A exposição dos bancos dos EUA à derivativos de metais preciosos dispara em 2017

De acordo com o relatório mais recente sobre a atividade de negociação de derivativos das Instituições Financeiras dos EUA, os bancos daquele país detiveram um valor recorde de contratos de metais preciosos no primeiro trimestre de 2017. Não só os bancos dos EUA relataram um valor recorde de contratos de metais preciosos, mas eles também mantiveram uma quantidade sem precedentes em valor nocional de contratos de derivativos de commodities e equity.

Parece haver muito papel flutuando nos mercados de ações, títulos e Forex já altamente inflados. E … deve ser necessário. Sem uma quantidade cada vez maior de alavancagem através de suas apostas derivadas e hedging, esses mercados estariam em sérios problemas. Além disso, a prática de usar contratos de hedge de apostas sobre outras apostas derivadas já colocou o mercado financeiro em um estado altamente frágil antes…

O Escritório da Controladora da Moeda (OCC) divulgou seu Relatório Trimestral do Primeiro Trimestre de 2017 sobre Atividades de Negociação e Derivativos dos Bancos. Nesse relatório, eles publicaram o seguinte quadro sobre o valor nocional dos bancos dos EUA em contratos de metais preciosos:

 

Como podemos ver no gráfico, a tendência geral continuou a aumentar desde 2000. O que é interessante é que o valor nocional dos contratos de metais preciosos detidos pelos bancos dos EUA foi ainda maior no primeiro trimestre de 2017 versus o quarto trimestre de 2012, quando os preços dos metais preciosos eram muito maiores.

Ao analisar dados anteriores, alguns trimestres apresentaram uma maior quantidade de contratos de metais preciosos, o que se deveu a que os bancos adicionaram contratos curtos à medida que o preço dos metais preciosos aumentou. No entanto, o primeiro trimestre de 2017 com US $ 43,6 bilhões foi um crescimento considerável em relação aos US $ 28,3 bilhões no primeiro trimestre de 2016.

Por exemplo, no terceiro trimestre de 2016, os bancos dos EUA também detinham US $ 43,6 bilhões em contratos de metais preciosos. Mais uma vez, isso se deveu a uma série de contratos curtos detidos pelos bancos norte-americanos quando o preço do ouro subiu para um máximo de US $ 1.366 a onça troy no terceiro trimestre de 2016. Como o preço do ouro caiu nos meses seguintes, os contratos de metais preciosos diminuíram no quarto trimestre de 2016.

Mas o que é interessante é o aumento significativo na exposição de metais preciosos pelos bancos dos EUA no primeiro trimestre de 2017, mostrado no gráfico acima, quando o número de contratos curtos de ouro que os grandes bancos dos EUA mantiveram diminuiu significativamente:

 

Agora, isso apenas mostra os contratos de ouro dos bancos dos EUA. Estes contratos não incluem outros metais preciosos, como prata, platina e paládio. No entanto, o ouro é, de longe, o maior mercado. Se incluímos os contratos FX (contratos de câmbio a prazo), o montante total nocional é enorme:

 

Os contratos FX são hedge para os movimentos de diferentes preços fixos das moedas fiduciárias. Não conhecemos a divisão percentual dos contratos de Ouro ou FX. No entanto, é possível imaginar que a maioria está nos Contratos FX, que estão protegendo as diferentes moedas fiat.

Agora, o que também é bastante fascinante com o aumento maciço dos valores nocionais dos contratos de FX & Ouro, é que o PIB global não cresceu tanto desde 2013. De acordo com o Banco Mundial, aqui estão os números do PIB global nos últimos quatro anos:

Se dividirmos o valor nocional de Contratos FX & Ouro pelo PIB global, podemos ver uma tendência muito interessante:

Enquanto a quantidade nocional de contratos FX & Ouro atingiu uma alta recorde, veja o próximo gráfico:

 

Esses dois gráficos exibem o valor dos contratos “Commodity” e “Equity” em valores nocionais em dólar detidos pelos bancos dos EUA. Embora tenha havido uma crise temporária em 2005 (principalmente contratos com prazo mais longo – em AZUL), houve um aumento pronunciado em 2015, 2016 e 2017 em ambas as classes de ativos derivativos.

De acordo com os dados do OCC, os bancos dos EUA detinham US $ 1 trilhão em contratos de commodities e US $ 3 trilhões em contratos de equivalência patrimonial (equity) no primeiro trimestre de 2017. Embora esses valores sejam muito inferiores aos contratos de FX & Ouro, eles ainda aumentaram substancialmente nos últimos três anos.

Novamente…. os bancos dos Estados Unidos estão segurando um valor recorde de contratos de derivativos em papel nessas diferentes classes de ativos. Sim, tem algum sentido que o valor total do patrimônio nocional dos bancos dos EUA está aumentando junto com o aumento do mercado de ações altamente inflacionado, mas considerando a exposição à commodities quando os preços da maioria delas são muito inferiores ao que eram antes de 2014, é intrigante.

 

À medida que o índice de commodities (acima) caiu do nível de mais de 300 em 2014 para 176 atualmente, o montante dos bancos dos EUA, e sua exposição ao mercado de commodities mais que dobrou para US $ 1 trilhão. Infelizmente, não sabemos todos os detalhes sobre o motivo pelo qual os bancos dos EUA aumentaram tanto sua exposição a essas diferentes classes de ativos. No entanto, ver uma quantidade recorde de troca de papel em um mercado que já é altamente alavancado certamente indica grandes problemas à frente.

Proteja suas economias em prata física, antes que o dinheiro sólido fique caro demais!

 

Fonte.

Governo indiano proíbe a circulação de dinheiro vivo; pessoas morrem e perdem sua poupança

A justificativa era dificultar a corrupção no próprio governo e reduzir o mercado negro

 

Na segunda semana de novembro, o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi anunciou que as cédulas de 500 rúpias (US$ 7,50 ou R$ 25) e de 1.000 rúpias (US$ 15 ou R$ 50) estavam banidas. Ou seja, tornava-se proibido qualquer pessoa utilizá-las na economia.

A surpreendente e traumática medida — mantida em segredo até o último momento e adotada literalmente da noite para o dia — tinha o intuito, segundo o governo, de atacar os integrantes do mercado negro (que utilizam exclusivamente dinheiro vivo de alto valor nominal), acabar com a corrupção que atualmente permeia todos os níveis do governo e reduzir a sonegação.

Essas duas cédulas abolidas representavam quase 80% de todo o dinheiro vivo em circulação, e, segundo o governo, eram utilizadas majoritariamente para sonegar impostos e pagar propinas.

No entanto, a medida serviu apenas para criar caos e desespero para milhões de cidadãos indianos. Da noite para o dia, eles se viram em posse de um dinheiro que não mais tinha uso. Não apenas toda a sua poupança na forma de dinheiro vivo havia sido subitamente aniquilada, como ainda havia se torna impossível comprar itens básicos.

Consequentemente, as pessoas correram para os caixas automáticos dos bancos para tentar sacar cédulas de menor denominação (ainda permitidas). Como era de se esperar, os caixas rapidamente ficaram sem dinheiro. Outras correram para os bancos, o que gerou enormes filas, as quais se degeneraram em brigas físicas e tumultos generalizados. Várias pessoas foram pisoteadas. Também, como era de se esperar, os bancos não tinham dinheiro vivo suficiente para atender a todas as demandas.

Repentinamente, boa parte da população não tinha dinheiro para comprar comida e itens básicos. Uma menina de 8 anos morreu porque seu pai não conseguiu levá-la ao hospital, já que o posto de gasolina estava proibido pelo governo de aceitar a cédula de 1.000 rúpias oferecida pelo pai. Sem gasolina, o homem teve de ver a filha morrer.

Essas são apenas uma pequena fração das histórias de horror vivenciadas pelos indianos. Em meio a tamanho caos, o governo decidiu reintroduzir essas cédulas abolidas, mas agora com um novo desenho. Mais: ele também criou uma nova cédula de 2.000 rúpias — o que, na prática, revoga todos os seus objetivos declarados.

Aturando e arcando com tudo

O fato é que vários indianos estão tão fartos da rotineira corrupção que assola o país, que eles estão dispostos, ainda que contrariados, a arcar com estes fardos se tais medidas realmente acabarem com a corrupção. Mal sabem eles que isso não fará nem cócegas: todo esse confisco do dinheiro gerou apenas uma inconveniência temporária para os sonegadores e lavadores de dinheiro, os quais já encontraram brechas que não apenas permitiram que eles minimizassem as perdas como ainda lucrassem com a medida.

E isso — o fato de a tentativa de proibir o dinheiro ter gerado efeitos não-premeditados e ter beneficiado aqueles a quem o governo queria punir — é ótimo: novas tentativas asininas serão agora menos prováveis.

Outros, mais sensatos, já perceberam que “o verdadeiro dinheiro da corrupção e do mercado negro… já está guardado em contas bancárias na Suíça”, de modo que são as pessoas comuns e os pequenos comerciantes e empreendedores os realmente afetados pela medida.

A Índia possui uma das populações menos bancarizadas do mundo (apenas 35% da população utiliza bancos). Isso significa que mais de 800 milhões de pessoas não têm conta bancária e, consequentemente, mantinham toda a sua poupança em dinheiro vivo. Todas estas pessoas não apenas tiveram, repentinamente, sua poupança aniquilada, como agora terão de ir aos bancos para trocar as cédulas inutilizadas pelas cédulas novas.

Mas há um problema: pelas regras impostas pelo governo, os bancos só podem trocar 4.000 rúpias por dia (o equivalente a R$ 200). Consequentemente, aqueles que têm mais do que isso terão de abrir conta em banco e depositar todo o dinheiro. Quem depositar mais de 250 mil rúpias (R$ 12 mil) será investigado e interrogado pelo governo. E se o governo decidir que esse indivíduo sonegou impostos, seu dinheiro será confiscado e uma multa de 200% será imposta.

O prazo final para se trocar todo o dinheiro nos bancos é 30 de dezembro.

Ou seja, ao fim e ao cabo, são estes indivíduos — pequenos poupadores, pequenos empreendedores e pequenos comerciantes — que ficarão em posse de um grande volume de cédulas sem valor tão logo os bancos pararem de trocar as cédulas antigas pelas novas.

A luta pela liberdade

Mas é sempre interessante ver as maneiras como alguns indianos estão mantendo sua liberdade e protegendo sua privacidade, além de evitarem o confisco dos impostos gerados por esse evento.

A primeira alternativa foi recorrer ao Bitcoin. A cripto-moeda ajuda a conduzir transações anonimamente; o governo não consegue monitorar. Como resultado da medida do governo, o preço do Bitcoin pulou de 46.963 rúpias para 48.665 em apenas 12 horas. As pessoas estão comprando Bitcoinspara lidar com essa situação. Mas essas são uma ínfima minoria, sofisticada o bastante para isso.

E quanto às pessoas de baixa renda que não possuem smartphones e acesso à internet? Elas estão recorrendo a um método interessante, que valeria um artigo próprio: elas estão utilizando vouchers da Sodexo. Várias pequenas empresas pagam seus empregados parcialmente com estes cupons, os quais podem ser usados para comprar alimentos, pagar refeições e outras coisas. Os comerciantes que recebem esses vouchers podem trocá-los por dinheiro no final do ano.

Quando os indianos se viram sem dinheiro, eles utilizaram os vouchers para conseguir comida nos supermercados e mercearias. Consequentemente, o comerciante agora paga seus fornecedores também com vouchers em vez de dinheiro vivo. O fornecedor, por sua vez, utiliza esses vouchers em outras áreas. Isso porque os vouchers valem por um ano. Empreendedores utilizam esses vouchers em suas transações diárias porque essas transações não precisam ser declaradas para fins de coleta de impostos. Impostos sobre vendas, impostos sobre serviços, e vários outros impostos são evitados desta maneira. É um tipo de moeda paralela sendo utilizada nas cidades indianas.

Se toda essa guerra ao dinheiro vivo continuar, empreendedores irão descobrir e criar novas maneiras de ajudar as pessoas a fugir dos impostos. E isso não seria nada mal.

Não é um crime arranjar seus empreendimentos de maneira a pagar a menor quantidade de impostos possível. Com efeito, é dever sagrado de cada indivíduo garantir que o governo e sua máfia recebam a menor quantia possível de dinheiro, de modo que cada indivíduo trabalhador e sua família fiquem com o máximo possível. Dinheiro nas mãos de pessoas trabalhadoras e empreendedoras é muito mais bem utilizado do que na mão de políticos e burocratas. Quanto mais dinheiro vai para o governo, mais o governo gasta, mais ele cresce, e mais a economia privada (a que realmente cria riqueza) definha. Quanto maior a participação do governo na economia, menor a participação do setor privado.

Consequentemente, quanto mais o governo for privado do dinheiro dos cidadãos, melhor para a economia privada, que é quem cria riqueza. Dar menos dinheiro para o governo é a única maneira de se preservar a liberdade e garantir uma vida melhor para todos, principalmente para a sua própria família.

Frequentemente, a lição mais difícil de ser entendida é que a melhor e única maneira de se acabar com esses tipos de autoritarismo é esfaimando o governo que os cria.

 

Lembre-se: sempre é bom contar com um certo montante em dinheiro físico real, como barras e moedas de prata!

 

Fonte.

Agora é o primeiro-ministro japonês ABE que prevê que a catástrofe econômica global é iminente

Catástrofe econômica mundial é iminente, diz o primeiro ministro Shinzo Abe.

Abe-Obama

Uma catástrofe econômica está prestes a se desencadear, pelo menos é o que apontam os indicadores financeiros.

Investidores importantes tradicionais, profissionais e privados, têm alertado sobre uma catástrofe financeira global iminente. Agora, adicione o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe a essa lista dos que acreditam em um colapso de ordem global.

George Soros, Stanley Druckenmiller, e Carl Icahn, entre outros, todos fizeram algumas declarações fortes. Eles também têm reconfigurado suas carteiras e, tomado posições em ouro e prata, ajudaram a espremer o mercado.

O último a aderir a esta lista de pessimistas foi primeiro-ministro japonês Shinzo Abe. Na última reunião do G7 ele alertou sobre a próxima crise global.

Em coletiva à imprensa, na cúpula do G7, no primeiro dia de reuniões, Abe falou aos jornalistas que “Chegamos a um entendimento comum de que a economia mundial está enfrentando sérios riscos”.

Shinzo Abe estava tentando obter apoio para um estímulo fiscal global, de acordo com relatórios. Ele disse aos membros do G7 que os tempos atuais lembram a “era pós-Lehman” em 2008. O Lehman faliu em setembro daquele ano e até o final de 2009, os mercados de ações perderam metade de seu valor.

Ele até mesmo exibiu uma série de gráficos que suportam a sua posição de que estamos à beira de um colapso econômico massivo.

Ele mostrou como as commodities afundaram 55%, exatamente a mesma proporção que caiu durante a última crise, em 2008.

commodities price

O primeiro ministro também mostrou como os indicadores de crescimento dos mercados emergentes desaceleraram para perto de níveis de 2008, também.

market

Abe queria que os outros países do G7 emitissem um aviso público sobre o que ele acredita que vai acontecer ao seu país e ao mundo a partir deste ponto.

Em vez disso, os comentários de Abe receberam um apagão na mídia mundial. Alguns meios de comunicação mencionaram, mas não como notícia de primeira página. Nós mesmos sequer ouvimos sobre isso até há pouco.

Você pensou que isso seria uma grande notícia. O primeiro-ministro de uma das maiores economias do mundo não só fez uma apresentação dizendo que estão à beira de uma catástrofe econômica, não só no Japão, mas em todo o mundo e isso varrido para debaixo do tapete.

A grande mídia explicou que Abe realmente tinha que dar o alarme, porque ele queria adiar um aumento de impostos significativa no Japão. Porém, recentemente, o bilionário investidor Bill Gross concordou com Abe, certamente quando se trata do Japão. Ele disse em uma entrevista que o Japão não é realmente mais solvente.

Imagine se Barack Obama fizer um apelo no G7 para que todos devam se preparar para um Armageddon econômico e até mesmo trouxer fatos e dados para apoiar sua posição … ele iria mandar mercados acionários mundiais para o fundo do poço. Em vez disso, Barack apregoa que alguém dizendo que a economia dos EUA está indo mal é apenas “fofoca”.

A última coisa que os líderes do G7 querem é alarmar excessivamente as pessoas e, portanto, para se prepararem para uma catástrofe econômica mundial.

A ideia não é se preparar para uma catástrofe econômica de proporções globais…

Pode até ser que o papel de Abe estava de alguma forma pré-planejado para alertar os líderes e, assim, gerar manchetes que mostram discussões ao mais alto nível.

O FMI e o Banco Mundial também advertiram sobre uma crise econômica iminente … mesmo Alan Greenspan. Pós-colapso, eles sempre podem apontar para avisos como os de Abe para dizer que eles entenderam o que poderia acontecer, mas que nenhuma dessas advertências foi tomada como significativa.

Por esta razão, a maioria das pessoas vai ser pega de surpresa pelo colapso exatamente como o correu na crise em 2008.

Mas algumas pessoas não, no entanto…

 

Fonte

 

 

A caminho do fim do dinheiro físico (ao menos assim querem os banqueiros!)

A nota de 500 euros deixará de ser impressa a partir de 2018 e será gradualmente retirada de circulação, para lutar contra as chamadas atividades ilegais – quando você quer matar seu cão, é acusado de ter raiva…

A decisão do BCE não é isolada, já em 2013, o governo de Israel criou uma comissão para estudar a retirada gradual de dinheiro de papel. O governo australiano anunciou oficialmente sua intenção de remover as espécies em 2022, enquanto que a Noruega tem planos para 2020. Esses anúncios não são isolados, e bancos, nesse sentido, como o JP Morgan Chase, por exemplo, já recusam depósitos o dinheiro em seus cofres.

O uso de papel-moeda já é limitado, não se pode pagar em dinheiro compras na França acima de 1.000 euros, e as retiradas dos caixas automáticos estão limitadas a 300 euros. Teme-se que os meios de pagamento digital e porta-moedas eletrônico será imposto à todos.

Teme-se? Sim, porque o dinheiro do indivíduo não será mais seu dinheiro, mas dos bancos, e o governo pode rastrear qualquer transação, e talvez possa aplicar taxas de juros negativas, como já estão ensaiando em alguns lugares. As pequenas economias sob o colchão parece terem terminado.

Ok, muito bonita a justificativa de isso facilitará o combate à corrupção e ao tráfico, mas você, cidadão de bem, poderá ficar totalmente à merce de um sistema bancário eletrônico baseado em dívida.

E quando as máquinas não quiserem mais liberar o seu dinheiro? Ou se um banco quebrado não puder simplesmente aprovar seu saque, pois não existe dinheiro suficiente para todos?

 

Proteja suas economias em prata física, antes que fique caro demais…

 

caixa indisponivel

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte.

Brigas entre programadores ameaçam futuro do bitcoin

Daniel Auf der Mauer/The New York Times
-- PHOTO MOVED IN ADVANCE AND NOT FOR USE - ONLINE OR IN PRINT - BEFORE JAN. 17, 2016. -- Mike Hearn in his apartment in Zurich, Jan. 10, 2016. Hearn, one of a small brotherhood of Bitcoin developers around the world, has removed himself entirely from the virtual-currency project because of a nasty dispute that exposed fundamental differences about the aims of the enterprise and how online communities should be governed. (Daniel Auf der Mauer/The New York Times) - XNYT42« Back
Mike Hearn em seu apartamento na Suíça; ele é um dos ‘programadores-chave’ do bitcoin

NATHANIEL POPPER
DO “NEW YORK TIMES”

19/01/2016 02h00

 

Mike Hearn, um programador de computadores britânico, ficou trancado em seu apartamento de dois quartos em Zurique, por diversos dias, neste mês, para escrever um apaixonado protesto.

Dois anos atrás, Hearn deixou um confortável emprego como programador na unidade suíça do Google para se dedicar em tempo integral à sua grande paixão: a moeda virtual bitcoin. Ele era parte do pequeno grupo de desenvolvedores, de todo o mundo, que se dedicam a manter tanto o software básico que governa a criação de novos bitcoins quanto a rede na qual as transações financeiras com a moeda virtual acontecem.

Mas uma briga feia dilacerou a pequena irmandade de desenvolvedores do bitcoin e despertou dúvidas quanto à sobrevivência da moeda virtual. Hearn, até recentemente um dos líderes mais conhecidos do projeto Bitcoin, se desiludiu a tal ponto com ele que, em dezembro, vendeu as poucas centenas de bitcoins que lhe restavam e aceitou discretamente uma proposta de emprego apresentada por uma start-up.

O post apaixonado em que ele estava trabalhando para seu blog era o anúncio de que deixaria o bitcoin para trás de uma vez por todas. “O bitcoin deixou de ser uma comunidade transparente e aberta e se agora vive dominado por censura irrestrita e ataques mútuos entre os membros do grupo”, ele escreveu.

A disputa –que surgiu de uma questão sobre o número de transações por segundo que a rede do bitcoin deve ser capaz de aceitar– pode parecer algo que interessa apenas aos mais dedicados seguidores da tecnologia. Mas expôs diferenças mais profundas sobre os objetivos básicos do projeto Bitcoin e sobre o governo das comunidades on-line.

As partes em conflito retrataram uma à outra como, de um lado, populistas cujo objetivo é expandir o potencial comercial do bitcoin, e, do outro, elitistas mais preocupados em proteger o status da moeda virtual como desafiante radical às moedas existentes.

A divisão levou, nos últimos seis meses, a ameaças de morte contra desenvolvedores do bitcoin e a ataques de hackers que derrubaram provedores de acesso à internet. Os dois lados se sentem profundamente traídos. Um dos principais antagonistas de Hearn, um barbudo programador californiano chamado Gregory Maxwell, também parece ter se afastado de seu trabalho no bitcoin, depois de receber ameaças anônimas de morte.

Essas disputas internas surgiram no momento em que a tecnologia do bitcoin começa a ganhar credibilidade em Wall Street e no Vale do Silício. Ao longo das muitas controvérsias que abalaram a moeda virtual –entre as quais diversos casos de roubo e fraude–, o software básico continuou funcionando como esperado.

Essa consistência elevou o valor dos bitcoins em circulação a mais de US$ 6 bilhões e levou empresas do setor de capital para empreendimentos a imaginar que a tecnologia poderia se tornar o futuro das finanças, uma maneira mais rápida e barata de executar toda espécie de transação financeira.

Parte do atrativo primário do bitcoin é sua promessa de oferecer alternativa mais segura e confiável às moedas e redes financeiras existentes. Ao contrário do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) e de Wall Street, instituições administradas por seres humanos, o bitcoin supostamente deveria depender da infalível lógica da matemática e dos códigos de computação.

Nesse sistema, programadores como Hearn, que muitas vezes contribuem voluntariamente com seus conhecimentos e trabalho, eram vistos como técnicos neutros.

A disputa atual, porém, é lembrete de que o software do bitcoin –como todos os códigos de computação– é um produto da mente humana e passa por evolução, e por isso seu desenvolvimento está sujeito às fragilidades humanas e a divergências de ideias.

Não há certeza quanto a quem realmente deu início à briga, mas no momento os dois lados estão em impasse, e isso deixou o software do bitcoin –e a moeda virtual em si– no limbo. Hearn está convencido de que o impasse em breve tornará difícil realizar até mesmo transações simples, e que isso terminará por afastar os usuários e resultar em um colapso de preço.

As preocupações de Hearn quanto ao impasse foram ecoadas, muitas vezes em tom menos estridente, por número crescente de outros desenvolvedores, bem como por startups que compram, vendem e mantêm bitcoins.

Gavin Andersen, colaborador próximo de Hearns e um dos mais veteranos participantes no desenvolvimento do software do bitcoin, disse que a disputa provavelmente causaria perturbações em curto prazo, mas que discorda da ideia de que ela prejudicará as perspectivas do bitcoin em longo prazo. Outros líderes do bitcoin expressaram sentimento semelhante, e os investidores parecem inclinados a acreditar neles: o preço do bitcoin na verdade subiu nos últimos meses, para cerca de US$ 430 por bitcoin.

Alguns dos aliados de Hearn na batalha esperam que o impasse possa ser rompido se as grandes companhias do bitcoin se unirem em torno de algo como o Bitcoin Classic, uma nova versão do software básico do bitcoin anunciada este mês, com o objetivo de expandir a capacidade da rede e ao mesmo tempo introduzir novos padrões de governança.

Mas Hearn está convencido de que já é tarde demais. Em passeios noturnos nos bosques perto de seu apartamento em Zurique, ele vem tentando descobrir em que ponto o bitcoin começou a dar errado, e o que isso significa para as crenças idealistas que o levaram ao processo.

“Jamais me ocorreu que a coisa pudesse simplesmente se desmantelar por as pessoas terem enlouquecido e por haver desacordos políticos fundamentais quanto aos objetivos do projeto”, disse Hearn em entrevista por Skype, de seu apartamento. “Isso realmente abalou minha fé na humanidade”.

 

Proteja suas economias com prata física, antes que ela fique cara demais!

 

Fonte.

O homem que previu o sequestro dos depósitos do povo grego diz que outro colapso é iminente!

Arrow graph going down

James Turk:   “Tudo o que precisamos fazer é olhar ao redor, para concluir que um colapso financeiro como a que vimos em 2008 está se aproximando rapidamente. Está escrito em toda a parede, e está lá para qualquer pessoa disposta a abrir os olhos ….

A queda livre recente dos preços das ações chinesas e em todo o mundo é uma bandeira vermelha, para não mencionar que os preços dos imóveis estão pendurados por um fio e prontos para seguir em queda, com os investidores procurando liquidez e segurança.

Então é claro que é a Grécia, e, mais geralmente, os problemas das economias fracas e as cargas pesadas de dívida na zona do euro, assim como em outros estados de bem-estar altamente endividados fora da Europa.

Nós podemos tirar duas conclusões a partir do que vemos: em primeiro lugar, a intervenção do governo nos mercados é um processo destrutivo que no final faz uma confusão de coisas. Este processo termina, inevitavelmente, em um desastre, porque as decisões são tomadas como são percebidas como politicamente convenientes em vez de serem fundamentadas como deveriam em finanças e economia.

Tome a Grécia como um exemplo óbvio, acho que por volta de maio de 2010, quando a incapacidade da Grécia para pagar suas dívidas tinha atingido uma fase crítica pela primeira vez. O presidente do Banco Central Europeu na época era Jean-Claude Trichet, que foi incansável em afirmar que o BCE como instituição era independente dos políticos e não seria o veículo para socorrer a Grécia.

Ele não fez essas declarações depois que políticos europeus, liderados pela chanceler Angela Merkel, decidiram em uma reunião de fim de semana, em seguida, que a Grécia deveria ser socorrida e o BCE iria fazê-lo. Como conseqüência, o BCE tem agora um problema de 115.000.000.000 de €, que é o montante da dívida grega em seus livros.

Por que os políticos não apenas deixaram a Grécia ir há cinco anos quando os problemas do país eram menores e, portanto, mais facilmente gerenciáveis? Porque os políticos não são orientados para os negócios. Eles não podiam perder a face, deixando seu amado ‘projeto europeu‘ arrebentar pelas costuras, o que pode acontecer a qualquer momento agora de qualquer maneira, uma vez que o BCE é fundamentalmente insolvente porque o papel inútil grego que detém é superior ao seu patrimônio líquido.

Os políticos não entendem a responsabilidade financeira nem as conseqüências de suas ações quando eles interveem. Lembre-se, a história tem mostrado que os governos destroem mercados muito antes que possam entender como o processo do mercado e do capitalismo funcionam. E na Europa, vemos esse desfecho em andamento.

O segundo ponto é que o sistema bancário como é praticado hoje é fundamentalmente falho. Aqui eu estou me referindo às duas funções dos bancos – empréstimos e processamento de pagamentos. A maioria da atividade econômica hoje é feita com moeda de depósito. Em outras palavras, o dinheiro em depósito nos bancos circula como moeda no comércio do ordenante para o beneficiário com transferências bancárias, cartões de plástico, pagamentos eletrônicos e com o antiquado, mas ainda amplamente utilizado talão de cheques. Se um banco falir porque ele tem feito empréstimos ruins, tudo isso é perdido.

Mesmo que um banco não falir, mas simplesmente parar de funcionar, como estamos vimos na Grécia, a economia sofre uma parada, que é a difícil situação da Grécia, enquanto seus bancos estão fechados. As ramificações são profundas quando a maioria do comércio para. As empresas que não estão preparadas entram em colapso junto com a economia, e se eles têm empréstimos em aberto, seu colapso piora as perspectivas para os bancos. Além disso, a receita fiscal do governo sofre uma parada, tornando ainda mais difícil lidar com a carga da dívida do país.

A resposta para isso, a forma imprudente em que o sistema bancário é praticado, é a de separar os bancos de crédito – aqueles que fazem empréstimos – dos bancos de comércio – aqueles que são responsáveis por pagamentos. A melhor maneira de fazer pagamentos é usar ouro, porque quando se utiliza um ativo tangível como moeda, você elimina o risco da contraparte. Eliminar o risco da contraparte é agora a melhor coisa que poderia acontecer para a economia global.

Há um último ponto para falar sobre a Grécia. Quando os bancos foram fechados na Grécia, as pessoas já não tinham acesso ao seu ouro e prata armazenados em cofres. Por esta razão, eu sempre recomendo não armazenar qualquer coisa em qualquer banco ou qualquer cofre de banco. Não corra riscos com o seu ouro físico e prata, que é o ativo base na carteira de todos. ”

 

Proteja suas economias em prata física antes que ela fique cara demais!

 

 

Fonte.

Depois do fim do Brasil, Empiricus prevê dez anos de recessão

falling-off-the-chart1   A avaliação é do economista Felipe Miranda, sócio da Empiricus, a casa de análises independente que causou urticárias nos militantes mais aguerridos do PT, durante a campanha eleitoral de 2014. Em junho daquele ano, Miranda lançou a primeira versão da análise “O Fim do Brasil”, em que previa que o modelo desenvolvimentista adotado após 2008 levaria o País à crise. Processado pelo partido da presidente – e então candidata à reeleição – Dilma Rousseff, Miranda foi inocentado pela Justiça e viu a crise chegar a números piores que as suas previsões. Agora, ele afirma que estamos diante de uma década de carestia.

Miranda afirma que a maior bolha de ativos financeiros da história global está prestes a estourar. Ela foi criada pela ação dos bancos centrais de todo o mundo, após a crise de 2008. No afã de estimular as economias locais, as autoridades monetárias injetaram maciças doses de dinheiro no sistema, a taxas de juros muito baixas – ou até mesmo, zeradas. Segundo Miranda, cerca de US$ 12 trilhões entraram em circulação desde aquele ano, para evitar que a crise financeira se aprofundasse.

“Os preços inflados estão na raiz do problema”, diz o economista. Por trás da sofisticação dos jargões e das contas, o raciocínio é simples. Se há muito dinheiro em circulação, o crédito fica mais acessível e mais barato. As pessoas começam a se endividar para consumir. A demanda eleva os preços – de carros a imóveis, passando por qualquer coisa. No mercado financeiro e de capitais, ocorre o mesmo. Bancos e investidores continuam tendo acesso a crédito farto e barato. O dinheiro é usado para comprar ações, títulos de dívida de países e empresas, imóveis.

Bolhas

bubble
A bolha se forma, quando o valor desses bens e investimentos se descola da realidade. Como medir isso? Um exemplo é comparar o preço das ações com o quanto as empresas lucram. Segundo Miranda, o S&P 500, um dos principais indicadores da Bolsa de Nova York, mostra a maior distância entre o valor das ações que compõem o índice e o retorno que as empresas geram, desde 2008.

Outro exemplo é a capacidade de pagamento dos bancos centrais. Somente o Federal Reserve, dos Estados Unidos, tem obrigações de US$ 4,3 trilhões em títulos de dívida circulando pelo mercado. O problema é que seus ativos (a soma dos bens que possui) totalizam apenas US$ 56 bilhões. Antes da crise de 2008, o nível de alavancagem do Fed era de 22 para 1. Agora, está em 77 para 1. Isso significa que, para cada 1 dólar de capital próprio, o banco central americano possui 77 dólares em dívidas contraídas. De prático, se apenas parte dos investidores desconfiarem que o Fed não terá condições de pagar seus compromissos e decidirem antecipar a cobrança para se garantir, o banco quebra.

A China também é destaque, entre as preocupações de Miranda. A economia chinesa vem desacelerando e muitos apontam que o país vive uma “fraude do crescimento”. O motivo seria o impulso artificial da construção civil. Antes da crise, em 2008, a construção respondia por 17% do PIB dos Estados Unidos. Na China atual, o porcentual é de 50%. Além disso, às vésperas do estouro da crise das hipotecas americanas, um cidadão demorava, em média, 4,3 anos para quitar sua casa. Para os chineses, esse tempo é de 18 anos. Traduzindo: a construção tem mais peso, com dívidas mais longas, no Oriente.

Nas sombras

Além de tudo, grande parte do dinheiro que gira a economia chinesa passa pelo que os especialistas chamam de “shadow banks”, ou bancos obscuros. Trata-se de instituições fora do sistema financeiro regulamentado, uma espécie de agiotas mais sofisticados. Estima-se que, em 2012, 69% do PIB do país fosse movimentado por esses mecanismos paralelos. Isso torna difícil, por exemplo, mensurar o real impacto de uma desaceleração na economia local.

E o que tudo isso tem a ver com uma possível nova década perdida para o Brasil? Miranda afirma que o estouro da bolha de ativos gerada pelos bancos centrais vai gerar uma “crise sem precedentes em esfera global”, com o “colapso generalizadodo sistema financeiro. O estouro seria traduzido pela reavaliação do preço desses investimentos. Ou seja: se o mercado entender que os governos não têm condições de honrar os títulos que venderam, o preço desses papéis vai despencar, arrastando todos os outros.

Os efeitos globais dessa desconfiança serão a queda de cerca de 50% no valor das ações em todo o mundo; a insolvência de bancos; o desmantelamento da Zona do Euro; o estouro das bolhas de crédito e imobiliária na China; uma crise de capacidade de pagamento de dívidas de diversos países; a pulverização das moedas de nações emergentes e o fim do fluxo de capitais para essas regiões.

Brasil

Haveria vários canais de contaminação do Brasil. O primeiro é que a China é, atualmente, nossa maior parceira comercial, respondendo por 20% das exportações. O segundo é que dependemos de capital externo para financiar projetos importantes no País, como obras de infraestrutura e o pré-sal. Por isso, Miranda afirma que os dez anos de recessão serão antecedidos por alguns sinais: a) forte desvalorização do dólar, que pode bater em R$ 4; b) perda do grau de investimento do Brasil; c) aumento dos juros pagos pelo Brasil para captar dinheiro; d) forte queda no valor das ações; e) aumento do desemprego; f) queda dos salários e deterioração dos indicadores de distribuição de renda. “Os avanços sociais conquistados desde os anos 90 estarão em risco”, afirma.

Os prognósticos não são agradáveis e já despertam críticas de militantes políticos em redes sociais. O ponto, porém, é que, até aqui, Miranda acertou suas projeções, apesar do terremoto que causou com “O Fim do Brasil”. Em junho do ano passado, quando o publicou, o economista previa uma alta do dólar para R$ 2,60, a queda do superávit primário para cerca de 1% do PIB e um crescimento da economia da ordem de 1,3% para 2014. A realidade, porém, mostrou-se bem mais sombria: a moeda americana fechou cotada a R$ 3,246 nesta segunda-feira 16 e já está na faixa dos R$ 3,30. As contas do governo fecharam com um rombo (déficit primário) de 0,63%, o primeiro em mais de dez anos; e já há quem projete uma queda do PIB do ano passado, a ser divulgado no fim de março.

Em entrevista à DINHEIRO, em janeiro, Miranda afirmou que a deterioração do cenário “foi pior do que imaginava”. Antigamente, dizia-se que um resfriado na economia global gerava uma pneumonia no Brasil. Com a economia enfraquecida, o risco de cair de cama novamente está cada vez maior. Diante da nova previsão de uma década perdida, a maior preocupação é de que, novamente, a realidade seja pior do que as estimativas.

 

Proteja suas economias em dinheiro sólido antes que o sistema financeiro faça o dinheiro de papel evaporar!

 

Fonte.