A ESCASSEZ DE OURO E PRATA VAI FICAR PIOR: a dívida maciça e a impressão de dinheiro estão apenas começando

Com o Federal Reserve nos EUA anunciando que começará a comprar Junk Bonds e Junk ETFs, juntamente com suas compras mensais de ativos de títulos do tesouro e títulos hipotecários dos EUA, e também o Tesouro a imprimir bilhões de dinheiro fiat no Brasil e vários países mundo afora, a demanda por ouro e prata só aumentará. Portanto, prepare-se para a escassez de produtos de metais preciosos disponíveis, pois o tempo de espera provavelmente aumentará de semanas para meses.

Por exemplo, a dívida pública do governo dos EUA aumentou em US$ 219 bilhões só nos primeiros três dias de abril. Como isso se compara ao valor do suprimento global de mina de ouro e prata por um mês?

18042020a

E isso é apenas o começo. Como mencionei no início, o Federal Reserve agora começará a comprar Junk Bonds e Junk ETFs para sustentar o mercado. É assim que a situação está ficando ruim.

E as minas que produzem prata continuam paradas… O México produz cerca de 28 milhões de onças de prata por mês. Além disso, o Peru não anunciou a reabertura de minas que foram encerradas em 15 de março. No site da Pan American Silver eles não forneceram uma atualização em suas quatro minas no Peru que foram fechadas em meados de março.

Na verdade, o Peru anunciou sua quarentena nacional em 15 de março, com as minas do país fechadas por mais de um mês, enquanto o estado de emergência está previsto para terminar em 26 de abril. Mas terminará aí?

Incluindo o estado de emergência do México emitido em 2 de abril até o final do mês, a produção total estimada de prata perdida nesses dois países pode ser de 28 milhões de onças (Moz). Isso representa 40% do suprimento global de minas. Mas, e se minas adicionais tiverem sido fechadas em outros países produtores, como a Austrália?

18042020b

Quebra estimada na produção de prata no Peru e México

Poderemos ver entre 100-150 Moz do suprimento global de minas de prata perdidos este ano. No entanto, se considerarmos os 28 Moz estimados de produção de prata perdidos no México e no Peru, isso equivaleria a 28.000 das barras de prata de 1.000 oz no atacado.

Com o aumento contínuo da demanda por barras de prata, empurrando a disponibilidade de produtos para meses, também foi afetado o mercado de barras de prata de 1.000 oz no atacado. Como a redução de 28.000 barras de prata de 1.000 oz no atacado afetará o mercado de varejo nos próximos meses? Boa pergunta.

Por fim, se o preço do petróleo continuar baixo, é possível que o preço dos papéis de prata caiam ainda mais. Um novo declínio no preço futuro da prata só exacerbará o mercado físico já apertado. Portanto, não espere encontrar muita prata a preços mais baixos no futuro.

Além disso, a oferta global de minas de prata está em contração, enquanto a demanda por barras de prata físicas disparou. Embora os produtos de prata para o varejo estejam com prazo de entrega de 4 semanas ou mais, é muito difícil obter as barras no atacado ou no varejo. Assim que elas chegam, logo são vendidas. Em 2008, quando ocorriam as mesmas carências de prata no varejo, os distribuidores ainda podiam adquirir barras de 1.000 oz e transformá-las em produtos menores. Hoje não mais…

Acredito que os investidores ainda não percebem o quão ruim a Economia Global e o Sistema Financeiro se deterioraram. Nas próximas 2 a 4 semanas, observe o aumento do número de fogos de artifício no mercado, forçando um número mais significativo de investidores a migrar para metais preciosos físicos. Infelizmente, isso apenas tornará a escassez e a disponibilidade mais extremas…

Proteja suas economias em prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte 1, Fonte 2

O próximo movimento exponencial dos preços da prata

Como o sistema financeiro global altamente alavancado por dívida está sob forte estresse, os investidores finalmente perceberão que o mercado de prata é muito pequeno e extremamente subvalorizado. É nesse momento que provavelmente veremos o movimento exponencial dos preços da prata. E não é uma questão de “SE”, mas um caso de “QUANDO”.

Enquanto a maioria dos analistas de metais preciosos se concentra nos riscos sistêmicos do sistema financeiro para comprar prata, o verdadeiro problema tem a ver com as ENORMES QUESTÕES que estamos enfrentando agora, como ENERGIA. Aqui estão duas razões pelas quais veremos um GRANDE MOVIMENTO no preço da prata.

Na maior economia do mundo, a enorme dívida total dos EUA em relação ao PIB de 346% é insustentável devido ao colapso da indústria de petróleo de xisto do país. Sem crescimento da produção de petróleo, não há crescimento do PIB. E, quando não há crescimento do PIB, todo o sistema financeiro baseado em dívida altamente alavancado começa a se desintegrar.

 

Quando os americanos se defrontarem com a tarefa de “Proteger a Riqueza”, descobrirão que “PAPEL” ou “DÍGITOS” não os farão comprar um pão. Por quê? O papel-moeda e os dígitos são baseados na produção futura de energia. Portanto, eles são DERIVATIVOS DE ENERGIA. No entanto, a prata é dinheiro ou riqueza porque é uma reserva de valor equivalente ao custo da energia no momento.

Além disso, veja o investimento em prata física dos EUA de 2010 a 2018 (fonte: Metals Focus Silver Investment Report for the Silver Institute – Outubro de 2019):

 

De forma não muito racional, a maioria das pessoas comprou mais prata enquanto as cotações estavam mais altas, e diminuiu as compras quando as cotações estavam mais favoráveis… é insano…

O gráfico abaixo ilustra a relação histórica das cotações ouro:prata. Isso é, quantas onças de prata são necessárias para comprar uma onça de ouro no mercado de contratos de papel:

13022020c

Estamos novamente num pico histórico de subvalorização da prata, com o metal branco muito barato em relação ao ouro, numa relação de 89:1 (em 13/02/2020), sendo que a média histórica em 20 anos é de 60:1 (significando uma subvalorização de ao menos 48%), chegando até a cerca de 32:1 no pico de valorização da prata, em 2011, o que significa uma potencial valorização de 178% dos preços da prata caso essas cotações sejam atingidas novamente. Curiosamente, as pessoas compraram mais quanto a prata estava mais valorizada, diminuindo sua aquisição quando ela estava mais em conta… o típico comportamento de manada.

Os americanos que compraram aproximadamente 880 milhões de onças de barras e moedas físicas de prata entre 2010-2018 não têm ideia de que estão segurando um ativo que é provavelmente o mais subvalorizado da história

Os mais espertos movem-se antes da manada despertar…

Proteja suas economias em prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

A exposição dos bancos dos EUA à derivativos de metais preciosos dispara em 2017

De acordo com o relatório mais recente sobre a atividade de negociação de derivativos das Instituições Financeiras dos EUA, os bancos daquele país detiveram um valor recorde de contratos de metais preciosos no primeiro trimestre de 2017. Não só os bancos dos EUA relataram um valor recorde de contratos de metais preciosos, mas eles também mantiveram uma quantidade sem precedentes em valor nocional de contratos de derivativos de commodities e equity.

Parece haver muito papel flutuando nos mercados de ações, títulos e Forex já altamente inflados. E … deve ser necessário. Sem uma quantidade cada vez maior de alavancagem através de suas apostas derivadas e hedging, esses mercados estariam em sérios problemas. Além disso, a prática de usar contratos de hedge de apostas sobre outras apostas derivadas já colocou o mercado financeiro em um estado altamente frágil antes…

O Escritório da Controladora da Moeda (OCC) divulgou seu Relatório Trimestral do Primeiro Trimestre de 2017 sobre Atividades de Negociação e Derivativos dos Bancos. Nesse relatório, eles publicaram o seguinte quadro sobre o valor nocional dos bancos dos EUA em contratos de metais preciosos:

 

Como podemos ver no gráfico, a tendência geral continuou a aumentar desde 2000. O que é interessante é que o valor nocional dos contratos de metais preciosos detidos pelos bancos dos EUA foi ainda maior no primeiro trimestre de 2017 versus o quarto trimestre de 2012, quando os preços dos metais preciosos eram muito maiores.

Ao analisar dados anteriores, alguns trimestres apresentaram uma maior quantidade de contratos de metais preciosos, o que se deveu a que os bancos adicionaram contratos curtos à medida que o preço dos metais preciosos aumentou. No entanto, o primeiro trimestre de 2017 com US $ 43,6 bilhões foi um crescimento considerável em relação aos US $ 28,3 bilhões no primeiro trimestre de 2016.

Por exemplo, no terceiro trimestre de 2016, os bancos dos EUA também detinham US $ 43,6 bilhões em contratos de metais preciosos. Mais uma vez, isso se deveu a uma série de contratos curtos detidos pelos bancos norte-americanos quando o preço do ouro subiu para um máximo de US $ 1.366 a onça troy no terceiro trimestre de 2016. Como o preço do ouro caiu nos meses seguintes, os contratos de metais preciosos diminuíram no quarto trimestre de 2016.

Mas o que é interessante é o aumento significativo na exposição de metais preciosos pelos bancos dos EUA no primeiro trimestre de 2017, mostrado no gráfico acima, quando o número de contratos curtos de ouro que os grandes bancos dos EUA mantiveram diminuiu significativamente:

 

Agora, isso apenas mostra os contratos de ouro dos bancos dos EUA. Estes contratos não incluem outros metais preciosos, como prata, platina e paládio. No entanto, o ouro é, de longe, o maior mercado. Se incluímos os contratos FX (contratos de câmbio a prazo), o montante total nocional é enorme:

 

Os contratos FX são hedge para os movimentos de diferentes preços fixos das moedas fiduciárias. Não conhecemos a divisão percentual dos contratos de Ouro ou FX. No entanto, é possível imaginar que a maioria está nos Contratos FX, que estão protegendo as diferentes moedas fiat.

Agora, o que também é bastante fascinante com o aumento maciço dos valores nocionais dos contratos de FX & Ouro, é que o PIB global não cresceu tanto desde 2013. De acordo com o Banco Mundial, aqui estão os números do PIB global nos últimos quatro anos:

Se dividirmos o valor nocional de Contratos FX & Ouro pelo PIB global, podemos ver uma tendência muito interessante:

Enquanto a quantidade nocional de contratos FX & Ouro atingiu uma alta recorde, veja o próximo gráfico:

 

Esses dois gráficos exibem o valor dos contratos “Commodity” e “Equity” em valores nocionais em dólar detidos pelos bancos dos EUA. Embora tenha havido uma crise temporária em 2005 (principalmente contratos com prazo mais longo – em AZUL), houve um aumento pronunciado em 2015, 2016 e 2017 em ambas as classes de ativos derivativos.

De acordo com os dados do OCC, os bancos dos EUA detinham US $ 1 trilhão em contratos de commodities e US $ 3 trilhões em contratos de equivalência patrimonial (equity) no primeiro trimestre de 2017. Embora esses valores sejam muito inferiores aos contratos de FX & Ouro, eles ainda aumentaram substancialmente nos últimos três anos.

Novamente…. os bancos dos Estados Unidos estão segurando um valor recorde de contratos de derivativos em papel nessas diferentes classes de ativos. Sim, tem algum sentido que o valor total do patrimônio nocional dos bancos dos EUA está aumentando junto com o aumento do mercado de ações altamente inflacionado, mas considerando a exposição à commodities quando os preços da maioria delas são muito inferiores ao que eram antes de 2014, é intrigante.

 

À medida que o índice de commodities (acima) caiu do nível de mais de 300 em 2014 para 176 atualmente, o montante dos bancos dos EUA, e sua exposição ao mercado de commodities mais que dobrou para US $ 1 trilhão. Infelizmente, não sabemos todos os detalhes sobre o motivo pelo qual os bancos dos EUA aumentaram tanto sua exposição a essas diferentes classes de ativos. No entanto, ver uma quantidade recorde de troca de papel em um mercado que já é altamente alavancado certamente indica grandes problemas à frente.

Proteja suas economias em prata física, antes que o dinheiro sólido fique caro demais!

 

Fonte.

Governo indiano proíbe a circulação de dinheiro vivo; pessoas morrem e perdem sua poupança

A justificativa era dificultar a corrupção no próprio governo e reduzir o mercado negro

 

Na segunda semana de novembro, o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi anunciou que as cédulas de 500 rúpias (US$ 7,50 ou R$ 25) e de 1.000 rúpias (US$ 15 ou R$ 50) estavam banidas. Ou seja, tornava-se proibido qualquer pessoa utilizá-las na economia.

A surpreendente e traumática medida — mantida em segredo até o último momento e adotada literalmente da noite para o dia — tinha o intuito, segundo o governo, de atacar os integrantes do mercado negro (que utilizam exclusivamente dinheiro vivo de alto valor nominal), acabar com a corrupção que atualmente permeia todos os níveis do governo e reduzir a sonegação.

Essas duas cédulas abolidas representavam quase 80% de todo o dinheiro vivo em circulação, e, segundo o governo, eram utilizadas majoritariamente para sonegar impostos e pagar propinas.

No entanto, a medida serviu apenas para criar caos e desespero para milhões de cidadãos indianos. Da noite para o dia, eles se viram em posse de um dinheiro que não mais tinha uso. Não apenas toda a sua poupança na forma de dinheiro vivo havia sido subitamente aniquilada, como ainda havia se torna impossível comprar itens básicos.

Consequentemente, as pessoas correram para os caixas automáticos dos bancos para tentar sacar cédulas de menor denominação (ainda permitidas). Como era de se esperar, os caixas rapidamente ficaram sem dinheiro. Outras correram para os bancos, o que gerou enormes filas, as quais se degeneraram em brigas físicas e tumultos generalizados. Várias pessoas foram pisoteadas. Também, como era de se esperar, os bancos não tinham dinheiro vivo suficiente para atender a todas as demandas.

Repentinamente, boa parte da população não tinha dinheiro para comprar comida e itens básicos. Uma menina de 8 anos morreu porque seu pai não conseguiu levá-la ao hospital, já que o posto de gasolina estava proibido pelo governo de aceitar a cédula de 1.000 rúpias oferecida pelo pai. Sem gasolina, o homem teve de ver a filha morrer.

Essas são apenas uma pequena fração das histórias de horror vivenciadas pelos indianos. Em meio a tamanho caos, o governo decidiu reintroduzir essas cédulas abolidas, mas agora com um novo desenho. Mais: ele também criou uma nova cédula de 2.000 rúpias — o que, na prática, revoga todos os seus objetivos declarados.

Aturando e arcando com tudo

O fato é que vários indianos estão tão fartos da rotineira corrupção que assola o país, que eles estão dispostos, ainda que contrariados, a arcar com estes fardos se tais medidas realmente acabarem com a corrupção. Mal sabem eles que isso não fará nem cócegas: todo esse confisco do dinheiro gerou apenas uma inconveniência temporária para os sonegadores e lavadores de dinheiro, os quais já encontraram brechas que não apenas permitiram que eles minimizassem as perdas como ainda lucrassem com a medida.

E isso — o fato de a tentativa de proibir o dinheiro ter gerado efeitos não-premeditados e ter beneficiado aqueles a quem o governo queria punir — é ótimo: novas tentativas asininas serão agora menos prováveis.

Outros, mais sensatos, já perceberam que “o verdadeiro dinheiro da corrupção e do mercado negro… já está guardado em contas bancárias na Suíça”, de modo que são as pessoas comuns e os pequenos comerciantes e empreendedores os realmente afetados pela medida.

A Índia possui uma das populações menos bancarizadas do mundo (apenas 35% da população utiliza bancos). Isso significa que mais de 800 milhões de pessoas não têm conta bancária e, consequentemente, mantinham toda a sua poupança em dinheiro vivo. Todas estas pessoas não apenas tiveram, repentinamente, sua poupança aniquilada, como agora terão de ir aos bancos para trocar as cédulas inutilizadas pelas cédulas novas.

Mas há um problema: pelas regras impostas pelo governo, os bancos só podem trocar 4.000 rúpias por dia (o equivalente a R$ 200). Consequentemente, aqueles que têm mais do que isso terão de abrir conta em banco e depositar todo o dinheiro. Quem depositar mais de 250 mil rúpias (R$ 12 mil) será investigado e interrogado pelo governo. E se o governo decidir que esse indivíduo sonegou impostos, seu dinheiro será confiscado e uma multa de 200% será imposta.

O prazo final para se trocar todo o dinheiro nos bancos é 30 de dezembro.

Ou seja, ao fim e ao cabo, são estes indivíduos — pequenos poupadores, pequenos empreendedores e pequenos comerciantes — que ficarão em posse de um grande volume de cédulas sem valor tão logo os bancos pararem de trocar as cédulas antigas pelas novas.

A luta pela liberdade

Mas é sempre interessante ver as maneiras como alguns indianos estão mantendo sua liberdade e protegendo sua privacidade, além de evitarem o confisco dos impostos gerados por esse evento.

A primeira alternativa foi recorrer ao Bitcoin. A cripto-moeda ajuda a conduzir transações anonimamente; o governo não consegue monitorar. Como resultado da medida do governo, o preço do Bitcoin pulou de 46.963 rúpias para 48.665 em apenas 12 horas. As pessoas estão comprando Bitcoinspara lidar com essa situação. Mas essas são uma ínfima minoria, sofisticada o bastante para isso.

E quanto às pessoas de baixa renda que não possuem smartphones e acesso à internet? Elas estão recorrendo a um método interessante, que valeria um artigo próprio: elas estão utilizando vouchers da Sodexo. Várias pequenas empresas pagam seus empregados parcialmente com estes cupons, os quais podem ser usados para comprar alimentos, pagar refeições e outras coisas. Os comerciantes que recebem esses vouchers podem trocá-los por dinheiro no final do ano.

Quando os indianos se viram sem dinheiro, eles utilizaram os vouchers para conseguir comida nos supermercados e mercearias. Consequentemente, o comerciante agora paga seus fornecedores também com vouchers em vez de dinheiro vivo. O fornecedor, por sua vez, utiliza esses vouchers em outras áreas. Isso porque os vouchers valem por um ano. Empreendedores utilizam esses vouchers em suas transações diárias porque essas transações não precisam ser declaradas para fins de coleta de impostos. Impostos sobre vendas, impostos sobre serviços, e vários outros impostos são evitados desta maneira. É um tipo de moeda paralela sendo utilizada nas cidades indianas.

Se toda essa guerra ao dinheiro vivo continuar, empreendedores irão descobrir e criar novas maneiras de ajudar as pessoas a fugir dos impostos. E isso não seria nada mal.

Não é um crime arranjar seus empreendimentos de maneira a pagar a menor quantidade de impostos possível. Com efeito, é dever sagrado de cada indivíduo garantir que o governo e sua máfia recebam a menor quantia possível de dinheiro, de modo que cada indivíduo trabalhador e sua família fiquem com o máximo possível. Dinheiro nas mãos de pessoas trabalhadoras e empreendedoras é muito mais bem utilizado do que na mão de políticos e burocratas. Quanto mais dinheiro vai para o governo, mais o governo gasta, mais ele cresce, e mais a economia privada (a que realmente cria riqueza) definha. Quanto maior a participação do governo na economia, menor a participação do setor privado.

Consequentemente, quanto mais o governo for privado do dinheiro dos cidadãos, melhor para a economia privada, que é quem cria riqueza. Dar menos dinheiro para o governo é a única maneira de se preservar a liberdade e garantir uma vida melhor para todos, principalmente para a sua própria família.

Frequentemente, a lição mais difícil de ser entendida é que a melhor e única maneira de se acabar com esses tipos de autoritarismo é esfaimando o governo que os cria.

 

Lembre-se: sempre é bom contar com um certo montante em dinheiro físico real, como barras e moedas de prata!

 

Fonte.

Agora é o primeiro-ministro japonês ABE que prevê que a catástrofe econômica global é iminente

Catástrofe econômica mundial é iminente, diz o primeiro ministro Shinzo Abe.

Abe-Obama

Uma catástrofe econômica está prestes a se desencadear, pelo menos é o que apontam os indicadores financeiros.

Investidores importantes tradicionais, profissionais e privados, têm alertado sobre uma catástrofe financeira global iminente. Agora, adicione o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe a essa lista dos que acreditam em um colapso de ordem global.

George Soros, Stanley Druckenmiller, e Carl Icahn, entre outros, todos fizeram algumas declarações fortes. Eles também têm reconfigurado suas carteiras e, tomado posições em ouro e prata, ajudaram a espremer o mercado.

O último a aderir a esta lista de pessimistas foi primeiro-ministro japonês Shinzo Abe. Na última reunião do G7 ele alertou sobre a próxima crise global.

Em coletiva à imprensa, na cúpula do G7, no primeiro dia de reuniões, Abe falou aos jornalistas que “Chegamos a um entendimento comum de que a economia mundial está enfrentando sérios riscos”.

Shinzo Abe estava tentando obter apoio para um estímulo fiscal global, de acordo com relatórios. Ele disse aos membros do G7 que os tempos atuais lembram a “era pós-Lehman” em 2008. O Lehman faliu em setembro daquele ano e até o final de 2009, os mercados de ações perderam metade de seu valor.

Ele até mesmo exibiu uma série de gráficos que suportam a sua posição de que estamos à beira de um colapso econômico massivo.

Ele mostrou como as commodities afundaram 55%, exatamente a mesma proporção que caiu durante a última crise, em 2008.

commodities price

O primeiro ministro também mostrou como os indicadores de crescimento dos mercados emergentes desaceleraram para perto de níveis de 2008, também.

market

Abe queria que os outros países do G7 emitissem um aviso público sobre o que ele acredita que vai acontecer ao seu país e ao mundo a partir deste ponto.

Em vez disso, os comentários de Abe receberam um apagão na mídia mundial. Alguns meios de comunicação mencionaram, mas não como notícia de primeira página. Nós mesmos sequer ouvimos sobre isso até há pouco.

Você pensou que isso seria uma grande notícia. O primeiro-ministro de uma das maiores economias do mundo não só fez uma apresentação dizendo que estão à beira de uma catástrofe econômica, não só no Japão, mas em todo o mundo e isso varrido para debaixo do tapete.

A grande mídia explicou que Abe realmente tinha que dar o alarme, porque ele queria adiar um aumento de impostos significativa no Japão. Porém, recentemente, o bilionário investidor Bill Gross concordou com Abe, certamente quando se trata do Japão. Ele disse em uma entrevista que o Japão não é realmente mais solvente.

Imagine se Barack Obama fizer um apelo no G7 para que todos devam se preparar para um Armageddon econômico e até mesmo trouxer fatos e dados para apoiar sua posição … ele iria mandar mercados acionários mundiais para o fundo do poço. Em vez disso, Barack apregoa que alguém dizendo que a economia dos EUA está indo mal é apenas “fofoca”.

A última coisa que os líderes do G7 querem é alarmar excessivamente as pessoas e, portanto, para se prepararem para uma catástrofe econômica mundial.

A ideia não é se preparar para uma catástrofe econômica de proporções globais…

Pode até ser que o papel de Abe estava de alguma forma pré-planejado para alertar os líderes e, assim, gerar manchetes que mostram discussões ao mais alto nível.

O FMI e o Banco Mundial também advertiram sobre uma crise econômica iminente … mesmo Alan Greenspan. Pós-colapso, eles sempre podem apontar para avisos como os de Abe para dizer que eles entenderam o que poderia acontecer, mas que nenhuma dessas advertências foi tomada como significativa.

Por esta razão, a maioria das pessoas vai ser pega de surpresa pelo colapso exatamente como o correu na crise em 2008.

Mas algumas pessoas não, no entanto…

 

Fonte