E o deficit de prata física persiste em 2016 apesar dos fundamentos mais suaves

O mercado de prata deverá apresentar um déficit físico anual de 52,2 milhões de onças em 2016, marcando o quarto ano consecutivo em que o mercado tem percebido um deficit de produção, de acordo com o Silver Institute Interim Silver Market Review, feito pela Thomson Reuters.

Resultado de imagem para Physical Silver Deficit

Embora tais deficits não influenciem necessariamente os preços no curto prazo, vários anos de deficits anuais podem produzir pressões ascendentes sobre os preços em períodos subsequentes. Em 2016, uma estimativa líquida de 71,4 milhões de onças fluíram para o mercado e 61,9 milhões de onças dos inventários de câmbio de derivativos construídos no acumulado do ano (final de outubro) aumentaram o efeito do déficit físico, trazendo
o saldo para -185,5 milhões de onças, equivalente a aproximadamente nove semanas de demanda global.

Outros destaques do relatório:

  • Os preços anuais da prata até 11 de novembro de 2016 foram, em média, US $ 17,23 / oz, 9,9% maior do que no mesmo período em 2015. A equipe da Thomson Reuters prevê as cotações em média de US $ 17,15 / oz para o ano civil completo, um aumento de 9,4% em relação à média de 2015.
  • A oferta total de prata deverá cair 3% para 1.012,4 milhões de onças em 2016. O declínio deverá ser impulsionado por uma queda de 1% nas minas, queda de 0,3% na oferta de sucata e hedging líquido de 20,0 milhões de onças. A produção das minas deverá atingir 887,4 milhões de onças em 2016, quase 6 milhões de onças inferiores a 2015.
  • A demanda de prata da indústria fotovoltaica deverá aumentar em 11% para um recorde de 83,3 milhões de onças em 2016. Painéis solares representam 14% da demanda industrial total este ano, estável em relação a 2015, mas significativamente acima de apenas 1% há uma década. A demanda por prata pelos produtores de óxido de etileno deverá permanecer estável em 2016 em 10,2 milhões de onças, após a duplicação da demanda no ano passado.

Proteja suas economias em prata física antes que ela fique cara demais!

Afinal, qual o valor da Prata no mercado hoje?

Frequentemente recebo esse questionamento de alguém que está começando a investir em prata, certamente preocupado com o futuro nada promissor da economia mundial. 

Essa dúvida normalmente decorre das cotações da Prata no mercado de commodities, como se pode observar aqui. E essa cotação é obviamente bem mais baixa do que os preços que se encontram por aí para a prata física.

Por quê essa diferença? Essas cotações do mercado de commodities referem-se a títulos, papéis com um certo valor, baseado em certa quantidade (onças troy), de prata. Na verdade é só um pedaço de papel, cujo valor flutua com as ‘regras’ do mercado (oferta e demanda), e teoricamente garantido por quem emitiu o papel. Na verdade, essa prata nem existe. Estima-se que seja emitido em papel uma quantidade de 4 a 10 vezes maior (em onças troy) do que a quantidade de prata física realmente em posse dessas instituições financeiras.

É como nosso dinheiro de papel. Na verdade ele não existe. Quando vamos buscar um crédito numa instituição financeira (ou mesmo usar o limite do cheque especial), é criada uma certa quantidade de dinheiro virtual, eletronicamente, bastando apenas ao gerente apertar alguns botões no computador do banco. Cria-se então dinheiro do nada, fiat money. Os bancos são autorizados a criar até 4 vezes mais dinheiro do nada, em relação ao dinheiro real que os depositantes confiam ao banco. A cada 100 reais que você deposita no banco, ele cria 400, e empresta 500 para outras pessoas. E a medida que estes empréstimos voltam ao banco (com juros exorbitantes), mais fiat money…uma bola de neve… Nos EUA, por exemplo, essa margem pode chegar até a 100 vezes (!).

Por isso que se todos os clientes forem ao banco de uma só vez retirar seu dinheiro ele quebra, vai à falência, por que o dinheiro de verdade já foi para os acionistas, e esse ‘dinheiro’ todo nas contas dos correntistas não existe, foi criado no computador.  E assim os bancos vão sugando a produtividade das nações… nosso trabalho, nossos impostos, nossa riqueza…. com seus lucros bilionários…

E tudo isso com a autorização dos governos. (Adivinhe quem patrocina as eleições de nossos governantes?)

Por isso que todos os mega bancos estão em grandes problemas com a eminente falência dos países da zona do Euro e os EUA. Esse fiat money foi (e continua sendo) emprestado aos governos, além da conta (seria ou não proposital?), além da capacidade de pagamento dos países, e se os países derem calote nos bancos, os bancos quebram (mas não seus donos…), e como tudo isso é dinheiro artificial, os bancos não terão com o que pagar os seus clientes que depositaram suas suadas economias nessas instituições. Por isso que alguns tentam argumentar que esses bancos são ‘grandes demais para quebrar’. Será?

E assim acontece com o mercado de commodities. Se todos os detentores de papéis de prata fossem às instituições exigir seu dinheiro, todos de uma vez, elas quebrariam. E além disso, essas instituições vem manipulando fortemente as cotações da Prata, para tentar segurar o rombo, evitar que as pessoas percebam o valor real desse metal, e adiar esse colapso financeiro, quando os investidores em commodities perceberem que a prata que eles tem no papel não existe. Esses papéis vão valer tanto quanto o Reichsmark após 1948. Talvez sirva para fazer fogo…

Mesmo com toda essa manipulação do mercado, você não encontra prata fisica para vender pelo preço ‘oficial’ das cotações. 

E como é composto esse preço? A diferença se origina, além da oferta e demanda, da percepção local do valor da prata (também chaamdo de prêmio sobre a cotação). Além disso, o Brasil não é um grande produtor deste metal. Assim, a prata tem que ser importada. Então, o preço local é uma combinação da percepção do valor pelo mercado, os custos da importação e a margem do revendedor. Outro componente importante no valor é a origem da peça, a mineradora que a produziu, e sua marca na fundição, o que garante sua pureza e qualidade.

Por isso lembre-se, deve-se considerar a prata como um investimento de longo prazo, como proteção do colapso financeiro mundial, e como uma grande oportunidade de multiplicar suas reservas quando o cartel não conseguir mais manipular os valores no mercado de commodities.

Aproveite que nossos preços são os melhores que você pode encontrar no mercado de prata física, e proteja suas economias, antes que fique caro demais !