a aumentar desde 2000. O que é interessante é que o valor nocional dos contratos de metais preciosos detidos pelos bancos dos EUA foi ainda maior no primeiro trimestre de 2017 versus o quarto trimestre de 2012, quando os preços dos metais preciosos eram muito maiores.

Ao analisar dados anteriores, alguns trimestres apresentaram uma maior quantidade de contratos de metais preciosos, o que se deveu a que os bancos adicionaram contratos curtos à medida que o preço dos metais preciosos aumentou. No entanto, o primeiro trimestre de 2017 com US $ 43,6 bilhões foi um crescimento considerável em relação aos US $ 28,3 bilhões no primeiro trimestre de 2016.

Por exemplo, no terceiro trimestre de 2016, os bancos dos EUA também detinham US $ 43,6 bilhões em contratos de metais preciosos. Mais uma vez, isso se deveu a uma série de contratos curtos detidos pelos bancos norte-americanos quando o preço do ouro subiu para um máximo de US $ 1.366 a onça troy no terceiro trimestre de 2016. Como o preço do ouro caiu nos meses seguintes, os contratos de metais preciosos diminuíram no quarto trimestre de 2016.

Mas o que é interessante é o aumento significativo na exposição de metais preciosos pelos bancos dos EUA no primeiro trimestre de 2017, mostrado no gráfico acima, quando o número de contratos curtos de ouro que os grandes bancos dos EUA mantiveram diminuiu significativamente:

 

Agora, isso apenas mostra os contratos de ouro dos bancos dos EUA. Estes contratos não incluem outros metais preciosos, como prata, platina e paládio. No entanto, o ouro é, de longe, o maior mercado. Se incluímos os contratos FX (contratos de câmbio a prazo), o montante total nocional é enorme:

 

Os contratos FX são hedge para os movimentos de diferentes preços fixos das moedas fiduciárias. Não conhecemos a divisão percentual dos contratos de Ouro ou FX. No entanto, é possível imaginar que a maioria está nos Contratos FX, que estão protegendo as diferentes moedas fiat.

Agora, o que também é bastante fascinante com o aumento maciço dos valores nocionais dos contratos de FX & Ouro, é que o PIB global não cresceu tanto desde 2013. De acordo com o Banco Mundial, aqui estão os números do PIB global nos últimos quatro anos:

Se dividirmos o valor nocional de Contratos FX & Ouro pelo PIB global, podemos ver uma tendência muito interessante:

Enquanto a quantidade nocional de contratos FX & Ouro atingiu uma alta recorde, veja o próximo gráfico:

 

Esses dois gráficos exibem o valor dos contratos “Commodity” e “Equity” em valores nocionais em dólar detidos pelos bancos dos EUA. Embora tenha havido uma crise temporária em 2005 (principalmente contratos com prazo mais longo – em AZUL), houve um aumento pronunciado em 2015, 2016 e 2017 em ambas as classes de ativos derivativos.

De acordo com os dados do OCC, os bancos dos EUA detinham US $ 1 trilhão em contratos de commodities e US $ 3 trilhões em contratos de equivalência patrimonial (equity) no primeiro trimestre de 2017. Embora esses valores sejam muito inferiores aos contratos de FX & Ouro, eles ainda aumentaram substancialmente nos últimos três anos.

Novamente…. os bancos dos Estados Unidos estão segurando um valor recorde de contratos de derivativos em papel nessas diferentes classes de ativos. Sim, tem algum sentido que o valor total do patrimônio nocional dos bancos dos EUA está aumentando junto com o aumento do mercado de ações altamente inflacionado, mas considerando a exposição à commodities quando os preços da maioria delas são muito inferiores ao que eram antes de 2014, é intrigante.

 

À medida que o índice de commodities (acima) caiu do nível de mais de 300 em 2014 para 176 atualmente, o montante dos bancos dos EUA, e sua exposição ao mercado de commodities mais que dobrou para US $ 1 trilhão. Infelizmente, não sabemos todos os detalhes sobre o motivo pelo qual os bancos dos EUA aumentaram tanto sua exposição a essas diferentes classes de ativos. No entanto, ver uma quantidade recorde de troca de papel em um mercado que já é altamente alavancado certamente indica grandes problemas à frente.

Proteja suas economias em prata física, antes que o dinheiro sólido fique caro demais!

 

Fonte.

Agora é o primeiro-ministro japonês ABE que prevê que a catástrofe econômica global é iminente

Catástrofe econômica mundial é iminente, diz o primeiro ministro Shinzo Abe.

Abe-Obama

Uma catástrofe econômica está prestes a se desencadear, pelo menos é o que apontam os indicadores financeiros.

Investidores importantes tradicionais, profissionais e privados, têm alertado sobre uma catástrofe financeira global iminente. Agora, adicione o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe a essa lista dos que acreditam em um colapso de ordem global.

George Soros, Stanley Druckenmiller, e Carl Icahn, entre outros, todos fizeram algumas declarações fortes. Eles também têm reconfigurado suas carteiras e, tomado posições em ouro e prata, ajudaram a espremer o mercado.

O último a aderir a esta lista de pessimistas foi primeiro-ministro japonês Shinzo Abe. Na última reunião do G7 ele alertou sobre a próxima crise global.

Em coletiva à imprensa, na cúpula do G7, no primeiro dia de reuniões, Abe falou aos jornalistas que “Chegamos a um entendimento comum de que a economia mundial está enfrentando sérios riscos”.

Shinzo Abe estava tentando obter apoio para um estímulo fiscal global, de acordo com relatórios. Ele disse aos membros do G7 que os tempos atuais lembram a “era pós-Lehman” em 2008. O Lehman faliu em setembro daquele ano e até o final de 2009, os mercados de ações perderam metade de seu valor.

Ele até mesmo exibiu uma série de gráficos que suportam a sua posição de que estamos à beira de um colapso econômico massivo.

Ele mostrou como as commodities afundaram 55%, exatamente a mesma proporção que caiu durante a última crise, em 2008.

commodities price

O primeiro ministro também mostrou como os indicadores de crescimento dos mercados emergentes desaceleraram para perto de níveis de 2008, também.

market

Abe queria que os outros países do G7 emitissem um aviso público sobre o que ele acredita que vai acontecer ao seu país e ao mundo a partir deste ponto.

Em vez disso, os comentários de Abe receberam um apagão na mídia mundial. Alguns meios de comunicação mencionaram, mas não como notícia de primeira página. Nós mesmos sequer ouvimos sobre isso até há pouco.

Você pensou que isso seria uma grande notícia. O primeiro-ministro de uma das maiores economias do mundo não só fez uma apresentação dizendo que estão à beira de uma catástrofe econômica, não só no Japão, mas em todo o mundo e isso varrido para debaixo do tapete.

A grande mídia explicou que Abe realmente tinha que dar o alarme, porque ele queria adiar um aumento de impostos significativa no Japão. Porém, recentemente, o bilionário investidor Bill Gross concordou com Abe, certamente quando se trata do Japão. Ele disse em uma entrevista que o Japão não é realmente mais solvente.

Imagine se Barack Obama fizer um apelo no G7 para que todos devam se preparar para um Armageddon econômico e até mesmo trouxer fatos e dados para apoiar sua posição … ele iria mandar mercados acionários mundiais para o fundo do poço. Em vez disso, Barack apregoa que alguém dizendo que a economia dos EUA está indo mal é apenas “fofoca”.

A última coisa que os líderes do G7 querem é alarmar excessivamente as pessoas e, portanto, para se prepararem para uma catástrofe econômica mundial.

A ideia não é se preparar para uma catástrofe econômica de proporções globais…

Pode até ser que o papel de Abe estava de alguma forma pré-planejado para alertar os líderes e, assim, gerar manchetes que mostram discussões ao mais alto nível.

O FMI e o Banco Mundial também advertiram sobre uma crise econômica iminente … mesmo Alan Greenspan. Pós-colapso, eles sempre podem apontar para avisos como os de Abe para dizer que eles entenderam o que poderia acontecer, mas que nenhuma dessas advertências foi tomada como significativa.

Por esta razão, a maioria das pessoas vai ser pega de surpresa pelo colapso exatamente como o correu na crise em 2008.

Mas algumas pessoas não, no entanto…

 

Fonte

 

 

O homem que previu o sequestro dos depósitos do povo grego diz que outro colapso é iminente!

Arrow graph going down

James Turk:   “Tudo o que precisamos fazer é olhar ao redor, para concluir que um colapso financeiro como a que vimos em 2008 está se aproximando rapidamente. Está escrito em toda a parede, e está lá para qualquer pessoa disposta a abrir os olhos ….

A queda livre recente dos preços das ações chinesas e em todo o mundo é uma bandeira vermelha, para não mencionar que os preços dos imóveis estão pendurados por um fio e prontos para seguir em queda, com os investidores procurando liquidez e segurança.

Então é claro que é a Grécia, e, mais geralmente, os problemas das economias fracas e as cargas pesadas de dívida na zona do euro, assim como em outros estados de bem-estar altamente endividados fora da Europa.

Nós podemos tirar duas conclusões a partir do que vemos: em primeiro lugar, a intervenção do governo nos mercados é um processo destrutivo que no final faz uma confusão de coisas. Este processo termina, inevitavelmente, em um desastre, porque as decisões são tomadas como são percebidas como politicamente convenientes em vez de serem fundamentadas como deveriam em finanças e economia.

Tome a Grécia como um exemplo óbvio, acho que por volta de maio de 2010, quando a incapacidade da Grécia para pagar suas dívidas tinha atingido uma fase crítica pela primeira vez. O presidente do Banco Central Europeu na época era Jean-Claude Trichet, que foi incansável em afirmar que o BCE como instituição era independente dos políticos e não seria o veículo para socorrer a Grécia.

Ele não fez essas declarações depois que políticos europeus, liderados pela chanceler Angela Merkel, decidiram em uma reunião de fim de semana, em seguida, que a Grécia deveria ser socorrida e o BCE iria fazê-lo. Como conseqüência, o BCE tem agora um problema de 115.000.000.000 de €, que é o montante da dívida grega em seus livros.

Por que os políticos não apenas deixaram a Grécia ir há cinco anos quando os problemas do país eram menores e, portanto, mais facilmente gerenciáveis? Porque os políticos não são orientados para os negócios. Eles não podiam perder a face, deixando seu amado ‘projeto europeu‘ arrebentar pelas costuras, o que pode acontecer a qualquer momento agora de qualquer maneira, uma vez que o BCE é fundamentalmente insolvente porque o papel inútil grego que detém é superior ao seu patrimônio líquido.

Os políticos não entendem a responsabilidade financeira nem as conseqüências de suas ações quando eles interveem. Lembre-se, a história tem mostrado que os governos destroem mercados muito antes que possam entender como o processo do mercado e do capitalismo funcionam. E na Europa, vemos esse desfecho em andamento.

O segundo ponto é que o sistema bancário como é praticado hoje é fundamentalmente falho. Aqui eu estou me referindo às duas funções dos bancos – empréstimos e processamento de pagamentos. A maioria da atividade econômica hoje é feita com moeda de depósito. Em outras palavras, o dinheiro em depósito nos bancos circula como moeda no comércio do ordenante para o beneficiário com transferências bancárias, cartões de plástico, pagamentos eletrônicos e com o antiquado, mas ainda amplamente utilizado talão de cheques. Se um banco falir porque ele tem feito empréstimos ruins, tudo isso é perdido.

Mesmo que um banco não falir, mas simplesmente parar de funcionar, como estamos vimos na Grécia, a economia sofre uma parada, que é a difícil situação da Grécia, enquanto seus bancos estão fechados. As ramificações são profundas quando a maioria do comércio para. As empresas que não estão preparadas entram em colapso junto com a economia, e se eles têm empréstimos em aberto, seu colapso piora as perspectivas para os bancos. Além disso, a receita fiscal do governo sofre uma parada, tornando ainda mais difícil lidar com a carga da dívida do país.

A resposta para isso, a forma imprudente em que o sistema bancário é praticado, é a de separar os bancos de crédito – aqueles que fazem empréstimos – dos bancos de comércio – aqueles que são responsáveis por pagamentos. A melhor maneira de fazer pagamentos é usar ouro, porque quando se utiliza um ativo tangível como moeda, você elimina o risco da contraparte. Eliminar o risco da contraparte é agora a melhor coisa que poderia acontecer para a economia global.

Há um último ponto para falar sobre a Grécia. Quando os bancos foram fechados na Grécia, as pessoas já não tinham acesso ao seu ouro e prata armazenados em cofres. Por esta razão, eu sempre recomendo não armazenar qualquer coisa em qualquer banco ou qualquer cofre de banco. Não corra riscos com o seu ouro físico e prata, que é o ativo base na carteira de todos. ”

 

Proteja suas economias em prata física antes que ela fique cara demais!

 

 

Fonte.

Depois do fim do Brasil, Empiricus prevê dez anos de recessão

falling-off-the-chart1   A avaliação é do economista Felipe Miranda, sócio da Empiricus, a casa de análises independente que causou urticárias nos militantes mais aguerridos do PT, durante a campanha eleitoral de 2014. Em junho daquele ano, Miranda lançou a primeira versão da análise “O Fim do Brasil”, em que previa que o modelo desenvolvimentista adotado após 2008 levaria o País à crise. Processado pelo partido da presidente – e então candidata à reeleição – Dilma Rousseff, Miranda foi inocentado pela Justiça e viu a crise chegar a números piores que as suas previsões. Agora, ele afirma que estamos diante de uma década de carestia.

Miranda afirma que a maior bolha de ativos financeiros da história global está prestes a estourar. Ela foi criada pela ação dos bancos centrais de todo o mundo, após a crise de 2008. No afã de estimular as economias locais, as autoridades monetárias injetaram maciças doses de dinheiro no sistema, a taxas de juros muito baixas – ou até mesmo, zeradas. Segundo Miranda, cerca de US$ 12 trilhões entraram em circulação desde aquele ano, para evitar que a crise financeira se aprofundasse.

“Os preços inflados estão na raiz do problema”, diz o economista. Por trás da sofisticação dos jargões e das contas, o raciocínio é simples. Se há muito dinheiro em circulação, o crédito fica mais acessível e mais barato. As pessoas começam a se endividar para consumir. A demanda eleva os preços – de carros a imóveis, passando por qualquer coisa. No mercado financeiro e de capitais, ocorre o mesmo. Bancos e investidores continuam tendo acesso a crédito farto e barato. O dinheiro é usado para comprar ações, títulos de dívida de países e empresas, imóveis.

Bolhas

bubble
A bolha se forma, quando o valor desses bens e investimentos se descola da realidade. Como medir isso? Um exemplo é comparar o preço das ações com o quanto as empresas lucram. Segundo Miranda, o S&P 500, um dos principais indicadores da Bolsa de Nova York, mostra a maior distância entre o valor das ações que compõem o índice e o retorno que as empresas geram, desde 2008.

Outro exemplo é a capacidade de pagamento dos bancos centrais. Somente o Federal Reserve, dos Estados Unidos, tem obrigações de US$ 4,3 trilhões em títulos de dívida circulando pelo mercado. O problema é que seus ativos (a soma dos bens que possui) totalizam apenas US$ 56 bilhões. Antes da crise de 2008, o nível de alavancagem do Fed era de 22 para 1. Agora, está em 77 para 1. Isso significa que, para cada 1 dólar de capital próprio, o banco central americano possui 77 dólares em dívidas contraídas. De prático, se apenas parte dos investidores desconfiarem que o Fed não terá condições de pagar seus compromissos e decidirem antecipar a cobrança para se garantir, o banco quebra.

A China também é destaque, entre as preocupações de Miranda. A economia chinesa vem desacelerando e muitos apontam que o país vive uma “fraude do crescimento”. O motivo seria o impulso artificial da construção civil. Antes da crise, em 2008, a construção respondia por 17% do PIB dos Estados Unidos. Na China atual, o porcentual é de 50%. Além disso, às vésperas do estouro da crise das hipotecas americanas, um cidadão demorava, em média, 4,3 anos para quitar sua casa. Para os chineses, esse tempo é de 18 anos. Traduzindo: a construção tem mais peso, com dívidas mais longas, no Oriente.

Nas sombras

Além de tudo, grande parte do dinheiro que gira a economia chinesa passa pelo que os especialistas chamam de “shadow banks”, ou bancos obscuros. Trata-se de instituições fora do sistema financeiro regulamentado, uma espécie de agiotas mais sofisticados. Estima-se que, em 2012, 69% do PIB do país fosse movimentado por esses mecanismos paralelos. Isso torna difícil, por exemplo, mensurar o real impacto de uma desaceleração na economia local.

E o que tudo isso tem a ver com uma possível nova década perdida para o Brasil? Miranda afirma que o estouro da bolha de ativos gerada pelos bancos centrais vai gerar uma “crise sem precedentes em esfera global”, com o “colapso generalizadodo sistema financeiro. O estouro seria traduzido pela reavaliação do preço desses investimentos. Ou seja: se o mercado entender que os governos não têm condições de honrar os títulos que venderam, o preço desses papéis vai despencar, arrastando todos os outros.

Os efeitos globais dessa desconfiança serão a queda de cerca de 50% no valor das ações em todo o mundo; a insolvência de bancos; o desmantelamento da Zona do Euro; o estouro das bolhas de crédito e imobiliária na China; uma crise de capacidade de pagamento de dívidas de diversos países; a pulverização das moedas de nações emergentes e o fim do fluxo de capitais para essas regiões.

Brasil

Haveria vários canais de contaminação do Brasil. O primeiro é que a China é, atualmente, nossa maior parceira comercial, respondendo por 20% das exportações. O segundo é que dependemos de capital externo para financiar projetos importantes no País, como obras de infraestrutura e o pré-sal. Por isso, Miranda afirma que os dez anos de recessão serão antecedidos por alguns sinais: a) forte desvalorização do dólar, que pode bater em R$ 4; b) perda do grau de investimento do Brasil; c) aumento dos juros pagos pelo Brasil para captar dinheiro; d) forte queda no valor das ações; e) aumento do desemprego; f) queda dos salários e deterioração dos indicadores de distribuição de renda. “Os avanços sociais conquistados desde os anos 90 estarão em risco”, afirma.

Os prognósticos não são agradáveis e já despertam críticas de militantes políticos em redes sociais. O ponto, porém, é que, até aqui, Miranda acertou suas projeções, apesar do terremoto que causou com “O Fim do Brasil”. Em junho do ano passado, quando o publicou, o economista previa uma alta do dólar para R$ 2,60, a queda do superávit primário para cerca de 1% do PIB e um crescimento da economia da ordem de 1,3% para 2014. A realidade, porém, mostrou-se bem mais sombria: a moeda americana fechou cotada a R$ 3,246 nesta segunda-feira 16 e já está na faixa dos R$ 3,30. As contas do governo fecharam com um rombo (déficit primário) de 0,63%, o primeiro em mais de dez anos; e já há quem projete uma queda do PIB do ano passado, a ser divulgado no fim de março.

Em entrevista à DINHEIRO, em janeiro, Miranda afirmou que a deterioração do cenário “foi pior do que imaginava”. Antigamente, dizia-se que um resfriado na economia global gerava uma pneumonia no Brasil. Com a economia enfraquecida, o risco de cair de cama novamente está cada vez maior. Diante da nova previsão de uma década perdida, a maior preocupação é de que, novamente, a realidade seja pior do que as estimativas.

 

Proteja suas economias em dinheiro sólido antes que o sistema financeiro faça o dinheiro de papel evaporar!

 

Fonte.

Richard Russell avisa: a crise mundial vai piorar, venda todas as suas ações, e compre ouro e prata!

King-World-News-Warns-Richard-Russell-World-Now-Headed-Into-A-Frightening-Death-Spiral-1728x800_c   Enquanto o mundo continua a digerir as últimas notícias da Grécia, hoje o padrinho de escritores de boletins, Richard Russell de 90 anos , advertiu que a crise global vai piorar ainda mais, e que os investidores precisam despejar todas as ações ordinárias e comprar ouro e prata. Russell também explicou por que tempos mais duros ainda estão por vir no mundo.

“Eu esperava uma reviravolta ocorrer, com base nos trilhões de moeda fiduciária que foram recentemente criados. Eu esperava também a carga de dívida do mundo diminuir. No entanto, agora estou vendo que em vez de dívida mundial cair, a carga da dívida realmente tem acelerado. O balanço do mundo agora está pior do que nunca.

Tenho medo de que as forças dominantes de deflação irão assumir. Se entrar em uma espiral de deflação, que certamente irá trazer tempos difíceis – talvez mais difícil do que as gerações desde a Segunda Guerra Mundial tenham visto. Nesta base, eu aconselho meus leitores a comprar e manter prata e ouro físico e ficar fora de todas as ações ordinárias.

O BCE está agora seguindo o FED e entrou em processo de flexibilização quantitativa. O economista John Williams do Shadow Statistics acredita que em breve entraremos em um período de hiperinflação e depressão. Qualquer que seja o nosso destino, acredito que vamos ver pistas disso antes de 2015 terminar. Eu acredito que a área de maior segurança repousa na pura riqueza de prata e ouro físico.

Eu nunca pensei que eu iria atingir a idade de 90 anos. Agora, com 90, eu nunca pensei que eu estaria preocupado com o futuro…”

 

Proteja suas economias em prata física antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.